Métodos contraceptivos: tudo que você precisa saber sobre eles parte 5

Mulher segurando dois tipos de métodos contraceptivos, uma camisinhas e pílulas
1 2 3 4 5

Continuação

O que é contracepção de emergência? Como usar a pílula do dia seguinte?

É a medida usada após a relação sexual desprotegida por qualquer razão (e aqui pode ser qualquer motivo mesmo: vontade, esquecimento, estupro, uso incorreto do método etc).
Existem três opções: a pílula do dia seguinte (método hormonal), o método de Yuzpe (também hormonal) e o DIU de Cobre.
Os métodos hormonais acabam por ser mais convenientes e acessíveis, mas o DIU de Cobre é o mais eficaz nesta situação.

Pílula do Dia Seguinte

Consiste em ingerir uma pílula de Progesterona (neste caso, Levonorgestrel), na dose de 0,75 mg de 12 em 12 horas, ou então 1,5 mg em dose única.
Mecanismo de ação: o uso agudo de altas doses de progesterona não terão os mesmos efeitos que o longo prazo propicia (alteração em muco do colo uterino e atrofia de endométrio, que é a camadinha de dentro do útero). Então, ela irá apenas inibir ou postergar a ovulação.
No entanto, se a paciente já tiver ovulado, essa pílula não conseguirá evitar uma gestação. Em outras palavras, ela não é abortiva.
Até quanto tempo devo usar: deve ser utilizada o mais rápido possível e no máximo até 5 dias após a relação desprotegida. Lembrando que quanto mais próximo for, maiores são as chances de sucesso.
Taxa de gravidez com uso correto: 1,0 a 3,1%.

Método de Yuzpe

Consiste em ingerir uma determinada quantidade de pílulas da cartela como forma de evitar a gravidez.

COMPONENTE DA CARTELA DE ANTICONCEPCIONAL ORAL MÉTODO DE YUZPE
Progesterona Estrogênio
Levonorgestrel 250mcg Etinilestradiol(EE) 50mcg Tomar 2 comprimidos de 12 em 12 horas por 24 horas
Levonorgestrel 150mcg Etinilestradiol(EE) 30mcg Tomar 4 comprimidos de 12 em 12 horas por 24 horas
Levonorgestrel 100mcg Etinilestradiol(EE) 20mcg Tomar 5 comprimidos de 12 em 12 horas por 24 horas

Observação: só têm efeito para contracepção de emergência as pílulas de levonorgestrel ou de norgestrel (não disponível no Brasil). Os demais tipos não possuem esse efeito comprovado.
Mecanismo de ação: a não-gravidez se dará devido às altas doses de progesterona. Ou seja, ela irá apenas inibir, ou postergar a ovulação. No entanto, se a paciente já tiver ovulado, a pílula não terá conseguirá evitar a gravidez.
Além disso, como houve a ingestão de grande dosagem de estrogênio, efeitos adversos como mal estar, enjoos e vômitos são muito comuns. Outros efeitos como dor de cabeça e tontura vão se resolver sozinhos
Até quanto tempo devo usar: deve ser utilizada o mais rápido possível e no máximo até 5 dias após a relação desprotegida. Lembrando que quanto mais próximo for, maiores são as chances de sucesso.
Taxa de gravidez com uso correto: 2,0 a 6,0%.

Diu de Cobre

Consiste na inserção do DIU T de Cobre em até no máximo 5 dias da relação desprotegida.
Observação: só tem efeito para contracepção de emergência pílulas de levonorgestrel ou de norgestrel (não disponível no Brasil). Os demais tipos não possuem esse efeito comprovado.
Mecanismo de ação: a presença do cobre, em contato com o endométrio, promoverá uma reação inflamatória local, tornando o ambiente hostil ao espermatozoide e dificultando a gravidez.
Até quanto tempo devo usar: deve ser aplicado o mais rápido possível e no máximo até 5 dias após a relação desprotegida. Lembrando que quanto mais próximo for, maiores as chances de sucesso. Será necessário, faça pelo menos um teste urinário ou de sangue que ateste a não-gravidez.
Taxa de gravidez com uso correto: 0,09%
O DIU de cobre é abortivo: claro que não!!!

Por fim: qual é o melhor dos métodos contraceptivos?

Depende! Quando pensamos no não desejo de engravidar, devemos ponderar se essa vontade é naquele momento (por exemplo, tenho vontade, mas não agora) ou se é algo mais definitivo (do tipo, não quero engravidar de jeito nenhum).
Também é importante pensar nos possíveis efeitos colaterais, se são aceitáveis ou não. Haverão casos em que a pele acneica não terá um peso tão grande quanto o fato de minimizar uma gestação, ou mesmo o contrário, em que uma gestação indesejada não será tão indesejada assim.
E é fácil escolher? Claro que não! Ainda temos de pensar no preço! Não adianta você escolher um método top, se não pode pagar por ele.
Então, baseado nessas variáveis, temos de sentar e conversar com nosso ginecologista para avaliar o melhor método contraceptivo possível para cada caso.

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Ginecologia

Médica, especializada em Ginecologia e Obstetrícia. Membro do corpo clínico Hospital Vila da Serra, Hospital Mater Dei e Maternidade Neocenter.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *