Conversa com o especialista: refluxo gastroesofágico infantil

Imagem capa de um texto sobre refluxo gastroesofágico infantil da editoria conversa com o especialista. No canto inferior, foto do pediatra Magno Veras e, ao centro, imagem de uma mulher segurando seu bebê para ele arrotar.

O que é refluxo gastroesofágico em bebês?

O refluxo gastroesofágico é o retorno do conteúdo do estômago (alimentos e ácido estomacal) para o esôfago e, às vezes, até a boca. Um bebê que regurgita o leite após a mamada está tendo um refluxo. Isso é comum em crianças de até 1 ano e pode acontecer até os 18 meses de idade.

O que causa o refluxo gastroesofágico?

O refluxo gastroesofágico pode acontecer por alguns motivos. Ele pode ser de causa primária, quando o esfíncter (válvula que impede o conteúdo do estômago retornar ao esôfago) ainda não está funcionando corretamente, sem que haja uma doença provocando essa disfunção.

A chamada causa secundária ocorre quando o refluxo é provocado por uma doença, pode ser uma inflamação, má formação ou até alergia à proteína do leite de vaca.

Quando o refluxo é uma doença?

Para o refluxo ser considerado Doença do Refluxo Gastroesofágico, é preciso provocar uma perda na qualidade de vida da criança. Deve ser observado se o refluxo continuou após o primeiro ano de vida, se houve alteração na alimentação e no crescimento da criança e se levou a algumas dificuldades respiratórias. Os principais sinais são:

  • engasgos;
  • recusa alimentar;
  • hemorragia digestiva;
  • apneia;
  • pneumonia de repetição;
  • chiado;
  • asma;
  • rouquidão;
  • anemia;
  • irritabilidade;
  • cianose (cor azulada ou acinzentada da pele, unhas, lábios ou ao redor dos olhos).

Meu bebê golfa muito, é normal?

Sim, é comum os bebês golfarem várias vezes ao dia após a mamada durante as primeiras semanas de vida. Normalmente, esse refluxo não influencia no ganho de peso e crescimento do bebê e tende a diminuir e cessar até o primeiro ano de vida.

Além disso, durante os primeiros meses, a criança respira enquanto mama, levando ar e leite juntos para o estômago, sendo necessário colocá-la para arrotar e deixá-la em pé por alguns minutos. Se isso não é feito e ela for colocada deitada logo após a mamada, ela pode golfar na tentativa de expulsar o ar do estômago.

Em caso de perda de peso e baixo crescimento, a mãe deve levar o bebê ao médico para avaliar a causa.

Quando devo me preocupar com o refluxo do meu filho?

O refluxo é comum até o primeiro ano de vida da criança, mas é importante ficar atento se ela apresenta esse sintomas:

  • vômito intenso;
  • dificuldade na mamada;
  • emagrecimento ou baixo ganho de peso;
  • pneumonia de repetição;
  • choro e irritabilidade.

Esses, podem ser sinais de Doença do Refluxo Gástrico.

Como é feito o diagnóstico de refluxo em bebês?

Para realizar o diagnóstico de refluxo em bebês e crianças novas, o médico analisará algumas situações que podem provocar regurgitação e vômito, como a forma como o pequeno se alimenta e a rotina pós mamada. Por exemplo:

  • se ocorre muita ingestão de ar durante as mamadas e com muito choro, ou se o tamanho do bico da mamadeira está adequado ao tamanho da criança;
  • se é feito aleitamento artificial (fórmula) o médico irá analisar se o bebê recebe excesso de leite durante a mamada;
  • se o bebê é colocado para arrotar após a mamada e se é muito manipulado após as mamadas;
  • se a rotina de amamentação e sono estão de acordo com a idade do bebê;

Se necessário, o médico pode pedir exames mais específicos para confirmação do diagnóstico de Doença do Refluxo Gastroesofágico, como:

  • endoscopia digestiva alta e biópsia esofágica;
  • radiografias do estômago, esôfago e duodeno;
  • ultrassonografia do abdome superior;
  • monitoramento do pH do esôfago;
  • e outros.

Como é o tratamento do refluxo infantil?

O tratamento do refluxo envolve medidas posturais, dietas e, em alguns casos, medicamentos.

  • Medidas posturais: elevar a cabeceira da cama em um ângulo de 30º a 45º; colocar o bebê para arrotar e mantê-lo nessa posição entre 30 e 40 minutos; colocar o bebê deitado do lado esquerdo apenas quando acordado e com supervisão, pois ele deve dormir sempre de barriga para cima, evitando a síndrome da morte súbita infantil.
  • Dieta: manter o aleitamento materno exclusivo. Bebês que tomam fórmulas devem recebê-las em porções fracionadas ou pode-se trocar por uma fórmula mais espessa. Além disso, o bebê deve tomá-la em posição semi-elevada e aguardar entre 30 e 40 minutos para deitá-lo.
  • Medicamentos: devem ser administrados sob orientação médica, pois alguns remédios inibem a secreção do ácido estomacal e outros ajudam a tonificar o esfíncter esofágico inferior (válvula que se localiza entre o esôfago e o estômago). Vale lembrar que os medicamentos não curam o refluxo, apenas ajudam no controle.

Como melhorar o refluxo em bebês e crianças?

Para melhorar o refluxo, ou as “golfadas” dos bebês, é indicado colocá-los para arrotar e mantê-los de 30 a 40 minutos na posição vertical (em pé), pois facilita o esvaziamento do estômago e diminui a regurgitação.

O pequeno pode ser colocado deitado do lado esquerdo e com a cabeceira elevada desde que com supervisão. O bebê com menos de 1 ano de idade não pode dormir de lado ou de barriga para baixo, porque há maior risco de morte súbita durante o sono.

Além disso, deve-se evitar deitá-lo após a alimentação e, também, os alimentos que aumentam a chance de refluxo.

Medicamentos devem ser usados apenas em casos de doença do refluxo gastroesofágico e com acompanhamento do médico.

Existe posição melhor de dormir para evitar o refluxo em bebês?

Sim. Os bebês com menos de 1 podem ficar deitados do lado esquerdo apenas quando acordadas, mas devem sempre dormir de barriga para cima e com a cabeceira elevada, porque as posições de lado e de barriga para baixo aumentam o risco de morte súbita durante o sono. As crianças maiores de 1 ano podem deitar para o lado esquerdo e com a cabeceira elevada.

Quando a criança deve tomar remédio para refluxo?

A criança só deve tomar medicamento para refluxo quando for o caso de uma doença do refluxo gástrico e com acompanhamento do médico pediatra ou especialista para garantir um tratamento correto e evitar complicações.

Para melhorar o refluxo, precisa mudar a alimentação da criança?

Em alguns casos o médico pode indicar uma mudança na alimentação da criança para aliviar e diminuir os episódios de refluxo, como nos casos de alergia à proteína do leite de vaca.

Refluxo é grave?

O refluxo deve ser observado com atenção porque pode ser uma consequência de alguma doença preexistente, como:

  • estreitamento congênito do esôfago;
  • comunicação entre a traqueia e o esôfago; distúrbios da deglutição; alergia à proteína do leite de vaca;
  • parasitoses intestinais (vermes);
  • dentre outras.

E, também, pode evoluir para quadros de: esofagite (inflamação do esôfago) e infecção no pulmão.

Nas crianças, o refluxo merece uma atenção especial, pois está bastante associado à morte súbita do lactente (bebês que se alimentam exclusivamente de leite), soluços, rouquidão e erosão dentária.

Saiba mais em: Refluxo gastroesofágico infantil: o que você precisa saber?

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Pediatria

Médico, especialista em Pediatria, Gastroenterologia e Nutrologia pediátrica. Proprietário da MV clínica pediátrica, em Belo Horizonte.

2 Comments

  • boa noite eu preciso de informaçoes minha nene tem refluxo so que e diferente ela mama normal no peito depois de um hora a uma hora e meia começa sentir falta de ar demora entre 2 e 3 minutos para ela voltar ao normal isso batendo na costinha ela so tem 2 mes por favor me de aguma orientaçao. eu nem estou dormindo mais com medo de perdela

    • Olá Elisangela. É muito triste ler esse seu relato. O que orientação que podemos te dar é para você procurar um pediatra especialista em gastroenterologia. Ele poderá avaliar o caso da sua filha. Um abraço e desejamos que consiga resolver essa questão.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *