Conversa com o Especialista: fratura por estresse

Imagem capa de um texto sobre fratura por estresse da editoria conversa com o especialista. No canto inferior, foto do ortopedista Emerson Fidelis e, ao centro, close de uma mulher ao ar livre com roupas esportivas suspendendo e segurando a perna pela canela indicando que ela está com dores nessa região decorrente da fratura por estresse.

A fratura por estresse é uma pequena trinca no osso provocada por esforço repetitivo ou força e, muitas vezes, ocorre por excesso de uso, como corridas longas e saltos repetitivos. Além disso, pode acontecer durante o uso normal em ossos enfraquecidos pela osteoporose.

É mais comum nos ossos do pé e da perna, pois suportam o peso corporal.

O tempo médio para curar uma fratura por estresse varia entre 6 e 8 semanas, mas pode variar de acordo com o caso. Sendo assim, é importante que, no período de tratamento, o paciente siga as orientações do especialista.

No mais, para saber as respostas para as dúvidas mais comuns sobre esse assunto, continue conosco.

Quais são os fatores de risco?

Atletas e pessoas que praticam atividade física intensa como atletismo, ginástica, vôlei e basquete, estão mais propensas a sofrerem fraturas por estresse. Porém, qualquer pessoa, independente da idade, que pratique atividade física de impacto repetitivo com o pé pode sofrer esse tipo de lesão.

Outros fatores de risco são:

  • mudança brusca no estilo de vida: pessoas sedentárias que começam a fazer atividades físicas de alta intensidade, duração e frequência;
  • sexo feminino: sobretudo mulheres com períodos menstruais anormais ou ausentes;
  • problemas nos pés: pé chato, arcos altos e rígidos;
  • ossos enfraquecidos por algumas condições, como a osteoporose;
  • histórico de fraturas por estresse;
  • falta de nutrientes: distúrbios alimentares, deficiência de vitamina D e cálcio.

Quais são os sintomas?

Os principais sintomas queixados por quem tem uma fratura por estresse são:

  • dor e ou fraqueza no membro onde ela está localizada;
  • dor profunda no pé, dedos do pé e tornozelo;
  • sensibilidade no local da fratura;
  • inchaço na parte superior do pé ou tornozelo;
  • dor durante e/ou após a atividade;
  • queda no rendimento esportivo.

Quando não tratada, pode apresentar dor intensa e o osso acometido corre risco de se deslocar.

Como diagnosticar fratura por estresse?

Para o diagnóstico de fratura por estresse, o médico ortopedista observará sintomas, exame físico do pé e/ou tornozelo e exames de imagem, como raios-x, tomografias computadorizadas e ressonâncias magnéticas. Em alguns casos, o médico pode solicitar exame de densitometria óssea para saber se a fratura decorreu de perda de massa óssea.

Como tratá-la?

A fratura por estresse pode ser tratada com imobilização do membro afetado e repouso. Em casos mais graves, pode ser preciso imobilização e repouso absolutos e, até mesmo, cirurgias. O tratamento com fisioterapeutas também é extremamente importante para a recuperação e para evitar riscos de novas fraturas.

Quais os tipos de fratura por estresse?

As fraturas por estresse podem ser classificadas em baixo e alto risco ou de acordo com a gravidade da fratura.

  • Fraturas de baixo risco: úmero, escápula, ulna, radio, olecrano, escafoide, diáfise do fêmur, tíbia, fíbula, calcâneo, tronco, costelas, pars interarticularis da coluna vertebral, sacro, pelve ramos isquiopúbicos.
  • Fratura de alto risco: maléolo medial, navicular, colo do fêmur, talus, patela, 5º metatarso, sesamoides, região anterior da tíbia.

Qual deles é o mais comum?

Os tipos mais comuns de fraturas por estresse ocorrem nos pés e nas pernas, pois estes sustentam o peso do corpo e sofrem mais com o impacto repetitivo.

Como preveni-la?

Algumas medidas simples podem prevenir fraturas por estresse, como:

  • alimentação balanceada;
  • postura alinhada corretamente;
  • manter os exames metabólicos em dia;
  • evitar atividades de impactos sequenciais;
  • melhorar força e flexibilidade;
  • treinar com a carga adequada;
  • utilizar tênis adequados para o esporte e seu tipo de pisada.

Saiba mais em: Fratura por estresse: o que é, sintomas e tratamentos

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Ortopedia

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital das Clinicas. Diretor do CMH medicina hospitalar. Foi diretor e presidente do Hospital Semper, Unimed e Amil. É membro da Academia Mineira de Medicina desde 2009.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *