Artrose: o que você precisa saber sobre essa condição?

Médica está olhando o raio X das mãos de uma senhora enquanto ela está na cadeira segurando suas mãos com dor por causa da artrose

A artrose é uma doença crônica das articulações, geralmente localizada nas mãos, joelhos, quadril ou coluna vertebral.

Ela causa dor, inchaço, rigidez e dificulta a realização de movimentos normais como, por exemplo fechar a mão, subir escadas ou até mesmo caminhar.

A estimativa é que mais de 15 milhões de brasileiros sofram com essa doença. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 80% da população mundial acima de 65 anos apresentam artrose como condição. Porém, jovens adultos também podem sofrer dessa enfermidade.

Neste artigo, você vai saber tudo sobre artrose, seus sintomas, como é feito o diagnóstico, tratamento, prevenção e muito mais!

O que é artrose?

Como já adiantamos, a artrose é uma condição que afeta as articulações e também pode ser conhecida como osteoartrose. Ela é considerada a quarta principal causa da redução da qualidade de vida de inúmeras pessoas, uma vez que é acompanhada por dores e inchaços.

Por sim, ela nada mais é que o processo de degeneração da cartilagem das articulações.

Tipos de artrose

A artrose é dividida em dois tipos, de acordo com a causa:

  • Artrose primária: manifesta em decorrência do uso excessivo das articulações. É muito comum ocorrer devido ao envelhecimento. Pode contar com danos à cartilagem e degeneração do líquido e da membrana sinovial.
  • Artrose secundária: aparece como consequência de outras doenças como obesidade, gota, casos de diabetes ou traumas.

Artrose é o mesmo que artrite?

Artrite é um termo geral usado para descrever vários quadros de inflamação articular.

A artrose é, na verdade, um tipo de artrite também conhecido como osteoartrite (OA).

Porém, ter artrite não significa, necessariamente, também ter artrose. Enquanto a primeira é decorrente de inflamações e muito comum em doenças autoimunes, a segunda é a degeneração da articulação que pode, ou não, estar vinculada a uma inflamação.

Quem está mais propício a adquirir artrose?

Muitas vezes, existe uma predisposição hereditária à artrose. Além disso, alguns outros fatores de risco são conhecidos. São eles:

  • idade acima de 50 anos;
  • sexo: afeta principalmente mulheres;
  • menopausa: a diminuição dos níveis de estrogênio que ocorre com a chegada da menopausa é também um dos fatores de risco para desenvolvimento da artrose;
  • profissões ou esportes que sobrecarregam as articulações;
  • sedentarismo;
  • excesso de peso: não parece participar do desenvolvimento da artrose, mas pode agravá-la em certas articulações, como os joelhos e os quadris;
  • trauma: fraturas e lesões podem ser um fator desencadeante;
  • deformidades articulares (joelho para fora ou para dentro).

Sintomas e sinais: será que você tem artrose?

As queixas mais comuns entre os pacientes com artrose são:

  • dor ao movimentar a articulação;
  • rigidez ao acordar ou após um período sem movimentar a articulação;
  • inchaço e sensibilidade à palpação;
  • redução da flexibilidade da articulação afetada;
  • sensação que os ossos estão raspando um no outro;
  • esporões: pequenas espículas ósseas que crescem nas articulações afetadas.

Ao observar alguns desses sintomas, é importante procurar um médico para que seja feito o diagnóstico corretamente. Afinal, esses sintomas também podem corresponder a outras doenças e condições e apenas uma avaliação clínica.

Como é feito o diagnóstico da artrose?

O reumatologista é o especialista capaz de dizer se o paciente tem artrose ou não. O diagnóstico é confirmado por exames físicos, de imagem (principalmente das articulações) e de sangue.

Durante o exame físico, o médico examinará as regiões onde o paciente sente dores, observando vermelhidão, inchaço e sensibilidade do local. Outro ponto a ser verificado é a amplitude do movimento.

Entre os exames de imagem que podem ser solicitados, está o raio-x. A articulação não aparece neste exame, mas seu desgaste é observado a partir do espaço entre os ossos, caso estejam estreitos.

Pode ser preciso fazer, também, uma ressonância magnética. A partir deste exame, o médico obtém imagens detalhadas dos ossos e cartilagens, podendo, assim, identificar o causador da dor.

Já os exames de sangue são capazes de excluir outras possíveis causas, como a artrite reumatoide.

Quais são as complicações da artrose?

Com a evolução da artrose, o paciente pode ter dificuldade em desenvolver atividades rotineiras como limpar a casa, cozinhar ou até mesmo realizar a higienize pessoal.

Caso não seja tratada, a artrose pode reduzir consideravelmente a capacidade de andar.

Artrose tem cura?

Não há cura para a artrose. Seu tratamento visa melhorar os sintomas de dor, rigidez e inchaço. As alternativas mais utilizadas para amenizar o caso são:

  • medicação anti-inflamatória;
  • fisioterapia para reforçar e estabilizar as articulações e melhorar a mobilidade e a flexibilidade;
  • terapia ocupacional;
  • injeções de cortisona e ácido hialurônico;
  • cirurgia, em alguns casos como realinhamento de ossos e substituição da articulação.

Como preveni-la?

Existem três fatores principais para prevenir a artrose:

  • dieta balanceada;
  • manter um peso saudável, evitando a obesidade;
  • exercício físico: o movimento aumenta a produção de líquido sinovial, que lubrifica a articulação.

Como amenizar os sintomas?

Além do acompanhamento com um reumatologista e seguir os tratamentos indicados, há algumas mudanças diárias que podem amenizar os sintomas. São elas:

  • Evitar ficar na mesma posição por muito tempo, buscando se movimentar a cada meia hora, alongando mãos, braços, pernas e pés.
  • Diminuir situações que possam resultar em quedas, como subir e descer muitas escadas, ter tapetes espalhados pela casa ou o uso de sabonetes em barra que possam cair durante o banho. Da mesma forma, conte com corrimãos e barras de apoio em casa.
  • Repouse sempre que necessário, principalmente após executar atividades que causam impacto nas articulações.
  • Acupuntura, Ioga e pilates são práticas que ajudam na redução das dores e inchaços.
  • Se recomendado, use corretamente bengalas e andadores, eles darão mais mobilidade ao seu dia a dia.
  • Observe sua alimentação, alguns alimentos, como açúcar, fazem com que haja mais atividade inflamatória no organismo, o que pode contribuir para o aumento de dores.

No mais, aceite a ajuda das pessoas sempre que necessário. Com o agravamento da doença, sua rede de apoio fará toda a diferença.

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Ortopedia

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital das Clinicas. Diretor do CMH medicina hospitalar. Foi diretor e presidente do Hospital Semper, Unimed e Amil. É membro da Academia Mineira de Medicina desde 2009.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *