Close de moça segurando o seu cabelo uma mão e, com a outra, pinga minoxidil com um conta gotas

Dra. Dulcilea Ferraz

“Estou aplicando apenas minoxidil por conta própria na minha cabeça. Evitarei ficar careca?”

Usar apenas minoxidil tópico, principalmente por conta própria, não garante que você não ficará careca. O mais importante a se saber é: qual é o diagnóstico do seu problema capilar?

A conduta principal a ser tomada quando ocorre a queda e a diminuição do volume dos cabelos, ou falhas de fios no couro cabeludo, é consultar um médico dermatologista com formação na área de Tricologia.

Não perca tempo!

A realização do diagnóstico do seu problema de queda de cabelos é extremamente importante. Para que essa análise ocorra da melhor forma possível, a consulta médica é essencial. Afinal, somente o profissional fará uma anamnese e exame físico detalhados.

Um número considerável de pacientes já chega aos consultórios usando medicamentos orais, ou de uso tópico no couro cabeludo, por conta própria. Ocorre que essa atitude, sem um diagnóstico preciso, pode ser prejudicial à saúde dos cabelos.

Além disso, a consequência da automedicação, nesse aspecto, pode fazer com que o paciente perca o momento oportuno para iniciar o tratamento adequado e, portanto, mais eficiente.

E como funciona o diagnóstico das doenças capilares?

Os conhecimentos na área de Tricologia têm avançado muito nos últimos anos, propiciando o diagnóstico de um número maior de doenças do couro cabeludo e cabelos do que se fazia anteriormente.

A investigação dessas patologias é possível por meio de uma anamnese detalhada e de um bom exame físico, incluindo o do couro cabeludo, dos pelos do corpo e da pele. Quando há necessidade, são solicitados exames de sangue, fezes, urina ou outros.

Exames específicos poderão ser necessários para o diagnóstico das doenças capilares (calvície, queda de cabelos e vários outros tipos de alopecia). São estes:

  • dermatoscopia do couro cabeludo e cabelos (TRICOSCOPIA portátil ou digital);
  • tricograma;
  • pull test;
  • tug test;
  • exame micológico;
  • biópsia do couro cabeludo;
  • exame microscópico dos fios de cabelos;
  • entre outros.

O exame e a avaliação dos sinais de doenças do couro cabeludo são bastante complexos. Por isso, a comparação a uma consulta posterior (para reavaliar e concluir se houve melhora ou piora) é de extrema importância. Isso é ainda mais desafiador e necessita de tecnologia específica e experiência associada à paciência por parte do profissional médico.
Para atingir esse objetivo, é valioso poder registrar os sinais do couro cabeludo em fotos clínicas padronizadas. A dermatoscopia do couro cabeludo (tricoscopia) e cabelos também deve seguir a mesma conduta.

Tudo isso auxiliará no acompanhamento das consultas seguintes e orientará o médico quanto à necessidade de alterar ou até mesmo suspender o tratamento.

O que você precisa saber?

Existem vários tipos de alopecia e alguns podem se apresentar semelhantes ao quadro da calvície. Portanto, o melhor a se fazer é marcar uma consulta médica para verificar se você está realmente ficando calvo, e se o que você está usando é adequado para o seu problema capilar.

Muitas vezes, a queda de cabelos que temos e consideramos anormal pode não ser tão incomum assim. A perda de uma quantidade menor que 100 fios por dia costuma ser normal. Porém, se esse valor for ultrapassado, pode ser que ele indique a incidência de algumas doenças como as da tireoide, as autoimunes, a anemia, a sífilis etc. Aí, a situação muda.

No caso do diagnóstico de uma dessas doenças, o tratamento necessitará de acompanhamento médico rigoroso e disciplinado.

É relevante também saber que algumas doenças provocam falhas na borda dos cabelos e na testa semelhantes às entradas da calvície ou alopecia androgenética. Como exemplos podemos citar as doenças secundárias a distúrbios hormonais, a alopecia frontal fibrosante, a alopecia mucinosa, alopecia de tração entre outras.
Todas essas patologias necessitam de tratamentos específicos e acompanhamento médico.

Enfim…

Se você está com queda de cabelos e realmente com receio de ficar careca, antes de iniciar o uso de medicações por conta própria, marque uma consulta médica para tentar diagnosticar o seu problema.

Se esses remédios forem necessários, pode ter certeza de que o seu médico irá prescrevê-los e ainda te orientar sobre o uso correto destes,

Além disso, tenha paciência! O crescimento dos cabelos é lento. Os fios crescem, em média, 1 cm/mês. Portanto, para que os novos fios alcancem a altura dos ombros, por exemplo, a espera será de no mínimo 3 anos. E isso em cabelos lisos! Para quem os tem cacheados, a percepção desse comprimento demorará ainda mais tempo.

E lembre-se: o uso de qualquer medicamento para o tratamento de qualquer doença deverá ser sempre orientado e prescrito pelo seu médico.

Quer saber mais sobre as doenças que afetam o couro cabeludo? Leia mais conteúdos da Dra. Dulcilea aqui no Convite à Saúde e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter).