Close de pílulas de polivitamínicos nas mãos de uma mulher que está ajoelhada na cama

Dra. Dulcilea Ferraz

Usar polivitamínicos, nutracêuticos, principalmente por conta própria, não garante a diminuição da queda de cabelos. Aliás, os polivitamínicos não tratam a maioria das doenças do couro cabeludo e fios.

A conduta principal a ser tomada quando ocorre queda e diminuição do volume dos seus cabelos, ou falhas de fios no couro cabeludo, é consultar um médico dermatologista com formação na área de Tricologia.

Primeiramente, o diagnóstico de seu problema deve ser realizado. Para que isso ocorra da forma adequada, anamnese e exame físico detalhados são necessários.

Muitas vezes, os pacientes chegam aos consultórios médicos já tomando polivitamínicos por conta própria há vários anos, sem um diagnóstico preciso do seu problema capilar.

Essa conduta, além de equivocada, muitas vezes faz com que eles tenham perdido a chance de iniciarem um tratamento precoce apropriado se tivessem consultado um profissional mais cedo.

Protelar um diagnóstico de qualquer patologia não é aconselhável. Isso pode atrasar o início de um tratamento eficaz.

Os conhecimentos na área de Tricologia têm avançado muito nos últimos anos, propiciando o diagnóstico de um número maior de doenças do couro cabeludo e cabelos.

Essas patologias são investigadas por meio de uma anamnese detalhada e de um bom exame físico, incluindo o exame do couro cabeludo, dos pelos do corpo, da pele, unhas e até mesmo o exame dos dentes. Quando há necessidade, são solicitados exames de sangue, fezes, urina ou outros.

Exames específicos poderão ser necessários para o diagnóstico de alopecia (perda de cabelos) como, por exemplo:

  • dermatoscopia do couro cabeludo e cabelos (TRICOSCOPIA portátil ou digital);
  • tricograma;
  • pull test;
  • tug test;
  • exame micológico;
  • biópsia do couro cabeludo;
  • exame microscópico dos fios de cabelos;
  • entre outros.

Para realizar toda essa avaliação e exames é necessário conhecimento adequado na área de Tricologia/Dermatologia.

O exame e avaliação dos sinais de doenças do couro cabeludo é difícil. Sua comparação numa consulta posterior para avaliar se houve melhora ou piora é ainda mais desafiadora. Por isso, é importante registrar os sinais do couro cabeludo em fotos clínicas padronizadas.

A dermatoscopia do couro cabeludo (tricoscopia) e cabelos também deve ser registrada com fotos padronizadas. Tal conduta auxiliará o acompanhamento nas consultas seguintes e orientará o médico quanto à necessidade de alterar ou até suspender o tratamento.

Todo esse procedimento requer paciência e detalhamento por parte do profissional.

A queda de cabelos em uma quantidade diária menor do que 100 fios pode ser normal para uma pessoa.

Porém, essa queda pode ser anormal (principalmente se for maior que 100 fios por dia) e ser um sinal de doenças como anemia, problemas de tireoide, doenças auto-imunes, sífilis etc.

Se a causa da sua alopecia for uma dessas doenças citadas, o tratamento de sua perda de cabelos deverá ser o tratamento dessas doenças. Necessitará, também, de acompanhamento médico rigoroso e disciplinado.

É relevante também saber que algumas doenças provocam falhas na borda dos cabelos na testa semelhantes às entradas da calvície ou alopecia androgenética. Como exemplos podem ser citadas as doenças secundárias a distúrbios hormonais, a alopecia frontal fibrosante, a alopecia mucinosa e a alopecia de tração.

Todas essas patologias necessitam de tratamentos específicos e acompanhamento médico. O uso apenas de polivitamínicos não as solucionará.

Portanto, se você está com queda de cabelos e realmente com receio de ficar careca, antes de iniciar o uso de medicações por conta própria, marque uma consulta médica para tentar diagnosticar esse problema.

E, ainda, existem vários tipos de polivitamínicos no mercado de produtos farmacêuticos, sendo que há alguns mais específicos para os problemas capilares. Se for necessário o uso desses medicamentos, o seu médico irá prescrevê-los e te orientar sobre como tomá-los.

E… paciência!

Os fios de cabelos crescem, em média, 1 cm/mês. Portanto, para que os fios nascidos no topo da cabeça alcancem em comprimento a altura dos ombros, a espera será de pelo menos 3 anos e, isso em caso de cabelos lisos. Para quem tem cabelos ondulados ou crespos a visualização desse comprimento demorará mais tempo.

E lembre-se: o uso de qualquer medicamento para o tratamento de qualquer doença deverá ser sempre orientado e prescrito pelo seu médico.

Quer saber mais sobre as doenças que afetam o couro cabeludo? Leia mais conteúdos da Dra. Dulcilea aqui no Convite à Saúde e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter).