Dois cachorros latindo um para o outro ao ar livre representando a reatividade em cães

Dra Camilli Chamone

A reatividade em cães é caracterizada pela reação exacerbada do cão a algum estímulo do ambiente, pessoa ou outro animal. Por exemplo, um cão que, passeando na rua, reage com latidos ou tenta avançar em uma criança, é um animal hiperreativo. Se um cachorro vê uma pessoa e fica agitado, pulando e latindo por querer interagir, ele também é reativo.

A reatividade, na maioria das vezes, está associada à agressividade, mas nem sempre. Um cão que reage com medo, ou agitação excessivos, também pode ser considerado reativo.

Causas da reatividade em cães

Um cão não nasce agressivo. Ele pode ter uma predisposição genética, mas o comportamento de agressividade é adquirido e construído progressivamente a partir das experiências de vida do animal.

O problema geralmente se inicia na fase de socialização do filhote, quando o cérebro está se desenvolvendo e expandindo. Se nesse momento o cão é exposto a estímulos inadequados ou excessivos, ele fica com medo.

Quando essa exposição a situações ameaçadoras continua, o sentimento se concretiza no cérebro em formação. Na adolescência, o medo está firmado e o cão passa a reagir a ele. O tipo de reação depende de cada cão, que pode se tornar agressivo ou medroso.

A socialização de um filhote deve ser uma experiência positiva, gradual e controlada. É uma fase de extrema importância e que pode definir o comportamento do animal pelo resto da sua vida.

O comportamento agressivo indica, na verdade, um cão emocionalmente frágil e medroso. Se o tutor contribuir para o medo, expondo o animal a situações desconfortáveis ou brigando com ele constantemente, ele perde a confiança do cão.

Como abordar um cão reativo?

A base da abordagem de um cão reativo é tratar o seu medo e ansiedade. Isso pode ser feito por meio dos três pilares para uma boa reatividade em cães:

  • aumentar o bem estar;
  • diminuir o estresse;
  • trabalhar a relação tutor-cão.

Evitar situações ameaçadoras

É importante que o tutor não deixe o espaço do cão ser invadido. Em casa ou na rua, deve-se controlar a forma como as pessoas, especialmente as crianças, abordam o animal. É sempre melhor deixar com que ele se aproxime quando quiser e se sentir seguro, do que impor a ele carinhos de pessoas com quem não está acostumado.
Se o cão fica estressado na presença de outros animais, por que expô-lo a essa situação? Nem todo cachorro gosta de socializar e brincar com outros animais e isso é normal.

Se ele sai na rua movimentada e fica agitado e nervoso, está demonstrando que o excesso de estímulos o incomoda. Por que, então, não sair com o pet em um horário mais tranquilo?

Estimular o farejo é também um importante fator para o bem estar e boa reatividade em cães, pois ele libera substâncias no cérebro ligadas ao prazer.

Fortalecer o vínculo de confiança entre o cão e o tutor

Um cão, para ser tranquilo e feliz, precisa confiar em seu tutor e acreditar que este irá protegê-lo SEMPRE, em qualquer situação. Existem várias estratégias para conseguir isso:

  • não punir o cão por apresentar comportamentos de cachorro: fazer xixi, cocô, latir, roer e cavar são naturais para um cão. Cabe ao tutor ensiná-lo, usando técnicas de educação positiva, ONDE fazer as necessidades, ONDE cavar e O QUE roer. E mesmo um cão treinado irá ter “acidentes”! Brigar com ele não ensina nada e destrói a confiança que ele tem em você.
  • trabalhar a comunicação entre tutor e cão adestrando-o: ensiná-lo a sentar, deitar, ficar, dar a pata e outros comandos básicos são treinos de comunicação que consolidam a relação entre ambos!
  • diversão: brincadeiras são uma das formas mais positivas de estreitar os laços com o animal que, durante estas, fica relaxado e feliz.
  • treinos de comunicação na rua: outra tática interessante. Um exemplo é ensinar ao cachorro, durante o passeio, a parar e olhar para você quando chamado pelo nome. Dessa forma, quando houver no ambiente algo potencialmente ameaçador, fica fácil desviar a atenção dele e dirigi-la a outra coisa.

É importante lembrar que um cão em situação de ansiedade e estresse é INCAPAZ DE APRENDER! Deve-se, então, controlar a ansiedade dele antes de iniciar os treinamentos positivos.

Paciência e perseverança

Mudanças de comportamento, especialmente quando se trata da reatividade em cães, levam tempo. Especialmente em cães adultos. É por isso que precisamos ter paciência. O trabalho é longo e algumas vezes cansativo, mas todo esforço é válido para ajudar o seu cão a ter mais bem estar e qualidade de vida.

Um cão feliz não quer briga com ninguém!

Gostou do texto? Visite a editoria Saúde do Animal e saiba como manter a saúde do seu melhor amigo. Nossos veterinários e especialistas têm muito para contribuir. Acesse, também, nosso Facebook, Instagram e Twitter para ficar por dentro de tudo sobre o universo pet.