Menina japonesa na cozinha com maça na mão

Dr. Francisco Machado

Afinal, o que é obesidade?

A obesidade é uma doença grave e crônica que pode causar danos substanciais à saúde de uma pessoa, principalmente se ela estiver na adolescência.

Porém, não se engane: excesso de peso e obesidade não são a mesma coisa. O primeiro está relacionado apenas ao peso da pessoa, que está acima da média ideal para ela. Já o segundo diz respeito à quantidade excessiva de gordura presente no corpo. Então, para saber se seu filho está com algum desses dois quadros (ou os dois juntos), basta calcular o IMC dele (índice de massa corporal).

Calculando o IMC

O IMC é uma medida que avalia o peso do paciente com relação à sua altura. É possível calculá-lo por conta própria (basta dividir o peso da pessoa em kg pela altura dela ao quadrado). Porém, as orientações de um médico, independentemente do resultado, são de extrema importância para a saúde do seu filho.

Geralmente, este cálculo é considerado uma forma eficaz de avaliar se uma pessoa está acima do peso ou obesa. No entanto, é importante lembrar que as faixas de IMC diferem conforme a idade. Veja o quadro abaixo:

Idade IMC – sexo feminino
Baixo peso Adequado Sobrepeso
10 até 14,22 14,23 a 20,18 a partir de 20,19
11 até 14,59 14,6 a 21,17 a partir de 21,18
12 até 19,97 14,98 a 22,16 a partir 22,17
13 até 15,35 15,36 a 23,07 a partir de 23,08
14 até 15,66 15,67 a 23,87 a partir de 23,88
15 até 16 16,01 a 24,28 a partir de 24,29
16 até 16,36 16,37 a 24,73 a partir de 24,74
17 até 16,58 16,59 a 25,22 a partir de 25,23
18 até 16,7 16,71 a 25,55 a partir de 25,56
19 até 16,86 16,87 a 25,84 a partir de 25,85
Idade IMC – sexo masculino
Baixo peso Adequado Sobrepeso
10 até 14,41 14,42 a 19,5 a partir de 19,6
11 até 14,82 14,83 a 20,34 a partir de 20,35
12 até 15,23 15,24 a 21,11 a partir 21,12
13 até 15,72 15,73 a 21,92 a partir de 21,93
14 até 16,17 16,18 a 22,76 a partir de 22,77
15 até 16,58 16,59 a 23,62 a partir de 23,63
16 até 17 17,01 a 24,44 a partir de 24,45
17 até 17,3 17,31 a 25,27 a partir de 25,28
18 até 17,53 17,54 a 25,94 a partir de 25,56
19 até 17,79 17,8 a 26,35 a partir de 26,36

Mas… estar na faixa do sobrepeso quer dizer que a pessoa está obesa?

Não necessariamente. Algumas pessoas muito musculosas, por exemplo, podem ter um IMC na faixa de sobrepeso. No entanto, elas não são consideradas com excesso de peso porque o tecido muscular delas pesa mais do que o tecido adiposo. Por isso que a presença de um especialista para avaliar a saúde do seu filho é tão importante.

Afinal: o que causa a obesidade na adolescência?

De muitas maneiras, a obesidade é uma doença intrigante. Por um lado, a causa parece ser simples. Afinal, se uma pessoa consome mais calorias e gorduras do que gasta, ela ganhará peso.

No entanto, os fatores de risco que determinam a obesidade podem ser uma combinação complexa de genética, fatores socioeconômicos, metabolismo, escolhas de estilo de vida etc. Alguns distúrbios endócrinos, doenças e medicamentos também podem exercer uma poderosa influência no peso de um adolescente.

Então, aí vão os principais fatores que podem influenciar na ocorrência de obesidade na adolescência:
  • genética: estudos mostraram que a predisposição para obesidade pode ser herdada;
  • metabolismo: alguns adolescentes possuem o metabolismo mais lento que outros, o que pode influenciar no ganho de peso de forma rápida e, consequentemente, na obesidade na adolescência. Afinal, ele não queima suas calorias na mesma velocidade que as consome;
  • estilo de vida: comer em excesso (principalmente carboidratos simples, gorduras e açúcares refinados), juntamente com um estilo de vida sedentário, contribui para a obesidade.
  • falta de exercício físico regular: essa atitude contribui para a obesidade na adolescência porque os pacientes, nesta fase, tendem a comer e dormir mais. Então, se eles ficarem em frente à TV ou computador o dia inteiro, por exemplo, a tendência é que a maioria dos carboidratos e gorduras não sejam queimados da forma como deveriam, gerando obesidade e sobrepeso.

