4 mulheres grávidas lado-a-lado com as mãos na barriga

A descoberta de uma gravidez muda dramaticamente a vida de uma mulher. A cada dia, novas dúvidas surgem. O que posso ou não fazer? O que devo comer? Vitaminas? Exames? Quando vou descobrir o sexo do bebê?

Entender o que ocorre com seu corpo e com o bebê, a cada mês, pode ajudar a diminuir a ansiedade durante este período tão especial e prepará-la para o que está por vir.

Testes de gravidez

O sinal de alerta mais comum para uma possível gravidez é o atraso menstrual.

Os testes de gravidez detectam o beta HCG na urina ou no sangue materno. Atenção: os testes caseiros na urina são menos precisos no início da gestação, quando a quantidade de beta HCG ainda é pequena, e podem ter resultados falso-negativos.

O exame de sangue é mais sensível, preciso e capaz de detectar a gravidez entre 8 e 11 dias após a concepção.
O primeiro dia da gestação é contado, do ponto de vista médico, como o primeiro dia da última menstruação, e dura aproximadamente 9 meses ou 40 semanas.

A gravidez é dividida em duas metades muito distintas: na primeira fase, ocorre a formação do feto e, na segunda, seu crescimento e amadurecimento.

Primeiro mês

Durante o primeiro mês, podem aparecer os primeiros sintomas da gravidez: náuseas, vômitos e seios doloridos. O enjôo matinal é a queixa mais frequente nesta fase e pode persistir durante todo o primeiro trimestre.

Durante a gravidez, a maioria das mulheres não apresenta menstruação (amenorréia), porém, pequenos sangramentos podem ocorrer durante a implantação do embrião no útero. O médico sempre deve ser informado se ocorrer alguma hemorragia, mesmo que pequena.

É comum que a mulher sinta cólicas de pequena intensidade, que representam uma resposta do útero à gravidez.

Dicas importantes para este mês

  • marcar uma consulta com o médico obstetra no caso de um teste de gravidez positivo;
  • visitar o dentista para se certificar de que tudo está bem com os dentes e gengivas, pois a presença de doença periodontal pode eventualmente levar a parto prematuro;
  • interromper o consumo de álcool e cigarros. Esses hábitos podem comprometer o desenvolvimento do feto e levar a um aborto;
  • iniciar o uso de ácido fólico, se ainda não o fez;
  • não utilizar medicamentos sem orientação médica, especialmente na primeira metade da gestação, fase de formação do feto.

Segundo mês

Durante o segundo mês a gestante realiza a primeira avaliação pré-natal. Nesta consulta o obstetra solicita exames de sangue, urina e o primeiro exame de imagem. O ultrassom endovaginal deve ser realizado a partir da sexta semana de gestação para confirmar a idade gestacional e verificar se o desenvolvimento do embrião está normal.

Nesta fase são comuns dores nos seios, náuseas e vômitos, e ocorre o aumento da frequência urinária pois o útero está crescendo e impede que a bexiga se encha completamente. A mulher começa a acordar a noite para urinar.

A progesterona, hormônio feminino liberado em grande quantidade durante a gestação, reduz a motilidade do intestino. É frequente a mulher queixar-se de distensão abdominal e gases.

Nesta fase, a gestante começa a sentir fadiga e sonolência, também causadas pelo aumento da progesterona.

Dicas importantes para este mês

iniciar ou manter atividade física adequada, preferencialmente caminhada, hidroginástica, pilates ou yoga;
realizar os exames de ultrassonografia e laboratoriais.

Terceiro mês

Durante o terceiro mês as náuseas diminuem e a mulher recupera seu apetite. Deve tomar cuidado para não se alimentar ‘por dois’. Na primeira metade da gestação, o crescimento do feto é pequeno, pesando na 20ª semana aproximadamente 500g. Nesta fase, então, o ganho de peso da mulher não deve ser grande.

A melhora das náuseas é um grande alívio, mas podem surgir outros sintomas como palpitações, falta de ar e dor no abdômen, devido à compressão dos órgãos vizinhos pelo útero, que nesta fase tem o tamanho de uma laranja.

Entre 11 e 13 semanas é realizado novo ultrassom para avaliar a formação e o desenvolvimento fetal. O principal sinal avaliado nesta fase é a medida da translucência nucal, capaz de levantar a suspeita de síndromes genéticas como a Síndrome de Down.

A maioria dos abortamentos ocorre até 12 semanas de gestação. Passada esta fase, a mulher se sente mais segura e confiante.

Dicas importantes para este mês

  • procurar cuidar da alimentação;
  • evitar peixes e crustáceos crus, carne e ovos crus ou mal cozidos, leite e bebidas não pasteurizadas;
  • evitar defumados e embutidos;
  • limitar a ingestão de café a duas xícaras pequenas por dia;
  • lavar bem legumes, verduras e frutas.

Quarto mês

O segundo trimestre é considerado a melhor fase da gestação, pois cessam a maioria dos sintomas iniciais e a mulher ainda não tem o peso e o volume abdominal dos últimos meses.

O útero, nesta fase, ultrapassa o limite da bacia e passa a ser palpável na região inferior do abdômen. Os seios aumentam e podem se tornar tensos e doloridos.

A partir da 16ª semana pode começar a produção de colostro, o primeiro leite a ser ingerido pelo bebê. Algumas mulheres observam manchas amareladas no sutiã.

Durante a consulta pré-natal, o obstetra consegue ouvir os batimentos do bebê pela primeira vez. Em torno de 16 semanas já é possível determinar o sexo do bebê por meio do ultrassom.

Dicas importantes para este mês

  • utilizar um sutiã com bom suporte;
  • aumentar o consumo de cálcio (a necessidade de uma grávida gira em torno de 1400 mg por dia);
  • se a gestante já tem um filho, é importante começar a falar com ele sobre o bebê que está chegando.

Quinto mês

Tem início a segunda metade da gravidez. Nesta fase, o corpo tem todas as características de uma mulher grávida. O útero atinge o nível do umbigo e, a partir da 22ª semana, já é possível sentir os primeiros movimentos do bebê. Podem ocorrer dores nas costas se a postura não for adequada.

Entre 22 e 24 semanas é realizado o ultrassom morfológico, um exame mais demorado e detalhado. Por meio dele o médico avalia a formação e o desenvolvimento do feto. É possível detectar algumas síndromes e malformações congênitas.

Dicas importantes para este mês

  • cuidar da alimentação aumentando a ingestão de alimentos ricos em ferro como: carnes, aves e fígado, para prevenir anemia;
  • continuar a prática de exercícios se não houver restrição médica;
  • controlar o peso.

Sexto mês

A partir desta fase o feto está todo formado e apresenta aumento na velocidade de crescimento. É necessária uma placenta eficiente para levar grande quantidade de nutrientes e oxigênio até ele.

Durante o sexto mês, é comum o aparecimento de pequenas contrações chamadas Braxton-Hicks. Elas são indolores e curtas, durando um a dois minutos. Elas ajudam a ‘treinar’ o útero para o parto, estimulando a contração dos músculos e amolecendo o colo do útero.

Algumas mulheres se preocupam em não conseguir diferenciar as contrações de Braxton-Hicks das verdadeiras dores do parto, porém, existem algumas diferenças importantes: elas são mais leves e irregulares, não aumentam de intensidade nem de frequência, e passam sozinhas. Caracteristicamente, elas melhoram quando se muda de posição ou com o relaxamento.

A insônia é bastante frequente nesta fase da gravidez pois o bebê se movimenta mais. Também ocorrem câimbras e não é fácil encontrar uma posição confortável.

Dicas importantes para este mês

  • cuidar da alimentação, evitando ganhar muito peso;
  • continuar a prática de exercícios se não houver restrição médica;
  • ter períodos de descanso durante o dia.

Sétimo mês

A partir do sétimo mês é comum a sensação de peso nas pernas, especialmente à noite. Algumas dicas para aliviar os sintoma sãos: caminhar pelo menos 30 minutos por dia para ativar a circulação, dormir com as pernas levemente elevadas, evitar banhos quentes, evitar ganho excessivo de peso e usar meias elásticas.

O útero mede agora aproximadamente 28 cm e está 4 a 5 cm acima do nível do umbigo. É comum sentir leve falta de ar devido à elevação do diafragma. A frequência cardíaca também é mais alta nesta fase.

O ultrassom do sétimo mês tem o objetivo principal de avaliar se o ambiente intra-uterino está adequado para o crescimento do bebê e se a placenta está desempenhando bem a sua função.

Nesta fase da gravidez, uma doença infecciosa pode ter consequências graves, pois muitas bactérias e vírus conseguem atravessar a barreira placentária e alcançar o sangue do bebê. A gestante deve informar ao seu médico se tiver febre, dor de cabeça, dor de garganta, alterações da urina ou transtornos gastrointestinais.

Dicas importantes para este mês

  • fazer pequenos intervalos ao longo do dia, se possível, elevando as pernas para ajudar a circulação;
  • alimentação balanceada e controle do peso;
  • ingerir bastante água, pelo menos dois litros por dia;
  • continuar a prática de exercícios se não houver restrição médica.

Oitavo mês

Desde o início da gravidez, o tamanho do útero se multiplicou por 500. Ele comprime o diafragma e a base dos pulmões, especialmente quando a gestante se deita. A respiração se torna mais curta e ofegante. Na hora de dormir, é um desafio encontrar uma posição confortável. Continuam as contrações de Braxton Hicks.

Durante este mês serão realizadas duas consultas pré-natais com intervalo de 15 dias para verificar o crescimento do bebê, seus batimentos, pressão arterial e frequência cardíaca da mãe e a situação do colo uterino.

Aqui, a gestante pode optar por iniciar a licença maternidade se estiver sentindo muito cansaço. A maioria das futuras mamães, no entanto, prefere esperar até o mais perto possível do parto.

Já é hora de arrumar a mala para a maternidade. É importante a orientação do obstetra sobre os itens mais relevantes.

Ficar atenta a sinais de complicações e de parto prematuro como sangramento, perda de líquido amniótico, contrações dolorosas e frequentes e dores de cabeça é importante.

Dicas importantes para este mês

  • decidir sobre a licença maternidade;
  • arrumar a mala para a maternidade.

Nono mês

Na fase final da gestação a consulta pré-natal determina a posição do feto e avalia os sinais de que o útero está se preparando para o parto. O acompanhamento nesta fase é semanal.

O primeiro sinal de que o parto está próximo é a perda do tampão mucoso que antes protegia o colo do útero. O aparecimento de contrações intensas e regulares indica o início do trabalho de parto. Quando os intervalos entre as contrações chegarem a cinco ou dez minutos, é hora de ir para a maternidade. A perda de líquido, mesmo se não houver contrações, também indica que a gestante deve ir para o hospital.

Dicas importantes para este mês

  • aproveitar para relaxar e curtir momentos de lazer indo ao cinema, restaurante e passeios;
  • instalar a cadeirinha no carro para transportar o bebê;
  • certificar-se de que toda a documentação necessária para a maternidade está na mala.

A gravidez é uma fase muito especial na vida da mulher. Seja a primeira ou não, traz sempre muitas dúvidas e muitos sentimentos contraditórios. Conhecer as mudanças que ocorrem no seu corpo e saber como minimizar os desconfortos é essencial para que a gestação seja tranquila e deixe boas lembranças. A chegada do bebê é uma experiência única na vida da mãe. Cuidar bem do corpo durante a gravidez é cuidar bem do bebê, prevenindo muitas dificuldades. Consulte seu obstetra regularmente durante o pré-natal e converse com ele sobre suas dúvidas e temores. Ele é o seu maior amigo durante este período!

E aí, gostou do texto? Para ler mais conteúdos como este, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)! Estamos te esperando.