Vista de cima de cachorro com Síndrome da Disfunção Cognitiva

Dra. Juliana Franzo

Cães e gatos estão vivendo cada vez mais, e isso graças aos melhores cuidados veterinários, nutrição e prevenção de doenças. Sendo assim, da mesma forma como ocorre nos humanos, um dos maiores problemas da terceira idade em pets é o envelhecimento cerebral.

A partir dos 9 anos, os animais costumam demonstrar alterações semelhantes ao Alzheimer e serem diagnosticados com síndrome da disfunção cognitiva.

O que é a síndrome da disfunção cognitiva?

A síndrome da disfunção cognitiva é uma doença neurodegenerativa progressiva, relacionada à idade. Ela provoca alterações na memória e aprendizado, ambas caracterizadas por mudanças de comportamento, ansiedade, desorientação, esquecimento dos hábitos adquiridos previamente, perturbações no sono e no nível de atividade diária.

Sinais mais frequentes da síndrome da disfunção cognitiva

Um animal com a doença costuma:

  • trocar o dia pela noite, ficar agitado, vocalizar (miar ou latir), perambular pela casa e realizar movimentos repetitivos;
  • apresentar desorientação, falta de reconhecimento do local em que vive e dos membros da família;
  • ter falta ou aumento de apetite, ou ainda se esquecer de que já se alimentou e pedir mais comida, inclusive em horários inadequados, como de madrugada;
  • apresentar atitudes estranhas como latir/miar para a parede, girar em torno de si mesmo ou ainda se tornar agressivo e impaciente;
  • perder hábitos de higiene comuns, e começar a urinar e defecar em locais inapropriados;
  • ter pouco interesse por exercícios e brincadeiras.

Fatores de risco para a síndrome da disfunção cognitiva

  • Idade acima de 8 anos;
  • dieta pobre;
  • falta de exercícios físicos;
  • ambiente pobre de estímulos mentais;
  • poluição.

Como prevenir a síndrome da disfunção cognitiva?

A prevenção da síndrome da disfunção cognitiva, bem como de outras doenças típicas da terceira idade, deve ser feita desde cedo. Para isso, basta cultivar os dez pilares da saúde!

Seguem algumas dicas:

Por fim, existem inúmeros nutracêuticos antioxidantes e neuroprotetores que podem ser utilizados para prevenir e amenizar as alterações cognitivas dos peludos.

Para saber mais sobre a disfunção cognitiva canina leia:
Disfunção cognitiva canina: demência em cães

Gostou do Texto? Para ler mais conteúdos como esse, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!