Mulher, em uma palestra, falando em um microfone. Comemoração do dia mundial da voz

Dr. Rogério Oliveira

Um simples resfriado ou uma festa barulhenta podem resultar na perda da voz e/ou rouquidão. Quem já não passou por isso? Nesses casos, o repouso de voz, hidratação e o tempo são suficientes para que tudo volte ao normal.

Mas… e quando a rouquidão se prolonga?

Ela pode, sim, ser motivo de preocupação. Uma alteração na voz que permanece mais de duas semanas sem sinais de melhora, especialmente em fumantes, pode significar uma doença grave. Nesses casos, um especialista deve ser procurado sem demora!

Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que o Brasil é o segundo país no mundo em número de casos de câncer de laringe, ficando atrás somente da Espanha. As chances de cura superam 90% se a doença for detectado precocemente.

Mas o que é a rouquidão?

É um dos sintomas da disfonia, que corresponde a qualquer alteração da voz que prejudica a comunicação. São alguns exemplos:

  • alteração da qualidade da voz;
  • alteração do volume da voz;
  • mudança do tom de voz;
  • aumento do esforço para falar.

Professores, cantores, telefonistas, pessoas mais velhas e fumantes têm um maior risco de desenvolver disfonia.

Causas

  • Laringite aguda: causa mais comum de rouquidão, provocada por uma infecção viral, ou pelo excesso de uso da voz.
  • Lesões benignas nas cordas vocais: nódulos, pólipos e cistos nas cordas vocais podem ser resultado de uso excessivo ou errado da voz.
  • Lesões malignas nas cordas vocais: toda rouquidão que se prolonga por mais do que 2 semanas deve ser avaliada cuidadosamente para excluir o diagnóstico de câncer.
  • Doenças neurológicas: a rouquidão pode ocorrer em pacientes com Parkinson, ou que tiveram um AVC (Acidente Vascular Cerebral). As cordas vocais também podem ficar paralisadas após uma infecção, trauma ou cirurgia.
  • Atrofia das cordas vocais: com o envelhecimento as cordas vocais, estas se afinam e ficam mais flácidas, resultando em mudanças na voz.
  • Hemorragia das cordas vocais: a perda de voz após gritar ou usá-la excessivamente pode ser resultado de um sangramento local e deve ser avaliada imediatamente.

Fatores de risco

  • Refluxo: pessoas que sofrem constantemente de azia e má digestão podem ter refluxo, condição na qual o conteúdo ácido do estômago sobe para o esôfago, causando inflamação local. Em alguns casos, esse líquido atinge a laringe e as cordas vocais, causando alterações na voz.
  • Tabagismo: fumar causa edema e inflamação das cordas vocais, resultando em mudanças no tom de voz, que se torna mais grave. Além disso, aumenta significamente o risco de câncer de laringe.Um fumante que apresenta rouquidão por mais de 4 semanas deve procurar um especialista imediatamente.
  • Alergia.
  • Doenças de tireóide.
  • Artrite reumatóide.
  • Trauma das cordas vocais.

Quando procurar um especialista?

Uma pessoa que apresenta rouquidão na voz deve procurar um otorrinolaringologista (especialista em ouvido, nariz e garganta) quando:

  • a rouquidão durar mais que 2 semanas;
  • ocorrer uma mudança importante e súbita na voz;
  • a voz se tornar mais grave ou aguda, cansada, trêmula ou fraca;
  • tornar-se necessário um grande esforço para falar;
  • a rouquidão se associar à dificuldade para respirar ou dor;
  • a rouquidão prejudicar o trabalho ou a qualidade de vida do indivíduo.

Diagnóstico

Para diagnosticar a causa da rouquidão, o especialista irá examinar as cordas vocais com um laringoscópio. Com esse instrumento, é possível observar a presença de lesões, edemas, hemorragia e outras alterações. Em alguns casos, é realizada a biópsia.

Exames laboratoriais podem ser necessários para afastar doenças associadas. Exames de imagem, como a ressonância magnética, avaliam as lesões encontradas e os tecidos adjacentes, que podem estar infiltrados.

Tratamento

Em todos os pacientes, o repouso de voz é recomendado. Sussurrar não é recomendado, pois exige muito das cordas vocais. O tratamento específico é indicado de acordo com a causa da rouquidão.

A terapia de voz, com um fonoaudiólogo, pode ser indicada para melhorar os padrões de fala e inclui exercícios respiratórios, de postura e relaxamento.

Prevenção

Algumas dicas para preservar a saúde da voz:

  • evite falar em locais barulhentos;
  • se falar em público, use sempre um microfone;
  • fique atento ao seu tom e volume de voz;
  • não fume e evite ser fumante passivo;
  • beba bastante água;
  • evite álcool e bebidas cafeinadas, que causam desidratação;

E aí, gostou do texto? Para ler mais conteúdos como este, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)! Estamos te esperando.