salada, fita métrica, alter de academia e uma garrafa com água sob um fundo de madeira

Dr. Amândio Fernandes Jr.

Poucos anos atrás, acreditava-se que a origem do câncer era genética, ou seja, herdada de nossos pais e avós. Entretanto, estudos mostram que fatores do ambiente e o estilo de vida de uma pessoa têm um papel muito importante, sendo responsáveis por mais de 80% dos casos dessa doença.

Dentre os fatores de risco para câncer, existem os não controláveis, como idade e herança familiar, e aqueles que podemos atuar para reduzir as chances de seu aparecimento.

Em todo o mundo, a obesidade é um dos principais fatores de risco para o câncer. Estar acima do peso aumenta em 20% as chances de sua ocorrência! Pessoas obesas com menos de 65 anos têm um risco 50% maior que as que estão dentro da faixa de peso ideal.

Dessa forma, o primeiro passo para prevenir o câncer e, claro, outras doenças crônicas, é o controle do peso e uma dieta balanceada.

Mas então, quais são os principais fatores de risco para o câncer, e em quais deles conseguimos atuar? Vamos discutir alguns deles neste texto:

  • alimentação;
  • atividade física;
  • radiação ultravioleta;
  • tabagismo;
  • substâncias do ambiente;
  • hormônios;
  • agentes infecciosos.

Alimentação

Uma dieta saudável e balanceada, ou seja, que contém as quantidades ideais de macro e micronutrientes, é essencial para prevenir o câncer.

Em uma refeição, metade do prato deve ser composta por vegetais e frutas, um quarto deve conter proteína de boa qualidade (proteínas vegetais, peixe, ovos) e, o restante, cereais integrais (arroz integral, aveia, quinoa, soja, trigo).

É recomendado o consumo de 5 a 8 porções de frutas e vegetais por dia. Quanto mais variado e colorido o prato, maior a quantidade de vitaminas e minerais diferentes.

Proteínas de origem animal: Proteínas de origem vegetal:
carne Castanhas: amêndoa, avelã, castanha do Pará, castanha de caju, macadâmia, pecã, pistache e nozes.
peixe Cereais: aveia, cevada, centeio, trigo, arroz, quinoa e chia.
frango Leguminosas: soja, feijão, lentilha, ervilha e grão-de-bico.
ovos
leite e derivados

E o que devemos evitar?

  • açúcar e bebidas adoçadas (sucos e refrigerantes);
  • carnes processadas (embutidos);
  • outros alimentos processados, contendo aditivos, corantes artificiais, excesso de açúcar e gorduras trans;
  • cereais refinados (arroz branco, massas, pão);
  • limitar o consumo de carne vermelha a, no máximo, 500g por semana;
  • bebidas alcoólicas.

Açúcar e cereais refinados elevam rapidamente a glicose no sangue, causando picos de insulina. Acredita-se que a elevação crônica da insulina tem um papel no crescimento de células tumorais.

O consumo frequente de álcool, mesmo em pequenas quantidades, está diretamente associado a alguns tipos de câncer como: boca, garganta, esôfago, laringe, mama, fígado e cólon. Quanto maior a quantidade e mais prolongado o consumo, maior o risco.

Atividade física

Praticar atividades físicas regularmente é o caminho para se manter um peso saudável e, ao mesmo tempo, fortalecer o sistema imunológico e prevenir o câncer.

Recomenda-se, para os adultos, 150 minutos por semana de exercícios moderados, ou 75 minutos de atividade intensa por semana.

Crianças e adolescentes devem praticar atividades de intensidade moderada durante uma hora por dia, ou exercícios mais intensos de 2 a 3 vezes por semana.

Além disso, é importante limitar o tempo que passamos sentados ou deitados trabalhando, vendo TV, usando o computador ou o celular. É importante tentar inserir períodos de movimento ao longo do dia para evitar o sedentarismo prolongado.

Proteção contra radiação ultravioleta

A exposição à radiação ultravioleta está associada a 95% dos casos de câncer de pele. Para proteger-se dos efeitos nocivos do sol, é recomendado:

  • usar filtro solar com fator de proteção igual ou maior que 30;
  • no caso de exposição direta usar roupas e chapéus feitos de tecido especial com proteção UV;
  • evitar a exposição ao sol entre 10 e 14 horas;
  • nunca fazer bronzeamento artificial.

Estudos mostram que a criança que tem 5 ou mais episódios de queimaduras de sol terá o risco de melanoma aumentado em 80%.

Tabagismo e o câncer

O tabagismo é a principal causa de câncer no mundo. O contato prolongado com a fumaça de cigarro, mesmo nas pessoas não fumantes, tem o mesmo efeito que fumar. O cigarro contém muitas substâncias cancerígenas diferentes, o que potencializa seu efeito carcinogênico.

O tabagismo está associado a vários tipos de câncer como: pulmão, laringe, boca, esôfago, bexiga, rim, fígado, estômago, pâncreas, cólon e leucemia.

Parar de fumar em qualquer idade diminui a probabilidade de ocorrência do câncer e aumenta a expectativa de vida. Mesmo após o diagnóstico de câncer, interromper esse hábito reduz o risco de morte.

Substâncias causadoras de câncer

Além dos raios ultravioleta do sol e da fumaça de cigarro, outros agentes externos presentes no ambiente podem agir como causadores de câncer.

Estas substâncias podem estar no ar que respiramos, na água que bebemos ou nos materiais com os quais trabalhamos e muitas vezes são difíceis de evitar.

As substâncias abaixo estão entre os maiores cancerígenos já comprovados:

Aflatoxinas: toxinas produzidas por fungos presentes nas colheitas de amendoim, milho e castanhas. As pessoas podem consumir alimentos contaminados ou carne e leite de animais que se alimentaram de produtos contendo aflatoxina. O câncer de fígado foi associado à exposição a este agente.

Ou seja? Não coma castanhas ou amendoins que estejam velhos ou mofados.

  • Arsênico: pode ser encontrado naturalmente no ar, na água e no solo, ou produzido em processos da agricultura e da indústria. A exposição ocorre ao inalar fumaça de cigarro, beber água contaminada ou comer vegetais irrigados por água contendo arsênico.

    O contato prolongado com arsênico pode contribuir para o desenvolvimento de câncer de pele, bexiga, pulmão, trato digestivo, fígado e rins. Além disso, existe uma associação com linfoma e leucemia.

  • Asbesto: substância usada em materiais isolantes e freios automotivos. Quando partículas de asbesto são aspiradas, permanecem no pulmão por muito tempo, causando inflamação. A exposição prolongada ocorre geralmente em pessoas que trabalham com construção e reformas.

    O asbesto está associado ao câncer de pulmão e o mesotelioma (afeta as membranas que revestem o tórax e o abdome).

  • Benzeno: usado como solvente na indústria química e farmacêutica, também está presente no cigarro, colas, produtos de limpeza, solventes de tinta e na gasolina. A exposição ocorre principalmente ao aspirar ar dentro das indústrias que utilizam o produto, ou através da fumaça do cigarro.

    O benzeno é associado ao desenvolvimento de leucemia e outros tipos de câncer do sangue.

  • Formol: substância de cheiro forte comumente usada como preservativo de tecidos orgânicos por seus efeitos germicidas. É também utilizada na indústria da madeira e, mais atualmente, em produtos para o cabelo (escova progressiva). A exposição ocorre durante a inalação do vapor de formol ou pelo contato direto com a pele.

    Está associado ao desenvolvimento de leucemia, câncer dos seios paranasais, cavidade nasal e garganta.

Hormônios

O estrogênio, hormônio feminino, foi associado a alguns tipos de câncer. Em algumas situações, as mulheres apresentam níveis altos de estrógeno e progesterona por tempo prolongado, o que pode aumentar o risco de câncer de mama:

  • início precoce da menstruação;
  • menopausa tardia;
  • gravidez tardia;
  • mulheres que nunca engravidaram ou amamentaram.

Mulheres que usam terapia hormonal combinada na menopausa, contendo estrógeno e progesterona, também têm maior risco de câncer de mama. A terapia isolada com estrógeno aumenta as chances de se desenvolver câncer de endométrio.

Infecção

Alguns vírus, bactérias e parasitas podem aumentar o risco de câncer ao causar mudanças no DNA, enfraquecer o sistema imunológico ou provocar inflamação crônica no organismo. Alguns dos agentes mais comuns são:

  • Vírus Epstein-Barr: causador da mononucleose (“doença do beijo”), alguns tipos de linfoma, câncer do nariz e garganta. Pode ser transmitido pela saliva, contato sexual, transfusão sanguínea e transplante de órgãos. Não existe vacina para este vírus.
  • Vírus da hepatite B e C: transmissão através do contato com o sangue (transfusão ou agulhas contaminadas), durante o parto e contato sexual. Estes vírus estão associados ao desenvolvimento de câncer do fígado. Está disponível a vacina apenas para o vírus da hepatite B.
  • HPV: o papilomavírus está associado a quase todos os casos de câncer de colo de útero, além dos casos de câncer no ânus, orofaringe, vagina, vulva e pênis. A transmissão ocorre através do contato sexual. Existe vacina contra alguns tipos de HPV.
  • HIV: O vírus da AIDS (Síndrome de Imunodeficiência Adquirida) enfraquece o sistema imunológico tornando o organismo mais susceptível à infecção por outros agentes causadores de câncer. Pessoas infectadas pelo HIV têm maior risco de: sarcoma de Kaposi, linfomas, câncer do colo do útero, ânus, pulmão, fígado e garganta.
  • HTLV 1: o vírus linfotrópico da célula humana é transmitido através do sangue (transfusão ou agulhas contaminadas), contato sexual, de mãe para filho dentro do útero e durante a amamentação. Ele causa um tipo agressivo de câncer chamado Linfoma de células T. Não existe vacina para este vírus.
  • Helicobacter pylori: bactéria causadora de gastrite a úlcera gástrica, também associada a câncer de estômago e linfoma MALT, que acomete o revestimento deste órgão. Ela é adquirida através de água e alimentos contaminados ou contato direto com a saliva de um portador.

Afinal, o que fazer para prevenir o câncer?

Como vimos, são diversos fatores associados ao desenvolvimento de câncer, porém, existem estratégias que podemos adotar em nossas vidas para tentar afastar esta doença tão temida! Quais são elas?

  • Alimentação saudável e balanceada, com muitos vegetais, frutas e pequenas porções de cereais integrais, proteína e gordura de boa qualidade.
  • Evitar o consumo de açúcar, embutidos, alimentos processados, cereais refinados e bebidas alcoólicas.
  • Praticar atividades físicas regularmente.
  • Proteger-se contra a radiação ultravioleta do sol.
  • NÃO fumar, nem ser fumante passivo.
  • Evitar substâncias carcinogênicas do ambiente, especialmente no trabalho, onde a exposição é maior.
  • Discutir com seu médico a necessidade de terapia hormonal e se existem opções.
  • Estar com a sua vacinação em dia.
  • Praticar sexo seguro e nunca compartilhar agulhas com outras pessoas.

Manter-se em dia com seus exames médicos periódicos é igualmente importante para conservar a saúde e se manter atualizado sobre novas pesquisas e estudos envolvendo a prevenção do câncer e outras doenças.

E aí, gostou do texto? Continue conosco, afinal, estamos sempre buscando informações importantíssimas para você! Para isso, ficar fique de olho em nosso Blog e seguir nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!