Mulher segurando dois tipos de aparelhos dentais

O sorriso é o nosso cartão de visitas. Afinal, quando olhamos para alguém, ele é o primeiro a ser observado. Por isso, a busca por dentes perfeitos, seja ela por meio de aparelhos dentais ou outras alternativas, é um dos objetivos estéticos mais procurados pelas pessoas. Além disso, é importante lembrar que uma arcada alinhada e saudável também garante uma boa mastigação e qualidade de vida. Ou seja? Todo mundo sai ganhando!

Para quem o tratamento ortodôntico é mais indicado?

Dentes tortos, apinhados, separados e mal posicionados são ótimas indicações para aparelhos dentais. Afinal, eles geram má oclusão, comprometendo a função mastigatória, estética, respiratória e de fala das pessoas.

Não importa a idade, qualquer pessoa que quiser melhorar a estética e funcionalidade do posicionamento dos seus dentes pode optar pelo tratamento ortodôntico. Dentes mal posicionados também impedem que as pessoas mantenham uma boa higienização, o que pode gerar o aparecimento de cáries, tártaro e problemas periodontais.

Os benefícios dos aparelhos dentais

A correção ortodôntica evita problemas futuros como, por exemplo:

  • dificuldades de articulação da face;
  • perda dos dentes;
  • doenças na gengiva.

Para atender a todas as necessidades, profissionais da odontologia desenvolveram diversos tipos de aparelhos ortodônticos e protocolos que indicam o que melhor tipo para cada paciente, conforme seus objetivos.

Para definir qual o melhor tratamento, algumas etapas devem ser seguidas:

  • radiografias panorâmicas e interproximais (entre dentes);
  • documentações;
  • fotografias;
  • moldagens dos dentes.

Todas as etapas devem ser realizadas para saber o estado dos dentes, gengiva e mucosa, além da projeção mandibular e estado ósseo dos tecidos. Seguindo os protocolos de segurança, o tratamento pode ser iniciado e realizado de forma assertiva e tranquila.

Quais são os tipos de aparelhos ortodônticos?

Existem dois grandes grupos de aparelhos: os fixos e os removíveis. Os primeiros são recomendados para tratamentos mais longos, já os segundos para correções mais simples. De acordo com o estilo de vida e dificuldades apresentadas na avaliação ortodôntica, o dentista indicará o melhor estilo de aparelho para cada caso.

Aparelhos fixos 

São os mais conhecidos e utilizados nas correções. Também correspondem aos tratamentos mais acessíveis e baratos.

Esse aparelho possui bandas, fios e/ou bráquetes de metal. Os dentes são movimentos por meio da utilização de torques/forças aplicadas nas direções que o especialista vê necessidade.

As consultas são mensais e pode haver mudança nos bráquetes e ajustes nos fios. A higienização é feita por meio do auxílio de escovas interdentais, escovação comum e bochechos após as refeições. 

Aparelhos estéticos fixos

Possuem as mesmas características dos aparelhos fixos metálicos. Porém, os bráquetes são de materiais transparentes e menores.

Existem alguns tipos de fixos estéticos como, por exemplo: aparelhos de policarbonato, safira e de porcelana. Tais bráquetes proporcionam um sorriso bonito para o paciente enquanto ele está se tratando.

A higienização também é feita por meio do auxílio de escovas interdentais, escovação comum e bochechos a cada refeição.

Aparelhos móveis

São aparelhos usados, em geral, após os tratamentos ortodônticos em adultos. Seu objetivo é manter os dentes alinhados e estabilizá-los dentro do período solicitado pelo dentista.

Crianças com dentição definitiva, ou não, podem fazer o uso desse aparelho se o dentista achar necessário. O uso do aparelho nessa fase de desenvolvimento (até os doze anos) contribui para que os dentes cresçam no local correto e evita grandes problemas de oclusão. Além disso, ele intervêm em problemas relacionados ao crescimento ósseo. Mesmo assim, pode ser que a criança ainda precise fazer algum tratamento quando adolescente e/ou adulto.

A higienização é simples. Como o paciente retira o aparelho, pode usar o fio dental e fazer a escovação normalmente.

Aparelhos dentais de contenção

São utilizados após a finalização da correção dentária. O uso se faz necessário para evitar que os dentes se movimentem e/ou girem novamente. A estabilidade dental é essencial para garantir o fim do tratamento, por isso os dentistas fazem a indicação desses aparelhos durante determinado tempo, até completar o resultado esperado.

Aparelhos móveis ortopédicos 

São indicados na infância para tratar desarmonias entre as bases ósseas. O aparelho dental móvel ortopédico deve ser usado o dia inteiro, pois o seu intuito é o de promover alterações neuromusculares e ósseas. Esse redirecionamento das estruturas da mucosa previne algumas tendências desfavoráveis, como os problemas ortodônticos, por exemplo.

Aparelhos fixos autoligáveis 

São um dos tipos de aparelho mais avançados tecnologicamente. A tecnologia dos autoligáveis permite um atrito mínimo entre bráquete e arco, e a força utilizada no tratamento é menor, e os resultados mais rápidos. Além disso, há um menor acúmulo de bactérias na boca. Afinal, o autoligável dispensa o uso de borrachinhas nos bráquetes. Por causa da ligação direta entre o arco e o bráquete, as forças aplicadas ficam ativas por mais tempo, o que diminui também o número de visitas ao dentista.

Expansores palatinos 

São indicados para serem usados na fase da infância e adolescência, pois a estrutura palatina é mais fácil de ser rompida. Porém, dentistas utilizam os expansores também em adultos para tratar problemas de oclusão como, por exemplo, mordidas cruzadas. Contudo, em muitas vezes as cirurgias de apoio são necessárias.

Os expansores são fixados no céu da boca e manuseados pelo próprio paciente. Este, por sua vez, contribui com o processo da expansão apertando os mini-implantes parafusados no dia-a-dia, de acordo com a recomendação do dentista, até alcançarem uma boa abertura palatina.

Aparelhos alinhadores tipo Invisaglin 

Apesar de fazerem muito sucesso, os alinhadores são indicados, preferencialmente, para tratamentos e correções simples. É o exemplo de pessoas que possuem alguns tipos de apinhamentos leves, para fechamento de diastemas e reordenação de dentes mal posicionados.

Os pacientes com esse tipo de aparelho dental sentem menos dores e têm mais facilidade para higienizar dentes e boca. Para se alimentar e escovar os dentes, as pessoas podem retirá-los. O uso diário mínimo de recomendação é de vinte horas por dia. As placas, em geral, são feitas de acetato, sendo duras o suficiente para promoverem movimentações mais confortáveis e discretas.

Além de transparentes, as placas se moldam com os dentes e dificilmente são percebidas no cotidiano.

Além disso, elas são produzidas digitalmente em laboratórios especializados. As manutenções são feitas com a troca das placas a cada quinze dias. Todas as movimentações são previamente planejadas pelo ortodontista, com ajuda de softwares que calculam as mudanças necessárias. 

Aparelho lingual 

Também é considerado um tratamento invisível, pois os bráquetes são afixados na parte interna dos dentes, ficando em contato com a língua. Por não ficar exposto, o aparelho lingual é estético e recomendado para atletas e esportistas. Em caso de choques e pancadas, o risco de corte dos lábios é menor. Além disso, esse tratamento é recomendado para pessoas mais discretas e que trabalham com a imagem, como repórteres e modelos.

A correção costuma ser rápida. A higienização costuma ser um pouco mais trabalhosa. Porém, com a prática, torna-se mais rápida e simples. Quem utiliza esse método precisa ter um pouco mais de cuidado para não quebrar os bráquetes ao longo do tratamento. A técnica é mais difícil se comparada com a empregada na instalação/manutenção dos fixos convencionais, apesar de gerar excelentes resultados também.

Enfim…

Após entender um pouco mais sobre os tipos de aparelhos dentais e protocolos seguidos nos tratamentos, você pode pedir uma avaliação a um ortodontista para indicar qual o melhor tipo para suas necessidades e iniciar a correção dentária. Além da aparência, um sorriso saudável e bem cuidado pode melhorar a autoestima e a qualidade de vida das pessoas.

Quer saber mais sobre a saúde bucal? Acompanhe a nossa editoria!