Conversa com o Especialista: fibromialgia

Imagem capa de um texto sobre fibromialgia da editoria conversa com o especialista. No canto inferior, foto do ortopedista Emerson Fidelis e, ao centro, imagem de uma mulher de costas com as mãos na região superior das costas, do pescoço, dos ombros e da lombar indicando que ela está com dor. Essas regiões estão marcadas de vermelho.

O que é fibromialgia?

A fibromialgia é uma síndrome caracterizada pela dor crônica em várias partes do corpo, principalmente na musculatura. Está relacionada ao funcionamento do sistema nervoso central e ao mecanismo de supressão da dor, ou seja, o cérebro entende de maneira diferente e aumentada os sinais de dor.

Assim, é comum que a pessoa sinta como se todo o corpo doesse. Além disso, é comum ter sintomas de fadiga, dificuldade para descansar ou dormir, perda da memória, irritabilidade e depressão.

Quais são seus sintomas?

  • Dor constante e prolongada em todo o corpo;
  • sensibilidade aumentada ao toque e pressão;
  • fadiga crônica: sentir-se cansado, mesmo após horas de descanso e sono;
  • alterações da memória e dificuldade de concentração;
  • rigidez muscular ao acordar.

A fibromialgia também pode estar relacionada a outros problemas de saúde, como ansiedade, depressão, disfunção temporomandibular (bruxismo), endometriose, dor pélvica, cólon irritável, enxaqueca, urgência urinária, apneia do sono e depressão.

O que causa a fibromialgia?

Ainda é desconhecida a causa da fibromialgia, mas acredita-se que há uma predisposição genética e que mulheres com histórico familiar de fibromialgia têm maior risco de desenvolver a doença. Além do mais, também é comum que os portadores da fibromialgia apresentam níveis mais baixos de serotonina (neurotransmissor) e é comum que ela surja após episódios de trauma físico ou emocional, infecções e doenças sistêmicas.

Quais são seus fatores de risco?

Os principais fatores de risco da fibromialgia são:

  • idade: é mais comum na meia idade;
  • doenças auto-imunes;
  • sexo feminino;
  • eventos traumáticos;
  • lesões por esforço repetido;
  • histórico familiar;
  • obesidade.

Como diagnosticar a fibromialgia?

O diagnóstico é clínico e o médico analisará o tipo, local e duração da dor. Para ser considerada fibromialgia as dores devem estar presentes por três meses ou mais e em todo o corpo, além de apresentar pontos dolorosos na musculatura (existem 18 pontos pré-estabelecidos).

É importante ressaltar que o diagnóstico não é específico, mas é necessário para descartar outras enfermidades como artrite reumatoide e lúpus, por exemplo.

Como tratá-la?

O tratamento da fibromialgia visa melhorar os sintomas, diminuindo a dor e a fadiga, e cuidados com depressão, ansiedade e qualidade do sono.
Algumas terapias podem ser indicadas como:

  • medicamentos: analgésicos e anti-inflamatórios associados a antidepressivos;
  • terapia cognitivo-comportamental;
  • técnicas de relaxamento;
  • meditação;
  • acupuntura;
  • atividades físicas leves a moderadas;
  • controle do estresse;
  • técnicas de higiene do sono.

Fibromialgia tem cura?

Não, a fibromialgia é uma doença que não tem cura. Contudo, o tratamento auxilia na melhora da dor e da fadiga. Além disso, a pessoa que convive com fibromialgia pode precisar ajustar suas atividades do dia-a-dia e fazer mudanças no estilo de vida para ter uma qualidade de vida melhor.

Quais os pontos de dor da fibromialgia?

Para o diagnóstico de fibromialgia o paciente deve relatar 11 pontos dolorosos de 18 já pré-estabelecidos. Eles ficam:

  • 2 na parte da frente e 2 na parte de trás do pescoço;
  • 2 na parte de trás dos ombros;
  • 2 na parte superior e central das costas;
  • 2 na parte superior do peito;
  • 1 em cada cotovelo;
  • 2 na região lombar;
  • 2 abaixo das nádegas;
  • 1 em cada joelho.

Quem trata a fibromialgia?

Os médicos responsáveis por diagnosticar e tratar a fibromialgia são o médico reumatologista e o ortopedista.

Ela é uma doença autoimune, ou degenerativa?

Não. Doenças autoimunes são aquelas em que o sistema de defesa do corpo ataca e destrói os tecidos do próprio organismo. Apesar de não saber o que provoca a fibromialgia, sabe-se que ela não decorre de um processo autoimune.

Já as doenças degenerativas são doenças que comprometem a função de células, tecidos e órgãos, provocando danos crescentes e irreversíveis. São doenças em que pouco a pouco há perda das funções vitais, alguns exemplos são: Mal de Alzheimer, Parkinson, Esclerose Múltipla, diabetes, hipertensão, arteriosclerose.

Então, apesar da dor intensa e crônica, a fibromialgia não é uma doença degenerativa, pois ela não gera ao paciente deformações, incapacidade física, danos irreversíveis ou perda das funções vitais.

Fibromialgia é uma doença reumática?

Sim. Reumatismo é um conjunto de doenças que afetam as articulações, ossos, músculos, tendões, ligamentos e cartilagem.

A Fibromialgia é um tipo de doença reumática que provoca dor muscular generalizada e crônica. Além disso, também pode provocar fadiga, alterações no humor e no sono e perda de concentração e memória.

Saiba mais em:

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Ortopedia

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital das Clinicas. Diretor do CMH medicina hospitalar. Foi diretor e presidente do Hospital Semper, Unimed e Amil. É membro da Academia Mineira de Medicina desde 2009.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *