Diagnóstico de Hepatite

Um plano acordado entre o Ministério da Saúde com os estados e municípios do Brasil visa eliminar a hepatite C no país até 2030. A ideia é simplificar o diagnóstico, ampliar os exames e fortalecer os cuidados com as hepatites virais.

Hepatite C

A hepatite C é a forma mais comum de hepatite presente no país, com 11,9 casos por 100 mil registrados em 2017. Há mais de um milhão de pessoas que tiveram contato com o vírus tipo C, que representa 0,71% da população brasileira.
A doença é prevalente em adultos acima de 40 anos. Causa cirrose, câncer e pode matar. Desde o final da década de 90, 331.855 mil notificações foram registradas no país, 10% das pessoas também apresentavam HIV positivo.

A diretora do Departamento de DST, HIV / Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, explica que o maior desafio do Plano é realizar a busca por pessoas que, embora diagnosticadas, não estejam em tratamento e as que ainda não foram diagnosticados. “A hepatite C é uma doença silenciosa. Muitas pessoas têm o vírus da hepatite C e não apresentam nenhum sintoma, portanto, diagnosticar e tratar essas pessoas o mais rápido possível é essencial para sua qualidade de vida e também para a saúde pública ”, ressaltou a diretora.

O plano de eliminação está alinhado com os objetivos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a meta é atender 19 mil pessoas neste ano e, a partir de 2019, 50 mil pacientes por ano até 2024. A partir de 2025, esse número passa a ser 32 mil novos tratamentos por ano. Assim, espera-se reduzir a mortalidade por hepatite C em 65% até 2030.

Hepatite A
Já o número de casos de hepatite A, em 2017, quase dobrou, em comparação com 2016, no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde:

  • Os números mais que dobraram em homens de 20 a 39 anos.
  • São Paulo registra um crescimento expressivo, subindo de 155, em 2016, para 1108 em 2017.
  • Grande parte tem como origem a via sexual, principalmente em homens.

A Vacina é uma forma de prevenção contra a doença e está disponível no SUS. Em crianças, a imunização está disponível a partir de 15 meses e abaixo dos cinco anos

Hepatite B
A transmissão ocorre por sangue contaminado, sexo desprotegido, e compartilhamento de objetos cortantes.
Nos últimos 10 anos, pouca variação com leve tendência de queda nos últimos quatro anos.
Em crianças, a imunização são quatro doses: ao nascer, 2, 4 e 6 meses.
Para os adultos que não se vacinaram na infância, são três doses a depender da situação vacinal.