Sintomas da obesidade na adolescência

Cada adolescente pode apresentar sintomas diferentes. Os mais comuns incluem:

  • rosto cheinho (com bochechas e papada em evidência);
  • adiposidade (células gordurosas) na região mamária dos meninos;
  • presença de gordura abdominal;
  • aumento da adiposidade nos braços e coxas;
  • sensação rápida de cansaço em atividades de baixo impacto;
  • suor e calor excessivo (devido às células adiposas).

Efeitos da obesidade na saúde

A obesidade tem um efeito negativo à longo prazo. Os mais comuns são:

    • Pressão alta: o tecido adiposo do corpo precisa de oxigênio e nutrientes para se manter. Isso requer, então, que os vasos sanguíneos circulem mais sangue do que o usual. Este processo, por sua vez, aumenta a carga de trabalho do coração.Logo, se há mais sangue circulante pelo corpo, isso também significa mais pressão nas paredes das artérias e, consequentemente, na pressão sanguínea. Além disso, o peso extra pode aumentar a frequência cardíaca (por exigir mais esforço da pessoa) e reduzir a capacidade do corpo de transportar sangue através dos vasos.
    • Diabetes: a obesidade pode pode causar resistência à insulina, o hormônio que regula o açúcar no sangue.
    • Doença cardíaca: a aterosclerose (endurecimento das artérias) ocorre mais frequentemente em pessoas obesas, em comparação com aquelas que estão no peso ideal. A doença arterial coronariana também é mais prevalente. Afinal, depósitos de gordura se acumulam nas artérias que suprem o coração, reduzindo o fluxo sanguíneo para ele e podendo, então, causar dores no peito (angina), ou até mesmo ataque cardíaco. Os coágulos de sangue formados nestas artérias estreitas pode, ainda, causar um derrame.

Problemas nas articulações: a obesidade na adolescência pode afetar os joelhos e quadris por causa do estresse colocado nas articulações em função do peso extra.

  • Apnéia do sono e problemas respiratórios: o peso adicional da parede torácica aperta os pulmões e causa respiração restrita (principalmente ao se deitar).
  • Câncer: nas jovens, o excesso de peso contribui para um aumento do risco de vários tipos de câncer. São alguns deles: mama, cólon, vesícula biliar e útero. Homens com excesso de peso também têm um risco maior de câncer de cólon e próstata.

Quais são os tratamentos ideais para a obesidade na adolescência?

Somente um especialista é capaz de determinar o tratamento ideal para o seu filho. Afinal, cada corpo tem suas peculiaridades. Contudo, algumas atitudes são comuns a todos os casos e podem reduzir o quadro de obesidade na adolescência drasticamente. São elas:

  • fazer acompanhamento nutricional;
  • praticar exercícios físicos todos os dias por, pelo menos, 60 minutos;
  • acompanhamento psicológico em casos de ansiedade, depressão e outras doenças que podem servir de gatilhos para a compulsão alimentar;
  • cirurgia bariátrica (em último caso).

Como ajudar o seu filho a prevenir a obesidade?

Os jovens geralmente ficam com sobrepeso ou obesos porque não praticam atividades físicas o suficiente e, em combinação, possuem maus hábitos alimentares. Além disso, como já citamos anteriormente, a genética e estilo de vida também contribuem para o quadro de obesidade na adolescência.

Então, são algumas recomendações para prevenção de sobrepeso e obesidade:

  • mudar, gradualmente, os hábitos de TODA a família (seja um modelo, alimente-se de forma saudável e pratique exercícios para que seus filhos se inspirem em você);
  • reduza o tempo de “tela” de todos da casa (seja em frente à televisão, computador, celular, tablet etc);
  • incentive as crianças a comerem quando estão com fome e a mastigarem devagar;
  • mantenha a geladeira abastecida com alimentos saudáveis;
  • incentive seus filhos a beberem água ou chá ao invés de bebidas com adição de açúcar como refrigerantes, sucos de caixinha etc.

E aí, gostou do texto? Para ler mais conteúdos como este, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)! Estamos te esperando.