Tosse: guia para diferenciar os diferentes tipos na criança

Pai trazendo medicamentos para criança que está na cama tossindo

A tosse é um dos principais motivos pelos quais os pais levam as crianças ao pediatra. Seja seca ou produtiva, alérgica ou infecciosa, ela incomoda e preocupa muita gente, especialmente quando se torna persistente.
Várias doenças podem causar tosse nas crianças. São algumas delas: resfriado, sinusite, gripe, asma, rinite e pneumonia. A poluição, o tempo seco, a exposição à fumaça de cigarro e os ambientes fechados também contribuem para esse problema e as crianças menores são as que mais sofrem.
Continue conosco para aprender a diferenciar os tipos de tosse e saber qual o momento certo de consultar o pediatra.

O que é a tosse e como ela acontece?

A tosse é um mecanismo de defesa natural e reflexo, responsável pela proteção e limpeza das vias aéreas. Ela ajuda a expulsar secreções, substâncias e objetos das vias respiratórias, impedindo que estes cheguem aos pulmões.
Quando algum estímulo irrita as vias aéreas, ocorre um reflexo de inspiração profunda seguido pela expulsão do ar em alta velocidade.
Aliás, você sabia que, durante a tosse, o ar pode ser expelido a 80 km/hora? Não é à toa que ela causa cansaço e esgotamento, especialmente nos pequenos.

Tipos de tosse

O tipo de tosse apresentada pela criança fornece pistas sobre a sua origem. Podemos classificá-la de acordo com:

  • o tempo de evolução;
  • a presença de secreção.

Tipos de tosse de acordo com o tempo de evolução

  • Tosse aguda: até 2 semanas.
  • Tosse subaguda: 2 a 4 semanas.
  • Tosse crônica: mais de 4 semanas.

A tosse aguda é geralmente causada por quadros infecciosos ou alérgicos, tanto nas vias aéreas superiores (resfriado, faringite e sinusite) e inferiores (traqueobronquite e pneumonia).
Já a tosse subaguda é comum após uma infecção respiratória (tosse residual) e melhora progressivamente.
Por fim, a tosse crônica ocorre na asma, bronquite bacteriana, sinusite, doenças cardíacas e do refluxo gastroesofágico, bronquiectasias, tuberculose e relacionada ao uso de alguns medicamentos.

IMPORTANTE: crianças com tosse persistente por mais de 2 semanas devem ser levados ao pediatra. Bebês menores de três meses devem ser avaliados imediatamente se apresentarem tosse, cansaço e respiração ruidosa, especialmente associados à febre.

Tipos de tosse de acordo com a presença de secreção

  • Tosse seca: tosse sem secreção (catarro), acompanhada de irritação e sensação de ressecamento e coceira na garganta. Ela costuma piorar à noite e persistir por várias semanas. A causa principal é a asma. Porém, algumas outras doenças também evoluem com a tosse seca como, por exemplo, a laringite, a rinite, doença do refluxo gastro-esofágico e exposição a agentes irritantes (cigarro, poeira, mofo).
  • Tosse produtiva: com a tosse, é expelido um catarro claro ou secreção de coloração variada (mucopurulenta). Na maioria das vezes, tem causas infecciosas como: resfriado, gripe, pneumonia e bronquite bacteriana.

Sintomas associados à tosse

Junto com a tosse, a criança pode apresentar outros sintomas que variam de acordo com a causa e a gravidade do quadro. São eles:

  • febre;
  • dor de garganta;
  • dor de cabeça;
  • secreção nasal (coriza);
  • vômitos;
  • perda de apetite;
  • manchas na pele;
  • dor abdominal.

Além desses, os sinais abaixo indicam gravidade e devem servir de alerta para que os pais levem imediatamente a criança ao pediatra.

  • Coloração azulada dos lábios ou da pele (cianose);
  • ruído agudo na inspiração (estridor);
  • dificuldade para respirar;
  • respiração acelerada ou ruidosa;
  • presença de secreção amarelada, esverdeada ou com sangue;
  • prostração;
  • sinais de desidratação;
  • tosse rouca ou metálica.

Causas de tosse na criança

As principais causas de tosse nas crianças são:

  • infecções das vias aéreas superiores (resfriado comum, gripe, faringite, laringite e sinusite);
  • infecções das vias aéreas inferiores (traqueobronquite e pneumonia);
  • rinite alérgica;
  • asma;
  • bronquite bacteriana protraída ou persistente;
  • corpo estranho aspirado;
  • bronquiectasia;
  • fibrose cística;
  • doença do refluxo gastro-esofágico;
  • tuberculose;
  • medicamentos;
  • tosse psicogênica.

Resfriado comum

O resfriado é uma infecção viral do trato respiratório superior, benigna e autolimitada. Os sintomas clássicos são:

  • mal estar;
  • dor de garganta;
  • nariz entupido e escorrendo;
  • espirros;
  • tosse produtiva, com secreção clara ou amarelada.

O quadro dura em torno de 4 a 10 dias e geralmente se resolve sem complicações.

Gripe

Causada pelo vírus Influenza, a gripe é mais aguda e grave que o resfriado comum. Além dos sintomas como tosse produtiva, congestão nasal e dor na garganta, a criança também apresenta febre alta, calafrios, dor de cabeça, dores musculares, fadiga e mal estar.

Faringite

A faringite, ou dor de garganta, pode ser causada por vírus ou bactérias. Provoca sintomas semelhantes aos da gripe, associados a dor de garganta intensa, que piora ao engolir alimentos, e aumento de gânglios cervicais.

Laringite

A laringite ou inflamação da laringe pode ser causada por vírus, bactérias, agentes irritativos ou uso excessivo da voz. Por ser a estrutura onde se localizam as cordas vocais, a tosse característica da laringite é seca e rouca, por vezes metálica, semelhante ao latido do cachorro.
Os principais sintomas são dor de garganta, pigarro, rouquidão e perda da voz.

Sinusite

A sinusite é uma complicação frequente de infecções das vias aéreas superiores como, por exemplo, o resfriado, a gripe e a faringite. Ocorrem congestão e secreção nasais, sensação de pressão na face, dor de cabeça e tosse.
No início do quadro, a tosse é noturna e seca. Com a evolução, passa a ser produtiva, rouca e a persistir durante todo o dia. Sempre se observa uma piora no final do dia ou na hora de dormir, quando a secreção é drenada dos seios da face para a garganta e estimula o reflexo da tosse.

Traqueobronquite

A traqueobronquite é caracterizada pela inflamação da traqueia e dos brônquios, com aumento da produção de muco e acúmulo de secreção. Ela ocorre frequentemente após um resfriado ou uma gripe, e pode durar 1 a 2 semanas.
O principal sintoma é a tosse, que pode ser seca ou produtiva, acompanhada de chiado. Pode ocorrer febre, dor no peito e falta de ar.

Pneumonia

Na pneumonia, os sintomas respiratórios e gerais são mais graves: tosse produtiva, respiração rápida e difícil, fadiga intensa, dor no peito, febre alta, calafrios, dor de cabeça e falta de apetite.
A pneumonia pode ser viral, bacteriana ou atípica.

Rinite alérgica

Ocorre após a exposição a algum alérgeno como pólen, ácaros da poeira, fumaça de cigarro e mofo.
Os sintomas são: obstrução nasal, coceira, nariz escorrendo, espirros e tosse seca, pior no início da noite. Pode ser acompanhada de alergia nos olhos e na pele.

Asma

A asma é uma doença respiratória comum em que ocorre uma inflamação das vias aéreas. Os principais sintomas são: dificuldade para respirar, falta de ar, tosse seca, chiado (sibilos), sensação de aperto no peito e ansiedade.
O quadro costuma piorar à noite e de madrugada, e também com mudanças de temperatura e atividades físicas.

Bronquite bacteriana protraída ou persistente

A bronquite bacteriana protraída é a causa mais comum de tosse produtiva crônica nas crianças. É causada por bactérias específicas e apresenta-se de forma isolada, sem febre ou alteração do estado geral e apetite.

Corpo estranho aspirado

Um corpo estranho é qualquer objeto que penetra no organismo. Quando inalado, pode representar um grande perigo, levando a infecções e até a morte.
Após aspirar um objeto ocorre um acesso de tosse, seguido de engasgo. Tosse persistente, chiado no peito, falta de ar, rouquidão e sinais de cianose (lábios arroxeados) são sugestivos de aspiração de corpo estranho.
Os objetos mais frequentemente aspirados pelas crianças são: milho, feijão, amendoim, balões de borracha, balas, bolinhas e brinquedos pequenos.

Bronquiectasia

A bronquiectasia é uma complicação de outras doenças pulmonares ou de infecções como a pneumonia, que provocam lesões na parede dos brônquios.
A parede se inflama, enfraquece e formam-se pequenas dilatações. A secreção de muco aumenta e ele se acumula nas vias aéreas, propiciando o surgimento de infecções recorrentes. O paciente desenvolve uma tosse crônica, geralmente produtiva e com um muco espesso.
As crises de tosse são mais frequentes no início da manhã e no final do dia.

Fibrose cística

A fibrose cística é uma doença hereditária em que ocorre a produção de secreções densas e pegajosas em diversas partes do corpo como os pulmões, o pâncreas, o intestino, o fígado e os órgãos reprodutores.
Esse muco espesso, no pulmão, forma tampões que obstruem as vias aéreas, causando inflamação, propiciando infecções e levando a lesões permanentes (bronquiectasias).
O Teste do pezinho, realizado em todos os bebês nascidos no país, faz a triagem para a fibrose cística. Caso venha alterado, a confirmação do diagnóstico é realizada por meio do teste do suor.
Quando o diagnóstico não é feito no bebê, a criança com fibrose cística pode desenvolver uma tosse crônica produtiva, com chiado (sibilos) e infecções de vias aéreas repetitivas, associada à diarreia e dificuldade em ganhar peso.

Leia também:
Recém nascidos: conheça os primeiros exames necessários

Doença do refluxo gastroesofágico

Na doença do refluxo gastroesofágico, ocorre o retorno do conteúdo do estômago para o esôfago, ativando o reflexo de tosse, que muitas vezes é a única manifestação do problema.
Outros sintomas podem estar presentes como: regurgitação, queimação e rouquidão. Apesar de ser causa muito comum de tosse em adultos, tem pouca importância quando acontece em crianças.

Tuberculose

A tuberculose é uma infecção pulmonar causada pela bactéria bacilo de Koch. Os principais sintomas são: tosse seca ou produtiva, algumas vezes com sangue, febre vespertina, calafrios, sudorese noturna e emagrecimento.
Os quadros graves são evitados com a vacina BCG (a da marquinha no braço) presente no calendário vacinal no Ministério da Saúde e aplicada no recém-nascido em dose única.

Leia também:
Vacinação na infância: o que você precisa saber sobre o assunto?

Tosse medicamentosa

Alguns medicamentos têm como efeito colateral a tosse seca crônica. Entre eles, destacam-se os inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA), os anti-inflamatórios e os betabloqueadores.

Tosse psicogênica

A tosse psicogênica ou emocional é caracterizada por uma tosse alta, seca e irritativa, que desaparece durante o sono. Esse tipo de tosse só é diagnosticado após serem afastadas todas as possíveis causas orgânicas.

Diagnóstico da tosse

A tosse, especialmente quando persistente, pode ter muitas causas, algumas de difícil diagnóstico. A avaliação da criança com tosse crônica deve incluir:

  • história detalhada;
  • exame clínico;
  • radiografia de tórax;
  • espirometria (quando possível).

De acordo com a suspeita diagnóstica, outros exames podem ser indicados pelo pediatra.

Tratamento da tosse

O tratamento é indicado de acordo com a causa. Ao tratar a doença de base, a tosse desaparece. Dessa forma, são utilizados antibióticos nas infecções bacterianas, anti-histamínicos nos quadros alérgicos, broncodilatadores nos quadros asmáticos, dentre outros.
Existem, porém, algumas medidas gerais que auxiliam na melhora da tosse:

  • hidratação oral;
  • inalação (inalador ou vapor do banho);
  • umidificadores de ambiente;
  • lavar o nariz com soro fisiológico;
  • elevar a cabeceira da cama;
  • evitar agentes irritativos como fumaça de cigarro, pelos de animais, perfumes etc.

Como evitar a tosse?

Para evitar a tosse, basta não ficar doente! Para isso, invista em hábitos de vida saudáveis:

  • tenha uma alimentação rica e variada;
  • faça atividades físicas;
  • mantenha o calendário de vacinação em dia;
  • lave as mãos com frequência;
  • evite o contato com pessoas adoentadas.

Beba muita água! Ela fluidifica o muco facilitando a sua eliminação. E invista também no mel. Estudos mostram que ele reduz a inflamação, evita o crescimento de bactérias, alivia os sintomas da tosse e diminui seu tempo de evolução.
Além disso, se estiver tossindo ou espirrando, use a parte interna do cotovelo ou lenços descartáveis para cobrir a boca. Não use medicamentos por conta própria (muito menos dê ao seu filho!) e procure o médico se perceber que a tosse não está melhorando ou algum sinal de alerta apareceu.
Cuide de você e dos seus pequenos…
A vida pede saúde!

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Pediatria

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *