Síndrome do pânico: o que é e como lidar com ela?

Homem com síndrome do pânico com as mãos na cabeça demostrando estar desesperado

O transtorno ou síndrome do pânico se caracteriza pela ocorrência de crises recorrentes de medo ou intenso mal estar, acompanhados de sintomas físicos e cognitivos que se iniciam de forma abrupta, com intensidade que pode durar até 10 minutos. Entre os sintomas mais comuns estão a taquicardia, suor, tontura, falta de ar e enjoos.

Estes ataques resultam em preocupação quanto ao surgimento de uma nova crise, gerando ansiedade e preocupação. Os pacientes com crise de pânico chegam a procurar atendimento nos serviços de urgência e emergência, procurando um diagnóstico que explique os ataques recorrentes e a sensação de morte iminente.

Para saber tudo sobre a síndrome de pânico, continue conosco!

Sintomas do transtorno de pânico

Durante a crise de pânico, o medo e mal estar podem ser acompanhados por:

  • frequência cardíaca acelerada;
  • suor;
  • tremores;
  • falta de ar;
  • dor no peito;
  • náuseas;
  • dores no estômago;
  • vertigem;
  • desmaio;
  • calafrios;
  • sensação de formigamento no corpo;
  • medo de perder o controle, enlouquecer ou morrer.

Causas

Ainda não se sabe, ao certo, a causa específica para um ataque de pânico e, consequentemente, para a síndrome que o carrega. Porém, existem alguns fatores de risco para sua ocorrência:

  • fatores genéticos;
  • muita exposição e/ou sensibilidade excessiva ao estresse;
  • passar por mudanças bruscas ou traumas significativos;
  • histórico de abuso físico, emocional ou sexual na infância;
  • ingestão excessiva de cafeína.

Complicações

Quando não tratada adequadamente, a síndrome do pânico pode afetar praticamente todos os aspectos da vida de uma pessoa, com impacto significativo na sua qualidade de vida.

No mais, são algumas complicações comuns desta condição:

  • desenvolvimento de fobias específicas;
  • afastamento/isolamento social;
  • depressão, transtornos de ansiedade ou outros transtornos psiquiátricos;
  • aumento do risco de suicídio ou pensamentos suicidas;
  • uso indevido de álcool ou outras substâncias.
  • prejuízos na qualidade de vida devido ao medo constante de novas crises.

Diagnóstico

Não existe um teste ou exame específico para detectar a síndrome do pânico. Por apresentar sintomas bastante semelhantes aos de um ataque cardíaco, o médico provavelmente começará examinando o paciente por aí e, claro, descartará esse e outros problemas de saúde.

Além disso, uma avaliação psicológica será feita para que o paciente fale sobre seus sintomas, medos, preocupações, situações que pode estar passando e histórico familiar. Somente após uma minuciosa avaliação, o médico poderá efetivar o diagnóstico e direcionar o paciente para o acompanhamento especializado com um psiquiatra e, se necessário, uma equipe de saúde mental.

São critérios para um diagnóstico de síndrome de pânico

O diagnóstico do transtorno do pânico é sempre feito pelo psiquiatra ou pelo médico emergencista após descartar outras patologias. Os critérios que definem o diagnóstico são:

  • ter ataques de pânico frequentes e inesperados;
  • ter um de seus ataques seguido por um mês ou mais de preocupação contínua sobre ter outra crise;
  • ter medo contínuo das consequências de um ataque, como perder o controle, ter um ataque cardíaco ou “enlouquecer”;
  • passar por mudanças significativas em seu comportamento, como evitar situações que acha que podem desencadear um ataque de pânico.

Tratamento

O tratamento para a síndrome do pânico se concentra na redução ou eliminação de seus sintomas. Isso pode ser feito por meio de terapia. O tratamento medicamentoso será estipulado pelo psiquiatra de acordo a sintomatologia, bem como a duração do tratamento.

Além da medicação, algumas medidas e terapias complementares podem contribuir para reduzir os sintomas das crises:

  • mudanças de estilo de vida;
  • manter uma rotina;
  • exercitar-se regularmente;
  • dormir bem;
  • evitar o consumo de cafeína;
  • TCC – terapia cognitivo comportamental;
  • acompanhamento com psicólogo;
  • acompanhamento com psicanalista.

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Vinkmag ad

Clínica Geral

Post Relacionados

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *