Sardas: o que são e como lidar com elas?

Menina ruiva e sorridente com sardas deitada na grama. Ela está usando um chapéu.

As sardas são pequenas manchas circulares achatadas e amarronzadas que se formam na pele, principalmente em regiões constantemente expostas ao sol (rosto, pescoço, braços, peito e costas). Elas costumam aparecer em grandes quantidades e são particularmente comuns em pessoas de cabelos ruivos e pele clara.

A maioria dessas manchinhas é ligeiramente mais escura do que a pele circundante e podem, inclusive, variar em sua tonalidade de acordo com a estação do ano (mais escuras no verão, quando o contato com o sol é maior, e mais claras no inverno).

Completamente inofensivas, elas são provocadas pelo aumento na quantidade de melanócitos (células produtoras de pigmento) e, consequentemente, melanina (responsável pela cor de nossa pele). Vale ressaltar que pessoas com casos de sardas na família são mais propensas a desenvolvê-las.

Tipos

Efélides: do grego Ephelides, é o termo médico para sardas. Diz respeito a manchas planas de 1 a 2 mm, ligeiramente castanhas, avermelhadas ou marrom-claras, que costumam aparecer após uma longa exposição ao sol.

São encontradas com mais frequência em pessoas de pele clara, cabelos ruivos e olhos verdes. Estão presentes, também, como característica hereditária em famílias mais propensas a tê-las.

Lentigo solar: do latim Lentigines, o lentigo solar é o termo médico designado para manchas pigmentares maiores e resultantes de uma queimadura solar. Geralmente, são mais escuras do que as sardas comuns e não costumam desbotar no inverno.

Embora os lentigos façam parte de certas síndromes genéticas raras, eles são na maioria das vezes apenas manchas isoladas e sem importância.

Como saber se o que você tem são sardas, manchas de sol (lentigos) ou pintas?

  Sardas Lentigos Pintas
Aparência Planas Planos Planas ou elevadas
Causa Exposição ao sol e/ou genética Exposição ao sol Concentração anormal de melanócitos em uma região específica da pele
Forma Irregulares e com bordas bem definidas Irregulares e com bordas definidas Arredondadas e com bordas bem definidas
Cor Castanho-claro, castanho ou ligeiramente avermelhadas Castanho-claro, castanho, ou castanho-escuro Castanho claro a escuro, ou preta
Tamanho 1-2 mm 2 mm ou mais Geralmente menores que 6 mm
Sofre modificações com o tempo? Sim. Podem desbotar no inverno e escurecer no verão Não. Porém, quando não protegidos do sol, tendem a ficar mais escuras Não
Comum a qual faixa etária? Aparecem pela primeira vez aos 2-3 anos de idade Mais comuns em pessoas com mais de 40 anos Desde o nascimento, ou durante a infância e adolescência

Em quais circunstâncias é preciso procurar por um médico?

Sardas, lentigos e pintas, por si só, não representam ameaça à nossa saúde. Porém, algumas manchas na pele podem, de fato, sugerir uma doença, ou risco aumentado para melanoma (câncer de pele).

Sendo assim, sempre que puder, faça um breve autoexame em seu corpo na busca por novas sardas, lentigos e pintas. Aí vai um breve esquema para ajudá-lo(a) e descobrir algumas coisas sobre elas:

  • simetria – desenhe uma linha no meio da mancha. Se as metades não coincidirem, ela é assimétrica;
  • bordas – as bordas “perigosas” (ou seja, de manchas potencialmente cancerígenas), tendem a ser irregulares e serrilhadas;
  • cor – se a pinta/mancha tiver uma variedade de cores, ou mudar seu formato e aparência, consulte um médico;
  • incômodo – se algum destes sinais apresentar coceira, descamação ou sangramento, procure por um dermatologista.

Atenção: qualquer pessoa que tenha uma ou mais manchas pigmentadas incertas deve ser avaliada pelo dermatologista. Afinal, mesmo com as descrições acima, somente uma análise profissional é o suficiente para estabelecer um diagnóstico satisfatório.

Afinal: quem tem sardas pode desenvolver câncer de pele?

Não. No entanto, é preciso entender que as sardas indicam que a sua pele é ainda mais sensível à radiação, ou seja, demanda proteção redobrada contra os raios solares.

Sendo assim, fique tranquilo(a): manchas categorizadas como efélides não evoluem para melanoma, porém, isso não quer dizer que você deva negligenciar o uso correto de filtro solar, e nem deixar de analisar sua pele regularmente.

É possível amenizar/diminuir as sardas?

Por serem inofensivas, as sardas são manchinhas que dispensam tratamento. No entanto, se a pessoa se incomodar com elas e quiser removê-las ou clareá-las, existem alguns tratamentos/procedimentos que podem reduzir sua aparência. São eles:

  • aplicação de dermocosméticos que tenham ácido tricloroacético, alfa-hidroxiácidos, ácido azelaico, cisteamina, vitamina C ou retinoides (atenção: qualquer produto utilizado deve ter a recomendação e aval do(a) seu(sua) dermatologista);
  • terapia a laser (Nd-Yag qswitched);
  • peeling químico.

Além disso, lembre-se sempre de proteger a pele contra o sol. Para isso, uma boa aplicação de filtro solar (renovada a cada duas horas), a procura por sombra constante e alguns aparatos extras (roupas com proteção solar, chapéus/bonés, óculos escuros etc) já dão conta do recado!

No mais, cuide-se e até a próxima!

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Dermatologia

Médico, especialista em dermatologia. Especialista em tratamentos dermatológicos cosmiátricos e em laser.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *