Ícone especialista mulher

Antroposofia

O que é medicina antroposófica ?

A medicina antroposófica é a especialidade que incorpora na prática médica os conceitos da Antroposofia. A especialidade é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e o CNS (Conselho Nacional de Saúde) integra a Antroposofia na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares(PNPIC ). Para descobrir mais, conversamos com a Dra. Christiane Goulart, especialista em ginecologia, obstetra, médica antroposófica e especialista na saúde da mulher.

 

CS: O que é antroposofia?

CG: A Antroposofia é uma ciência desenvolvida a partir dos conhecimentos elaborados pelo filósofo e pesquisador austríaco Rudolf Steiner (1861-1925) sobre o ser humano, a natureza e o cosmo. Nela o homem é compreendido como um microcosmo em íntima inter-relação com o macrocosmo. Em sua dimensão integral, o ser humano é percebido como um ser constituído de corpo, alma e espírito, ou seja, um ser dotado de corporalidade, de uma vida psíquica e de uma identidade.

A partir dessa visão, a antroposofia pode ser aplicada nas diversas áreas da saúde: medicina, odontologia, enfermagem, psicologia, farmácia, nutrição, fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia; nas artes – pintura, escultura, canto, arte da fala, teatro, euritmia; e em várias áreas de conhecimento, como na pedagogia (Waldorf e pedagogia curativa), economia, sociologia, arquitetura, agricultura(biodinâmica), astronomia e geologia.

 

CS: Dra. Christiane, o que a levou a se interessar por essa área da medicina?

CG: A medicina antroposófica nos dá a oportunidade do tratamento integral do paciente. Este não é visto apenas como uma doença que necessita de cura, mas como uma pessoa que tem uma constituição e temperamento únicos, uma forma especial de interagir com o mundo e uma história de vida que o trouxe até onde está hoje. Para a antroposofia, o ato de curar não significa apenas reparação, mas o desenvolvimento do indivíduo.

 

CS: O que a medicina antroposófica trouxe de diferente da medicina convencional?

CG: A consulta antroposófica se inicia com o paciente relatando a história da sua vida, com o objetivo de despertar a autoconsciência e iniciar o processo de compreensão do processo de desequilíbrio que levou à doença. A medicina antroposófica busca o equilíbrio do ser humano como um todo, abordando seus aspectos físicos, emocionais e individuais para alinhar os três PILARES DO SER: o PENSAR, o SENTIR e o QUERER. O paciente é responsável e participa ativamente do processo de cura.

 

CS: O que significam a doença e a cura na medicina antroposófica?

CG: A doença é considerada um caminho de crescimento para o paciente. Ela surge para mostrar que algo não vai bem e que existe uma desarmonia. Rudolf Steiner trouxe um conceito de que, além da divisão corpo, alma e espírito, existe uma divisão em quatro corpos: o eu, corpo astral, corpo etéreo e corpo físico. De forma didática o eu representa a nossa individualidade; o corpo astral representa a consciência, a vida psíquica; o corpo etéreo representa a vitalidade; o corpo físico é o próprio corpo material.Quando há harmonização dos quatro corpos, o ser está saudável. A partir do momento que isso começa a se desequilibrar, a doença tem uma porta para se instalar. Quem adoece primeiro é o corpo astral, a alma, e depois o corpo físico. Mais ainda, para um equilíbrio perfeito do ser, além da harmonia entre os corpos, deve haver um equilíbrio entre o pensar, o sentir e o querer.

 

CS: Como a medicina antroposófica divide os ciclos de vida de uma pessoa?

CG: A medicina antroposófica tem uma teoria de desenvolvimento muito sofisticada. Existem três grandes ciclos de 21 anos cada: do nascimento aos 21 anos ocorre a formação do corpo, de 21 a 42 anos se instala a psique (alma, em grego), e dos 42 aos 63 anos se desenvolve então a individualidade. Cada um desses ciclos de 21 anos, é então dividido em 3 ciclos menores, os setênios. O primeiro setênio corresponde a primeira infância, o segundo setênio a segunda infância e o terceiro setênio é uma travessia entre a puberdade e a vida adulta, finalizando aos 21 anos.

 

CS: Quais as doenças que especialmente se beneficiam desta abordagem?

CG: Todas as doenças se beneficiam da abordagem antroposófica, pois todas envolvem, de uma forma ou outra, questões emocionais. Por exemplo, as doenças infecciosas podem ser abordadas por terapias antroposóficas, evitando algumas vezes o uso do antibiótico. A febre na infância era tratada antigamente de forma muito diferente, com mais tranqüilidade da parte dos pais. Nos dias de hoje, uma criança com febre é imediatamente tratada com antitérmicos, antiinflamatórios e antibióticos…. Segundo a antroposofia, a febre é importante para a criança se desfazer das heranças genéticas ruins. Respeitar este processo reduz o risco futuro de algumas doenças, como as autoimunes. As crianças ficam mais saudáveis mais fortes emocionalmente.

A medicina antroposófica também trata com muito sucesso as doenças da psique, em especial a depressão, ansiedade e a síndrome do pânico. O câncer é tratado de uma forma totalmente integrativa.

 

CS: Quais são alguns tipos de terapias utilizadas nesse tipo de medicina?

CG: A terapia medicamentosa é bem aceita, mas a própria consulta antroposófica e a relação estabelecida entre o médico e o paciente, podem ser curativas. Os medicamentos são obtidos dos três reinos da natureza: mineral, vegetal e animal, preparados através de métodos farmacêuticos próprios da antroposofia. Além disso, há as terapias integrativas como as massagens rítmicas, euritmia curativa e Método Padovan; terapia artística – pintura, modelagem e desenhos terapêuticos; quirofonética; terapias externas – banhos, enfaixamentos, fricções e compressas; cantoterapia e musicoterapia; Terapia Biográfica; orientações sobre nutrição e atividade física.

 

CS: Qual é o seu convite à saúde?

CG: Devemos focar nossos esforços na PREVENÇAO. Cuidados diários com o corpo físico, através de uma boa alimentação e exercícios, cuidar da saúde emocional administrando o stress, aprendendo ferramentas de autoconhecimento e de comunicação interpessoal.Quando mente e corpo estão em harmonia, constroem-se fortes barreiras contra males que podem prejudicar a qualidade de vida da pessoa.