Entorse de tornozelo: causas, sintomas e tratamento

Mulher ajoelhada no chão com as mãos no tornozelo indicando entorse de tornozelo. Ela estava praticando corrida.

Uma entorse de tornozelo ocorre quando, ao virar o pé para dentro ou para fora, os ligamentos que sustentam a articulação são estirados além de seus limites. É uma lesão comum que pode ocorrer em qualquer pessoa, de qualquer idade. Pode, ainda, variar de leve a grave, dependendo de quanto dano os ligamentos sofreram.

Após uma entorse de tornozelo, é indicado repouso e aplicação de gelo. No entanto, se o local estiver muito inchado, dolorido para caminhar, ou houver instabilidade da articulação, é preciso procurar por um ortopedista.

Para saber todos os detalhes sobre a torção no tornozelo, continue conosco.

Causas

A entorse do tornozelo é mais comum durante:

  • a prática de exercícios físicos (principalmente em superfícies irregulares);
  • quedas;
  • atividades físicas como futebol, corrida, vôlei, tênis etc.

Sintomas

Uma entorse de tornozelo, além da dor, costuma ter os seguintes sintomas no local da torção:

  • inchaço;
  • hematoma;
  • sensibilidade ao toque;
  • vermelhidão e calor;
  • instabilidade do tornozelo (especialmente quando houver ruptura completa do ligamento ou luxação da articulação do tornozelo).

Tipos de torção no tornozelo

As entorses de tornozelo são classificadas de acordo com a sua gravidade. Sendo assim, elas podem ser:

  • leves (grau I) – é quando os ligamentos estão alongados, porém, não rompidos. Apesar da dor e rigidez no tornozelo, ele ainda parece estável;
  • moderados (grau II) – ocorre quando um ou mais ligamentos são parcialmente rompidos. Nesse caso, o inchaço e a dor são moderados e é possível movimentar a articulação;
  • graves (grau III) – aqui, um ou mais ligamentos estão totalmente rompidos e o tornozelo se torna instável. A pessoa sente muita dor e não consegue mover o pé.

Como uma entorse de tornozelo é diagnosticada?

O ortopedista, inicialmente, fará um exame físico para determinar quais ligamentos foram rompidos. Durante esse processo, o médico pode mover a articulação do tornozelo de várias maneiras para verificar sua amplitude de movimento.

Depois, alguns exames de imagem (como raio-x ou ressonância magnética) podem ser solicitados.

Tratamento

A maioria das entorses de tornozelo podem ser tratadas sem cirurgia, em três fases:

  1. Repouso, proteção do tornozelo e redução do inchaço: aplicação de gelo 3 vezes ao dia, elevação do tornozelo acima do nível do coração, curativos de compressão ou botas ortopédicas para imobilizar a região e, medicamentos anti-inflamatórios para controlar a dor e o inchaço;
  2. Restauração da amplitude do movimento, força e flexibilidade da região: fisioterapia e exercícios de fortalecimento;
  3. Exercícios de manutenção e o retorno gradual às atividades físicas.

Esse processo, a depender da gravidade da situação, pode levar de 2 até 12 semanas. Caso a lesão não responda ao tratamento clínico, o próximo passo é a cirurgia. As principais opções incluem artroscopia (para a remoção de fragmentos soltos de ossos ou cartilagem) ou reconstrução (para reparar o ligamento rompido com pontos ou suturas).

E, por fim…

O resultado do tratamento das entorses de tornozelo são geralmente bons. Tudo depende do compromisso do paciente para seguir as recomendações de sua equipe médica.

E lembre-se: uma reabilitação incompleta é a causa mais comum de instabilidade crônica do tornozelo após uma entorse. Se um paciente interrompe os exercícios de fortalecimento, o ligamento lesado volta a enfraquecer e, portanto, coloca o paciente em risco de torções recorrentes.

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! No mais, cuide-se bem e até a próxima!

Ortopedia

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital das Clinicas. Diretor do CMH medicina hospitalar. Foi diretor e presidente do Hospital Semper, Unimed e Amil. É membro da Academia Mineira de Medicina desde 2009.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *