Conversa com o especialista: intolerância à lactose

Imagem capa de um texto sobre intolerância à lactose da editoria conversa com o especialista. No canto inferior, foto do pediatra Magno Veras e, ao centro, imagem de uma mulher segurando um copo de leite com um mão e coma a outra apertando a barriga em sinal de dores abdominais.

O que é intolerância à lactose?

Intolerância à lactose é a incapacidade do nosso corpo em digerir a lactose (açúcar do leite) e seus derivados. O nosso intestino delgado produz lactase, uma enzima responsável por quebrar e decompor a lactose durante a digestão. Sendo assim, as pessoas intolerantes à lactose não produzem, ou produzem pouca lactase para digerir o leite e seus derivados.

Quais os tipos de intolerância à lactose?

Existem três tipos de intolerância à lactose e todas elas resultam na deficiência da produção de lactase para quebrar e digerir o açúcar do leite, a lactose. São elas:

    >hipolactasia do “tipo adulto”: é o tipo mais comum e está relacionada a uma diminuição na produção de lactase com o nosso crescimento. Geralmente, aparece na idade adulta;
  • intolerância secundária à lactose: esse tipo ocorre quando o intestino delgado diminui a produção de lactase após doença, lesão ou cirurgia;
  • intolerância congênita à lactose: é o tipo mais raro e é geralmente o resultado de um distúrbio genético que já apresenta sintomas desde os primeiros dias de vida.

Quais os sintomas da intolerância à lactose?

Os principais sintomas da intolerância à lactose são:

  • inchaço abdominal;
  • cólicas;
  • gases;
  • diarreia;
  • náusea e vômito;
  • dor abdominal.

Quem pode ter intolerância à lactose?

Qualquer pessoa pode ter intolerância à lactose. Contudo, alguns fatores propiciam o surgimento deste distúrbio digestivo. São eles:

  • idade: geralmente aparece na idade adulta, na medida em que a produção de lactase vai diminuindo;
  • etnia: pessoas de descendência africana, asiática, hispânica e indiana têm maiores chances de ser intolerantes à lactose;
  • prematuridade: bebês prematuros podem apresentar intolerância à lactose porque as células que produzem a lactase só se desenvolvem no fim da gestação (terceiro trimestre);
  • doenças que afetam o intestino delgado: doença celíaca (intolerância a proteína do trigo) e doença de Crohn;
  • alguns tratamentos contra o câncer: quimioterapias e radioterapias, especialmente na região abdominal, aumentam as chances de se desenvolver intolerância à lactose.

O que a intolerância à lactose pode causar?

A intolerância à lactose pode gerar alguns desconfortos como dor e inchaço abdominal, cólicas e diarreia. Isso acontece porque a lactose, quando não digerida, é fermentada ao se misturar às bactérias presentes no nosso intestino.

Como diagnosticar a intolerância à lactose?

O diagnóstico da intolerância à lactose pode ser feito por meio de uma análise clínica com base nos sintomas apresentados pelo paciente e pode ser confirmada com três exames específicos:

  • teste de intolerância à lactose: o paciente ingere um líquido com grande concentração de lactose e retira algumas amostras de sangue para medir a quantidade de glicose na corrente sanguínea;
  • teste de hidrogênio na respiração: o paciente ingere um líquido e o médico mede a quantidade de hidrogênio presente na respiração, em intervalos regulares. Quando detectado maior quantidade de hidrogênio, o paciente é intolerante à lactose.
  • teste de acidez nas fezes: este teste indica se houve fermentação da lactose que não foi digerida. É mais indicado para crianças e bebês.

Como tratar intolerância à lactose?

A intolerância à lactose pode ser controlada com dieta e medicamentos. A pessoa intolerante à lactose deve evitar grandes porções de leite e derivados como: requeijões, sorvetes e cremes de leite.

Para auxiliar, também pode ser usada como suplemento a enzima lactase em forma de cápsula antes de se comer alimentos ricos em lactose.

O que a pessoa intolerante à lactose pode comer?

A pessoa intolerante à lactose deve excluir ou evitar ao máximo alimentos que contenham lactose, como é o caso do leite e seus derivados. Hoje em dia é possível encontrar no mercado opções de leites vegetais, como o de amêndoas, aveia e soja, que não possuem lactose e substituem bem o leite de vaca. Outra opção são os produtos zero lactose, que também podem ser encontrados nos supermercados.

O que tomar para a intolerância à lactose?

A pessoa intolerante à lactose pode fazer o uso de um suplemento nutricional, a lactase. Este suplemento deve ser tomado antes de se comer leite e derivados e atua na reposição da enzima lactase no corpo, proporcionando a digestão da lactose e a diminuição dos sintomas. Antes de tomar qualquer medicação, o médico deve ser consultado.

Por que intolerância à lactose causa diarreia?

A diarreia é um dos sintomas mais comuns da intolerância à lactose e acontece entre 30 minutos e 2 horas após a ingestão do alimento. Ela ocorre por dois fatores:

a lactose não digerida fermenta no intestino e se transforma em ácido lático. Essa substância irrita o intestino, fazendo com que a diarreia surja numa medida de eliminá-la o mais rápido de dentro do nosso corpo;
a lactose atrai água e isso contribui para que tenhamos diarreia.

Intolerância à lactose é alergia ao leite?

Não, intolerância à lactose e alergia ao leite são bastante diferentes. Na intolerância à lactose a pessoa produz pouca ou nenhuma lactase (enzima que quebra o açúcar do leite) e apresenta sintomas que vão variar de acordo com a quantidade ingerida de leite e derivados.

Por outro lado, a alergia ao leite é um reação do nosso sistema imunológico às proteínas presentes no alimento, em que o corpo vai produzir anticorpos para defender o organismo do alimento e isso gera algumas reações, como erupções e urticária na pele, tosse, náusea, vômito e diarreia.

Saiba mais em: https://conviteasaude.com.br/intolerancia-a-lactose/

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Pediatria

Médico, especialista em Pediatria, Gastroenterologia e Nutrologia pediátrica. Proprietário da MV clínica pediátrica, em Belo Horizonte.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *