mastocitoma

Mastocitoma é um tumor cutâneo maligno comum em cães e gatos. Representa entre 16 e 21% dos tumores de pele que acometem os cães. Sua aparência é extremamente variável. Porém, apresenta-se principalmente na forma de nódulo cutâneo ou subcutâneo. Raramente ocorre em outros órgãos.

Seu comportamento é extremamente variável, observando-se desde tumores de crescimento lento e baixa malignidade até lesões agressivas que causam metástases e levam ao óbito. O tratamento geralmente envolve cirurgia, algumas vezes associada a quimioterapia e radioterapia.

Causas do mastocitoma

As causas do mastocitoma são desconhecidas. Não há indicação de padrão hereditário, mas há evidências indicando uma possível origem genética.

Fatores de risco

  • Idade: ocorre, acima de tudo, após os 8 anos de idade;
  • Raça: algumas raças caninas são mais afetadas como, por exemplo, os Boxers, Boston terriers, Pugs, Schnauzer, Bulldog inglês, Fila brasileiro, Labradores, Terriers e Beagles;
  • Entre os gatos, os siameses apresentam maior risco.

Sinais de mastocitoma em cães e gatos

Sua aparência é muito variável e está relacionada ao seu comportamento e agressividade. Pode se apresentar como um nódulo cutâneo único, pequeno e de crescimento lento. Em outros casos surgem nódulos grandes, múltiplos ou disseminados, com ulceração e edema.

O mastocitoma tem grânulos em suas células que liberam histamina e heparina, substâncias que podem causar efeitos em todo o organismo como, por exemplo:

  • inibição da coagulação do sangue;
  • edema;
  • vermelhidão;
  • vômitos com sangue
  • diarréia;
  • óbito.

Metástases

As metástases ocorrem primeiramente para linfonodos regionais, mas podem se disseminar para fígado, baço, medula óssea e cérebro.

Diagnóstico

  • Citologia aspirativa: o diagnóstico de mastocitoma é realizado por meio de citologia aspirativa, um exame simples e de baixo custo que pode ser realizado em consultório. O resultado auxilia no planejamento da cirurgia e aumenta as chances de sucesso;
  • Exame histopatológico: após a retirada cirúrgica, o tecido é enviado para um laboratório de referência para que as células sejam examinadas microscopicamente. As características celulares definem o tipo de tumor, ajudam a prever o seu comportamento e a determinar qual o melhor tipo de tratamento. O mastocitoma pode ser classificado em grau I, II ou III ou de alto e baixo grau;
  • Exames imunohistoquímicos e PCR: são realizados no tecido do tumor, fornecem informações adicionais importantes sobre o prognóstico do paciente e auxiliam na escolha do tratamento;
  • Estadiamento: verifica a presença ou não de metástases através de exames como o ultrassom abdominal.

Tratamento

O mastocitoma em cães e gatos é tratado, principalmente, com cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou a combinação dos três métodos.

Cirurgia: a retirada do tumor está indicada quando é possível removê-lo completamente e obter margens cirúrgicas limpas. O planejamento leva em consideração o tamanho e a localização do mastocitoma. Caso não seja possível retirar todo o tumor, é considerada a possibilidade de amputação.

Em alguns pacientes, está indicado o uso de uma medicação antes da cirurgia para se tentar diminuir o tamanho do tumor e obter um melhor resultado. O primeiro evento cirúrgico é o mais importante e tem maior chance de cura. Quando a doença recorre, é sempre mais agressiva;

Radioterapia: pode ser usava como tratamento local em casos em que não se consegue margens cirúrgicas livres, tumores inoperáveis e na presença de metástase em linfonodos. É um tratamento caro e pouco acessível no Brasil.

Quimioterapia: geralmente é utilizada como adjuvante à cirurgia, nos casos de mastocitoma de grau intermediário a alto, tumores com características de comportamento agressivo, nos casos em que não se consegue margens livres ou em que há metástases, e nos tumores que não são operáveis.

Existem várias opções de protocolos de medicamentos para o tratamento do mastocitoma. Recentemente, têm sido utilizados os Inibidores de Tirosina Quinase para uma terapia alvo muito eficaz em alguns casos, embora ainda seja cara e tenha que ser importada.

Gostou do texto? Para ler mais conteúdos como esse, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!