Bebê com refluxo gastroesofágico infantil vomitando depois de um banho

Magno Veras

O refluxo gastroesofágico (RGE) caracteriza-se pelo fluxo retrógrado (que volta) e involuntário do conteúdo do estômago para o esôfago. Se uma criança regurgita (ou seja, o leite que ela mamou voltou), isso é um refluxo!

O RGE é reconhecido como fenômeno fisiológico normal, que ocorre ocasionalmente no ser humano, especialmente após as refeições, e é muito frequente em crianças menores de 1 ano.

O que você precisa saber sobre o refluxo em bebês e crianças?

O RGE fisiológico, também chamado de regurgitação infantil, caracteriza-se por episódios de refluxos, sem qualquer transtorno maior para a saúde da criança.

Normalmente, ocorrem em pequenos que, além das regurgitações, não apresentam nenhum sinal de agravo à saúde e nenhuma consequência negativa ao seu desenvolvimento (perda de peso, anemia, dor, chiado no peito, tosse crônica, falta de ar, engasgos, etc).

A tendência é de melhora até os 12 meses (no máximo 18). Nesse caso, inclusive, não há a necessidade de exames!

Sem neuras!

Hoje existe uma grande preocupação com a excessiva solicitação de exames, assim como o volume de prescrições médicas ou mudanças de dieta para as crianças que regurgitam. Se o pequeno não é conduzido de forma adequada (supervalorização ou subvalorização do diagnóstico), isso pode trazer prejuízo à sua saúde.

Quando você deve se preocupar com o refluxo?

O refluxo gastroesofágico, quando associado a sinais e sintomas que interferem na qualidade de vida da criança, é denominado Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) e merece a sua atenção.

Esse quadro pode estar relacionado a: engasgos, irritabilidade, recusa alimentar, hemorragia digestiva, cianose, apneia, pneumonias de repetição, chiado, asma, rouquidão, anemia etc.

Quando a DRGE é diagnosticada, o próximo passo é determinar se ela é primária (sem doença ou causa subjacente), ou secundária (quando ocorre como consequência de outra doença como, por exemplo, a alergia ao leite, a má-formação, uma infecção etc).

E como lidar com o refluxo?

As crianças com RGE devem ser acompanhadas durante toda a infância, pois embora parte delas irá cessar os sintomas, outras continuarão com os mesmos, ou ainda apresentarão outras alterações clínicas associadas ao refluxo.

Quanto ao tratamento, é importante ressaltar que o RGE não vai “curar”, mas sim ser controlado para evitar as complicações. Inclusive, ele só deve ser considerado quando compromete a qualidade de vida do bebê (doença do refluxo e não apenas refluxo fisiológico).

Existem bebês que regurgitam de 10-15 x ao dia, felizes, sem desconforto e não choram excessivamente. Existem, também, bebês que quase não regurgitam e que possuem muitos outros sintomas tão estressantes quanto.

Neste último grupo, devemos ter muito cuidado na avaliação, já que muitas vezes os sintomas não são relacionados ao refluxo.

O tratamento

O tratamento é dividido em medidas posturais, dietéticas e tratamento medicamentoso:

  • Medidas posturais: elevar a cabeceira da cama em um ângulo de 30 a 45º e, na medida do possível, colocar o bebê deitado do lado esquerdo (lembrem-se que a indicação oficial é dormir de barriga para cima por conta da síndrome da morte súbita infantil).
  • Medidas dietéticas: manter o aleitamento materno exclusivo. Se o bebê receber leite em pó, fracionar as mamadeiras (em alguns casos pode ser uma opção) e, em outros casos, engrossar o leite ou procurar uma formulação mais adequada (segundo orientação médica).

    As mamadeiras devem ser tomadas com o bebê em posição semi-elevada e, depois, esperar pelo menos quarenta minutos para deitá-lo.

  • Tratamento medicamentoso: deve sempre ser realizado pelo médico, e consiste em medicamentos que inibem a secreção ácida proveniente do estômago, causadora de muitas complicações, além de remédios que possam tonificar a válvula que se localiza entre o esôfago e o estômago. Os remédios não curam o RGE, mas sim o controlam.

Os perigos e possíveis complicações do refluxo

O refluxo é considerado uma doença (refluxo patológico ou doença do refluxo gastroesofágico) quando apresentar impacto na qualidade de vida da criança. Isso ocorre por meio de repercussões clínicas como: déficit do crescimento e peso, dor abdominal, irritabilidade, recusa alimentar, hemorragias digestivas, chiado no peito, tosse crônica, pneumonias de repetição ou complicações relacionadas ao nariz, ouvido, seios da face e garganta.

A distinção entre refluxo fisiológico e patológico exige habilidade no diagnóstico e atenção na escolha do tratamento mais adequado a cada caso. Além disso, deve ser sempre avaliado pelo seu pediatra em uma consulta longa e detalhada.

Entre as crianças que apresentam regurgitações com frequência preocupante para os pais, apenas 2% necessitarão de investigação!

Quando o refluxo é considerado uma doença, ele pode ser:

  • 1- Primário: problema apenas de imaturidade do esfíncter, sem nenhuma doença por trás.
  • 2- Secundário: neste caso existe uma doença que provoca mais refluxo. Por exemplo: uma infecção, uma estenose do piloro, uma má-formação congênita do intestino ou ainda a ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA (causa mais comum de doença do refluxo secundária).

Como o pediatra sabe se o refluxo do meu bebê é normal?

Nas primeiras semanas de vida, muitos bebês regurgitam uma ou mais vezes por dia, pouco tempo após a alimentação. A regurgitação fisiológica comum ocorre quando a criança não apresenta outros sintomas, a evolução do ganho de peso é normal e o quadro se diminui gradativamente. O normal é que ele cesse completamente por volta dos 7 a 8 meses, tendo seu auge entre o 3º e o 4º.

A abordagem diagnóstica do lactente com queixa de regurgitações frequentes deve ser realizada, inicialmente, verificando-se a experiência materna com a alimentação do bebê.

Em seguida, procura-se identificar, pela história e observação da amamentação da criança durante a consulta, se as seguintes situações, que podem causar regurgitação e vômitos, estão presentes:

  • aquelas que favorecem a ingestão excessiva de ar antes ou durante as mamadas, como choro intenso ou orifício do bico da mamadeira muito grande (ou muito pequeno);
  • se o lactente em aleitamento artificial, especialmente no primeiro mês de vida, recebe excesso de leite em cada mamada;
  • se a criança é muito manipulada após as mamadas;
  • se o bebê não é colocado para arrotar após as mamadas;
  • se a mãe possui hiperlactação;
  • se a rotina de amamentação e sono estão adequadas para a idade do bebê;
  • se o refluxo causa mais “agonia” na mãe do que no bebê.

Durante os primeiros seis meses de vida, a criança respira durante a sucção e, consequentemente, ocorre preenchimento da orofaringe com ar, o qual é levado junto ao alimento para o esôfago e estômago.

Esse fato explica a necessidade da criança de arrotar, sendo necessário mantê-la na posição vertical por alguns minutos após as mamadas.

Se a criança é deitada imediatamente após ter mamado, a expulsão do ar por meio do arroto pode causar regurgitação do leite. Esse padrão geralmente cessa a partir dos seis meses, quando a respiração e a sucção passam a ocorrer de forma alternada.

No entanto, o motivo principal de colocar a criança em pé após as mamadas é facilitar o esvaziamento do estômago. Assim, mesmo quando o pequeno arrota rapidamente, o ideal é deixá-lo um tempo em pé.

Tipos de refluxo

Não existem tipos de refluxo, mas sim uma classificação que busca nos orientar quanto às diversas manifestações clínicas e seus prognósticos.

1. Fisiológico (normal)

Também conhecido como “regurgitação infantil”, o refluxo fisiológico (normal) é mais comum nos primeiros meses de vida.

As regurgitações pós-alimentares apresentam resolução espontânea, na maioria dos casos, até os dois anos. O crescimento da criança é normal, e não há outros sintomas ou complicações associadas.

A frequência das regurgitações diminui após seis meses, coincidindo com a introdução de dieta sólida (sopinhas) e adoção de postura corporal mais ereta (mais assentadinha) pela criança.

2. Patológico (Doença do Refluxo Gastroesofágico)

Suspeita-se de refluxo patológico quando os vômitos e regurgitações persistem de modo significativo após os seis meses quando:

  • não respondem às medidas de postura e dietéticas;
  • estão presentes repercussões clínicas como perda de peso, sintomas e sinais sugestivos de inflamação do esôfago (esofagite);
  • causam irritabilidade, recusa alimentar e choro persistente.

3. Refluxo oculto

Este termo está em desuso e é incorreto. Contudo, ganhou as redes sociais para explicar as crianças que choram muito sem sabermos do quê se trata! Não se sabe o que é, e nem se é culpa o refluxo, até mesmo quando o bebê não regurgita.

O refluxo seria denominado oculto quando manifestações respiratórias, otorrinolaringológicas ou indicativas de esofagite ocorressem na ausência de vômitos e regurgitações.

No bebê menor de 1 ano, para haver doença do refluxo, devem ocorrer regurgitações e/ou vômitos.

4. Refluxo primário

Resulta da disfunção entre a união do esôfago com o estômago, facilitando as regurgitações e vômitos, sem nenhuma doença que o provoque.

5. Refluxo secundário

O refluxo secundário ocorre como consequência de outras doenças como, por exemplo:

  • estreitamento congênito do esôfago;
  • comunicação entre a traqueia e o esôfago;
  • distúrbios da deglutição;
  • alergia ao leite de vaca (é a causa mais comum de doença do refluxo secundário);
  • infecção urinária;
  • parasitoses intestinais (vermes);
  • fibrose cística;
  • doenças neurológicas;
  • entre outras.

O que as crianças sentem quando têm refluxo?

Dependendo da idade do início dos sintomas, o refluxo pode ter vários significados e cursos clínicos distintos.

Em lactentes (até os 2 anos) a suspeita de inflamação no esôfago (esofagite) ocorre quando há choro excessivo, irritabilidade, distúrbios do sono, agitação e recusa da dieta (a criança passa a ter medo de se alimentar e sentir dor).

A criança maior pode queixar-se de queimação sobre o estômago, dor no peito, dor abdominal, dor durante a alimentação e excesso de salivação.

Outras manifestações clínicas do refluxo são:

  • ruminação (ficar com movimentos mastigatórios contínuos);
  • disfagia (dificuldade de alimentar-se);
  • arrotos;
  • soluços;
  • anemia e sangramentos;
  • chiados no peito de repetição;
  • pneumonias de repetição;
  • laringites;
  • sinusites;
  • infecções do ouvido de repetição;
  • entre outras.

O refluxo tem sido associado, ainda, a vários outros acontecimentos na vida da criança, como morte súbita do lactente, soluços, rouquidão e erosão dentária.

O diagnóstico

Como pode ser constatado, somente o médico poderá fazer o diagnóstico diferencial entre tantas condições clínicas apresentadas pela criança que vomita.

Que exames precisam ser realizados para confirmar o refluxo gastro-esofágico?

Somente os lactentes e crianças que apresentam sinais e sintomas clínicos sugestivos de complicações de refluxo gastroesofágico poderão ser submetidos à investigação diagnóstica.

Geralmente, não é necessária a realização de exames. Apenas por meio de uma consulta detalhada e cuidadosa, e um exame físico completo, é possível estabelecer o tratamento mais adequado para o seu filho.

Não existe um único exame que possa confirmar o diagnóstico de Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE). Na maioria das vezes, eles são complementares.

São exames disponíveis para investigação:

  • Radiografia de esôfago, estômago e duodeno (REED);
  • Manometria para medir a pressão da região situada entre o esôfago e o estômago;
  • Cintilografia gastroesofágica;
  • Ultrassonografia do abdome superior;
  • Estudo da deglutição: deglutograma baritado e videofluoroscopia;
  • Endoscopia digestiva alta e biópsia esofágica – indicada principalmente quando se pensa em esofagite e suas consequências;
  • Monitorização do pH do esôfago (pHmetria 24 horas);
  • Impedanciometria esofágica intraluminal.

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.