Doença inflamatória intestinal: como seu estilo de vida pode influenciá-la?

Adolescente sentada em sua cama com as mãos sobre a barriga, a coluna curvada e um alvo vermelho sobre suas mãos e barriga indicando que ela tem doença inflamatória intestinal

Não há firme evidência de que o que você come possa verdadeiramente causar Doença Inflamatória Intestinal (DII). Mas certos alimentos ou bebidas podem agravar os seus sintomas, especialmente durante a recorrência da doença.

Algumas pessoas com colite ulcerativa necessitam restringir sua dieta todo o tempo, outras somente por algum tempo. Para um número reduzido de pacientes, a dieta não faz nenhuma diferença.

Assim, lembre-se que cada pessoa pode apresentar uma intolerância alimentar diferente e, portanto, não há uma dieta rígida a ser seguida.

Como acontece com todos nós, a alimentação e o estilo de vida podem fazer toda a diferença, principalmente na saúde das pessoas com retocolite.

É uma boa ideia tentar eliminar de sua dieta qualquer coisa que possa piorar os seus sintomas. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar:

  • limite o leite e seus derivados: da mesma forma que muitas pessoas com DII, você pode notar que alguns sintomas como diarreia, dor abdominal e gás melhoram quando você limita ou elimina leite e derivados. Se isso acontecer, você provavelmente tem intolerância à lactose – ou seja, o seu organismo não pode digerir o açúcar do leite.

Sendo assim, tente substituir o leite e derivados por iogurte ou queijos com pouca lactose como o Swiss e o Cheddar. Ou então use um produto que contenha a enzima lactase como o Lactaid, que ajuda a quebrar (digerir) a lactose.

Em alguns casos, entretanto, você deve eliminar qualquer leite e produto derivado. Preste atenção em seu intestino:

  • consuma alimentos com pouca gordura – a passagem de gordura pelo intestino costuma piorar a diarreia. Alimentos que podem ser especialmente problemáticos incluem manteiga, margarina, creme de amendoim, nozes, maionese, abacate, nata, sorvete, frituras, chocolate e carne vermelha. Mas lembre-se: isso é muito individual.
  • experimente reduzir as fibras da dieta – para muitas pessoas, alimentos ricos em fibra como frutas, vegetais e grãos integrais são a base para uma dieta saudável. Mas se você tem DII, as fibras podem fazer com que a diarreia, a dor e os gazes piorem.

Se as frutas e os vegetais crus incomodam, você pode consumi-los cozidos ou assados. É interessante, também, notar o seu nível de tolerância para alguns tipos de frutas e vegetais.

Normalmente, pode haver mais problemas com os vegetais da família dos crucíferos como a couve, o repolho, o brócolis e a couve-flor, e com alimentos muito crocantes como maçã e cenoura crua.

  • Experimente proteína: para algumas pessoas, uma dieta rica em proteína, tal como carne magra, frango, peixe e ovos, pode ajudar a melhorar os sintomas de DII.
  • Evite alimentos “problemáticos: elimine qualquer outro alimento que possa piorar os seus sintomas. Entre estes podem estar aqueles mais “gasosos” como feijão, couve e brócolis, frutas e suco de frutas cruas – especialmente frutas cítricas –, alimentos condimentados, pipoca, álcool e cafeína.
  • Faça pequenas refeições: você pode se sentir melhor fazendo 5 ou 6 pequenas refeições do que 2 ou 3 copiosas. Beba de 8 a 10 copos de líquidos por dia e dê preferência à água. Álcool e bebidas que contêm cafeína estimulam o seu intestino e podem piorar a diarreia, enquanto bebidas carbonatadas frequentemente produzem gases.

Se você começar a perder peso ou se a sua dieta ficar muito limitada, fale com um nutricionista.

Sobre as fibras:

Existem dois tipos de fibras: solúveis (devem ser consumidas) e insolúveis (devem ser evitadas em pessoas com retocolite).

Insolúveis: pães integrais, casca de maça e uva, pipoca, farelo de trigo, brócolis, repolho, etc. Não são digeridas e chegam ao cólon intactas, podendo aderir à mucosa inflamada e agravar os sintomas.

De modo geral, tudo que chega às fezes em partículas não digeridas é considerado fibra insolúvel.

Solúveis: corpo das frutas (maça e pêra), vegetais cozidos (batata e cenoura), arroz. Podem até ajudar na colite.

Óleo de peixe: benéficos para a colite (sardinhas principalmente).

Sobre o estresse

Embora o estresse não cause DII, ele pode fazer com que seus sintomas fiquem muito piores e desencadear uma recaída. Eventos estressantes podem ser desde uma pequena incomodação até algo pior.

Quando você está sob estresse, seu processo digestivo normal muda. O estômago se esvazia mais lentamente e secreta mais ácido. Além disso, ele ainda costuma acelerar ou diminuir a passagem de fezes através do intestino. Isso, por si só, causa sérias mudanças em todo o tecido intestinal.

Embora nem sempre seja possível evitar o estresse, você pode aprender técnicas que ajudem a manejá-lo. Algumas dessas estratégias incluem:

  • exercício físico: ajuda a reduzir estresse, aliviar a depressão e normalizar a função do intestino.
  • yoga, hipnose, meditação, controle da respiração e artes marciais: são algumas das atividades mais praticadas por pessoas com retocolite e ajudam muito no controle da doença.

Resumindo…

Aprender a evitar alimentos pode lhe dar um melhor controle de sua doença e permitir maior liberdade para desfrutar de uma vida ativa.

Apesar de o fato de não haver nenhuma prova científica, muitas pessoas com colite ulcerativa descobriram que um ou mais dos seguintes alimentos podem desencadear seus sintomas:

  • álcool;
  • cafeína;
  • bebidas carbonatadas;
  • produtos lácteos (leite integral, leite condensado, creme de leite, leite achocolatado, queijos amarelos – mussarela e prato-, parmesão, cheddar, roquefort; margarina e manteiga);
  • feijão, ervilha e legumes;
  • frutas secas, bagas, frutos com polpa ou sementes;
  • alimentos que contenham enxofre ou sulfato;
  • alimentos ricos em fibras, incluindo grãos integrais;
  • molho picante, pimenta e condimentos (páprica, orégano, pimenta-do-reino, pimentas, mostarda, ketchup);
  • carnes;
  • nozes, crocante manteigas de porca;
  • pipoca;
  • produtos de goma contendo sorbitol (sem açúcar e doces);
  • vegetais crus e verduras folhosas;
  • açúcar refinado;
  • sementes;
  • alimentos condimentados, molhos;
  • açúcar em grande quantidade e certos doces (goiabada, marmelada e chocolates);

São alimentos que normalmente não causam “problemas” nas pessoas com DII:

  • Carne magra, peixes (sem a pele), aves (sem a pele).
  • Leites especiais: Modulen® (Nestlé) ou Elegê® (Elegê Alimentos), com baixos teores de lactose.
  • Pão francês, pão de forma, broa de milho, torradas e bolachas não-recheadas.
  • Frutas (maçã, pêra, goiaba – todas sem a casca –, banana-maçã, banana-nanica, caju, limão) podem ser ingeridas cruas ou cozidas (como compota) ou na forma de seus respectivos sucos.
  • Legumes (cenoura, chuchu, abobrinha) devem ser ingeridos cozidos.
  • Féculas (batata, cará, inhame, mandioquinha e mandioca) devem ser ingeridas cozidas.
  • Leguminosas (feijão, ervilha, grão-de-bico, lentilha e soja) devem ser ingeridos somente seus respectivos caldos.
  • Doces: de preferência os dietéticos, que não contêm açúcar.
  • Ovo: mexido, pochê, cozido, omelete.
  • Cereais: arroz refinado, macarrão com molho sem condimentos.
  • Diversos: sal, temperos naturais, vinagre.
  • Bebidas: água, chá, café, limonada.

Dica de livros sobre “dietas” para retocolite: www.colitiscookbook.com

Para mais listas de alimentos:
www.crohnszone.org/lowfibre.html
www.ulcerativecolitis.org.uk

 

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Gastroenterologia

Médico, especialista em Pediatria, Gastroenterologia e Nutrologia pediátrica. Proprietário da MV clínica pediátrica, em Belo Horizonte.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *