Endometriose: o que é e como lidar com ela?

mulher com as mãos na lombar e no abdomen indicando dor nessas regiões proveniente da endometriose

A endometriose é uma condição em que um tecido semelhante ao endométrio, que reveste internamente o útero, é encontrado em locais anormais, especialmente nos ovários, tubas uterinas, peritônio, bexiga e intestino.

Ela ocorre em 10% das mulheres em idade reprodutiva (15 a 49 anos), que apresentam principalmente dor pélvica e infertilidade.
A principal complicação da endometriose é a infertilidade, que ocorre em mais de 30% das pacientes.

Tipos de endometriose

  1. Superficial: acomete a superfície dos órgãos e do peritônio (tecido que reveste internamente o abdome e a pelve);
  2. Infiltrativa: lesões profundas na parede do intestino, bexiga, diafragma e outros órgãos;
  3. Cistos ovarianos (endometriomas).

Causas da endometriose

As causas da endometriose são desconhecidas, porém diversos fatores genéticos, imunológicos e ambientais estão associados ao seu desenvolvimento.

Seus principais fatores de risco são:

  • etnia asiática;
  • exposição prolongada a estrógeno: menarca precoce (<12 anos), ciclos menstruais curtos (<26 dias) e menopausa tardia;
  • ausência de gravidez;
  • índice de massa corporal (IMC) baixo;
  • anormalidades do trato reprodutivo;
  • história familiar de endometriose.

As mulheres com endometriose também apresentam maior risco para outras doenças como: doenças autoimunes, psiquiátricas, parto prematuro, síndrome metabólica, doença cardiovascular, câncer de ovário, de mama e melanoma.

O que acontece no corpo de uma mulher com endometriose?

A primeira e principal característica na endometriose é a inflamação crônica. A presença do endométrio em outros locais, que não o útero, desencadeia uma reação tipo “corpo estranho”, em que o organismo tenta eliminar o tecido anormal.
Outro detalhe importante é que o tecido ectópico responde aos hormônios, especialmente ao estrógeno, da mesma forma que o endométrio normal. Ocorre espessamento e sangramento, porém, diferente do que ocorre no útero, o endométrio nesses locais atípicos não consegue ser eliminado. O tecido se inflama e, eventualmente, formam-se cicatrizes e aderências.

Sintomas de endometriose

  • Dismenorreia (dor pélvica, cólicas menstruais, dor lombar e abdominal antes e durante a menstruação);
  • dor durante o ato sexual;
  • dor ao urinar ou defecar;
  • sangramento menstrual intenso;
  • infertilidade;
  • fadiga;
  • diarreia ou constipação;
  • flatulência (gases);
  • náuseas.

Infertilidade

A consequência mais comum da endometriose são os problemas na fertilidade, que acometem 30 a 40% das pacientes. O mecanismo para que isso ocorra ainda não foi totalmente elucidado.
No caso da endometriose localizada nas tubas uterinas, pode ocorrer uma obstrução mecânica que impede o óvulo de chegar até o útero para ser fecundado. Porém, isso não explica todos os casos de infertilidade, pois o acometimento tubário é incomum.
Acredita-se que a endometriose cause também alterações na qualidade dos óvulos e na receptividade do útero após a fecundação.

Diagnóstico

O diagnóstico da endometriose se baseia na avaliação clínica e exames de imagem:

  • ultrassom abdominal e transvaginal;
  • ressonância magnética;
  • laparoscopia.

Tratamento

Não existe cura para a endometriose. O tratamento com medicamentos, embora consiga aliviar os sintomas, geralmente não pode ser utilizado por períodos prolongados devido aos possíveis efeitos colaterais.
Os mais utilizados são:

  • anti-inflamatórios não esteroides;
  • terapia hormonal:
    • contraceptivos orais, adesivos e outros;
    • agonistas e antagonistas do Gn-RH (hormônio liberador de gonadotrofinas);
    • terapia com progesterona (DIU, implantes, injeções ou pílulas);
    • inibidores da aromatase (reduzem a quantidade de estrógeno no organismo).

Tratamento cirúrgico da endometriose

A cirurgia na endometriose tem o objetivo de remover as lesões e cicatrizes, melhorar a anatomia e eliminar inflamação.
A cirurgia é feita, na maioria dos casos, por meio de laparoscopia. Atualmente, ela é indicada nos casos de dor intensa, endometriomas grandes ou suspeita de malignidade.

Qualidade de vida e endometriose

A dor crônica provocada pela endometriose causa alterações psicológicas e sociais importantes.
O diagnóstico e tratamento precoces são essenciais para prevenir as complicações e possibilitar uma melhor qualidade de vida para as pacientes.

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Ginecologia

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *