Cachorro Yorkshire ao ar livre

Dra. Beatriz Terenzi

De pequeno porte, o Yorkshire é brincalhão, fiel, teimoso e um pouco possessivo. Costuma ficar um pouco tímido, ou até mesmo agressivo, perto de estranhos, mas isso logo passa! Tende a latir bastante mas, se for educado desde cedo, esse instinto pode ser controlado. Adapta-se super bem a apartamentos, porém, precisa gastar toda a sua energia diariamente com passeios e brincadeiras dentro de casa.

Origem/história

Esse elegante cãozinho foi batizado com o nome do condado inglês para onde foram milhares de operários escoceses durante a Revolução Industrial. Junto a eles, foram levados cães das raças Clydesdale Terrier e Paisley Terrier, usados para caçar ratos nas minas de carvão e fábricas ocupadas pelos trabalhadores. Com esse intuito, o tamanho do Yorkshire foi gradativa e intencionalmente diminuído, por meio de cruzas com outros Terrier, como o Sky e até com raças como o Maltês.

Porte

Altura: entre 20 e 23 centímetros;

Peso: até 3, 2 kg.

Cor

Azul aço escuro, com rosto e peito castanhos “tan”.

Higiene

Recomenda-se dois banhos mensais.

O Yorkshire deve ser escovado diariamente, de preferência com escova de pinos, principalmente se tiver pêlos compridos. Os nós formados no pêlo devem ser desfeitos com as mãos. O Yorkshire não tem subpelo, então não deve ser totalmente tosado. Os cortes mais populares para a raça são:

  • Corte para competição, com pelos longos;
  • corte higiênico, que corta os pelos das patas, rosto e partes íntimas;
  • corte filhote, pelo mais curto.

Doenças comuns

  • Luxação de patela: comum em raças pequenas. Pode levar à artrite. A partir do grau II, a correção cirúrgica deve ser considerada;
  • Colapso de traquéia: alteração anatômica que causa tosse e engasgos, e torna a respiração difícil, especialmente em momentos de stress ou agitação;
  • Hidrocefalia congênita;
  • Espirro reverso: quando a secreção nasal cai no palato mole, que se fecha, provocando um engasgo. Pode ser aliviado com uma massagem na garganta;
  • Shunt portossistêmico: alteração do fluxo sanguíneo entre o fígado e o restante do corpo. Provoca alterações neurológicas, problemas gastrointestinais, insuficiência urinária, falta de apetite, hipoglicemia e afeta o crescimento, levando a óbito se não for diagnosticado e corrigido;
  • Cardiopatias;
  • Doença periodontal e tártaro;
  • Cistites e cálculos vesicais.

Expectativa de vida

O Yorkshire costuma viver de 12 a 17 anos.

Comportamento

O Yorkshire é brincalhão, fiel, teimoso quando quer algo e um pouco possessivo. Com estranhos, sejam eles cães ou pessoas, fica entre o tímido e o agressivo, mas com o tempo costuma se tornar amigável. Tende a latir bastante, mas se for educado desde cedo, esse instinto pode ser controlado.

Tem forte instinto de caça, adora procurar animais pequenos, objetos e brinquedos. Isso demanda atenção: retire do caminho do Yorkshire objetos de uso importante para você ou que podem ser perigosos para dele. Se entediado então, pode se tornar um triturador impagável. Por isso, é bom mantê-lo entretido, brincar, passear e tentar gastar toda esse energia que ele tem, principalmente quando jovem.

Gosta de atenção, então é importante incluí-lo nas rotinas e atividades da casa.

Alimentação

Até 1 ano, idade em que é considerado filhote, o Yorkshire deve ser alimentado com mais refeições ao longo do dia, em quantidade que vai variar de acordo com o alimento fornecido. Após esse período, pode receber duas ou três refeições diárias, em quantidade adequada para manter seu peso saudável.

Passeio preferido

Energia é o que o Yorkshire mais tem! Então, desde brincadeiras dentro de casa até caminhadas na rua e atividades em espaços abertos, como correr e buscar objetos, tudo é importante para ele se manter saudável e não se entediar.

Espaço ideal

Bastante adaptável a apartamentos e espaços reduzidos, o Yorkshire é uma ótima companhia para quem mora sozinho.

Meu dono ideal

  • sabe que preciso brincar, correr e passear!;
  • entende que gosto de atenção e companhia;
  • percebe que uma dose diária de carinho me faz bem, mas que também preciso de liberdade!;
  • nota que adoro caçar e, por isso, me deixe procurar as coisas!
  • compreende que eu estranho desconhecidos, e que isso não é por mal;
  • sabe que sou um pouco ciumento, mas isso passa!

Gostou do texto? Visite a editoria Saúde do Animal e saiba como manter a saúde do seu melhor amigo. Nossos veterinários e especialistas têm muito para contribuir. Acesse, também, nosso Facebook, Instagram e Twitter para ficar por dentro de tudo sobre o universo pet.