Conversa com o Especialista: antiangiogênicos

Imagem capa de um texto sobre antiangiogênicos da editoria conversa com o especialista. No canto inferior, foto do oftalmologista Thiago Rabelo e, ao centro, uma figura representando uma injeção de antiangiogênico sendo aplicada em um olho.

Os antiangiogênicos são medicamentos usados para tratar doenças oculares como a degeneração macular relacionada à idade, o edema macular diabético e as obstruções vasculares da retina.

Hoje, vamos esclarecer as dúvidas mais comuns dos pacientes em relação a esse tratamento.

O que são antiangiogênicos?

Os antiangiogênicos são substâncias que inibem a ação dos fatores de crescimento vascular, reduzindo a formação e proliferação de novos vasos sanguíneos. Eles são utilizados para tratar doenças que, por vários motivos, resultam na formação de vasos anômalos.

Existem três tipos de medicamentos antiangiogênicos aprovados para uso ocular no Brasil:

Os antiangiogênicos são usados para tratar quais doenças oculares?

A ANS (Agência Nacional de Saúde) prevê o tratamento com antiangiogênicos nos seguintes casos:

  • degeneração macular relacionada à idade;
  • edema macular diabético;
  • obstruções vasculares da retina.

Nem todos os casos têm indicação de tratamento com injeções vítreas de antiangiogênicos. Existem regras e protocolos estabelecidos para que ele seja feito com segurança e obtenha os melhores resultados.

Como são aplicados os antiangiogênicos?

Os antiangiogênicos são administrados por meio de uma injeção no olho, sob anestesia local. Esse procedimento é conhecido como injeção intravítrea. Confira o passo a passo:

  • o olho é anestesiado;
  • um pequeno dispositivo chamado blefarostato é posicionado nas pálpebras para prevenir que o paciente pisque durante o procedimento;
  • o especialista injeta o medicamento através da parte branca do olho, utilizando uma agulha bem fina.

A injeção intravítrea dói?

A aplicação do antiangiogênico é muito rápida e praticamente indolor. Alguns pacientes dizem sentir uma pressão no local da injeção.

Quais são os cuidados necessários após a aplicação do antiangiogênico?

Depois da aplicação, basta usar o colírio prescrito pelo médico e evitar esforço físico por alguns dias.

Posso ter algum problema por causa da injeção intravítrea?

Complicações são raras durante a aplicação de antiangiogênicos por profissionais experientes. Pode ocorre um pequeno sangramento no local da injeção e/ou moscas volantes, caracterizadas por pequenos pontos flutuantes na visão. Elas geralmente desaparecem em alguns dias.

O tratamento prolongado com antiangiogênicos pode causar aumento da pressão ocular.

Quantas aplicações são necessárias?

O plano de tratamento é elaborado de acordo com o tipo e a gravidade da doença. A maioria dos pacientes inicia com uma fase de indução composta por três aplicações em intervalos de 30 dias. Depois, é feito um acompanhamento da visão e da espessura foveal para determinar se novas injeções são necessárias. 

Não é possível saber ao certo quantas injeções serão necessárias para cada caso, pois elas não curam, apenas controlam a doença. O efeito de uma aplicação dura em torno de 1 a 2 meses, dependendo do tipo de medicamento.

Posso recuperar totalmente a minha visão com o tratamento?

A maioria das doenças da retina causa danos permanentes e não é possível recuperar totalmente a visão. Porém, sem o tratamento, a perda é mais rápida e irreversível.

Quem não pode ser tratado com antiangiogênicos?

Pessoas com alergia ao medicamento ou com infecção na região ocular não podem ser tratadas com antiangiogênicos. Além disso, esse tipo de tratamento deve ser usado com cautela em pacientes que tiveram infarto ou AVC nos últimos 6 meses, têm angina ou hipertensão arterial descontrolada.

Para saber mais sobre os antiangiogênicos leia: Antiangiogênicos na degeneração macular, diabetes e outras doenças da retina

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Oftalmologia

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *