Cachorro tendo sangue retirado por veterinário enquanto sua dona o segura

Dra. Maria de Lourdes

A doação de sangue tem muita importância para os animais porque ela pode salvar vidas! O procedimento é muito parecido com a doação de humanos: indolor, rápido e não traz nenhum sofrimento ou dano para a saúde do pet.

Uma bolsa de sangue doada possibilita, com seu fracionamento, atender a três pacientes com demandas de urgências diferentes.

Quem pode doar

Antes de doar, seu cão ou gato passam por uma detalhada avaliação médica e laboratorial. A doação só é realizada se ele estiver em boas condições.

O volume coletado não fará falta ao doador. O organismo se encarrega, rapidamente, de sua reposição. O material utilizado no laboratório é descartável, evitando riscos de transmissão de doenças.

O cão em condições de doar sangue precisa:

  • Ter um temperamento dócil;
  • Gozar de boa saúde;
  • Possuir peso acima de 23 kg;
  • Ter idade entre 1 e 8 anos;
  • Ser castrado, de preferência;
  • Não ter recebido transfusão de sangue anteriormente.

O gato em condições de doar sangue precisa:

  • Ter temperamento dócil;
  • Gozar de boa saúde;
  • Possuir peso acima de 4,5 kg;
  • Ter a idade entre 1 e 8 anos;
  • Ser castrado, de preferência.

O animal deve estar alimentado antes da doação e pode consumir água e ração calórica logo após o procedimento. Apenas em 24 horas após a doação, ele já estará apto a fazer exercícios.

O período entre cada doação deve ser de 4 a 5 semanas.

Como acontece a doação?

  • Antes é realizada uma pequena tricotomia – retirada dos pelos – e limpeza no local;
  • Caso o animal seja muito agitado, ele pode ser sedado para doar;
  • A coleta de sangue é realizada na veia jugular, localizada no pescoço;
  • Durante o processo, ele é constantemente monitorado: pulso, frequência cardíaca e coloração de mucosas;
  • A doação dura entre 15 a 20 minutos.

O sangue doado é recolhido em bolsas próprias, iguais às usadas com humanos, e é processado dentro de 24 horas em laboratório.

A partir de uma unidade de sangue inteiro doado, são produzidas 3 unidades distintas de componentes sanguíneos: concentrado de hemácias, plasma rico em plaquetas e plasma congelado. Essa separação evita o desperdício de sangue, direcionando para o animal doente apenas o componente sanguíneo que ele precisa.

Quando o animal precisa de doação de sangue?

Em diversas situações: procedimentos cirúrgicos, acidentes, traumas fortes, sangramentos excessivos,
envenenamentos, choques e várias doenças. Dependendo do caso, o animal precisará do sangue total, ou de um hemocomponente:

SANGUE TOTAL

Estocado:

  • Anemia hipovolêmica

Fresco:

  • Disfunção hemostática;
  • Coagulopatia.

CONCENTRADO DE HEMÁCIAS (CH)

  • A
  • Anemia;
  • Insuficiência renal crônica;
  • Hemoparasitoses (Erliquiose,Babesiose,Anaplasmose);
  • Anemias hemolíticas;
  • Neoplasias;
  • Hepatopatias.

Graças a uma solução conservante, esse concentrado pode ser armazenado no frigorífico em até no máximo 6 semanas (2 a 6ºC). Para ser administrado, o componente não precisa ser submetido a banho-maria.

O tempo de administração é de até 4 horas.

PLASMA FRESCO CONGELADO (PFC)

  • Coagulopatias hereditárias;
  • Hepatopatias;
  • Envenenamento por dicumarínicos;
  • Pancreatites;
  • Expansor agudo de volume na ausência de colóides sintéticos;
  • Hipoproteinemias;
  • Hipoglobulinemias;
  • Parvovirose;
  • Nefripatias;
  • Gastroenterites;
  • Pressão oncótica plasmática reduzida (efusão pleural, edema pulmonar).

Plasmas são congelados e têm validade de até 1 ano. Antes de ser administrado, deve ser submetido a banho-maria para descongelamento.

O tempo de administração é de 1 hora.

CONCENTRADO DE PLAQUETAS (CP)

  • Trombocitopenia;
  • Recuperação de tecidos ósseos.

Plaquetas ficam a temperatura ambiente em agitação constante até o máximo de 5 dias. Depois desse período são ultracongeladas.

O tempo de administração é de cerca de 1 hora e deve ser monitorada, visando o risco de reações transfusionais.

Os tipos sanguíneos dos animais

Gatos

Os felinos têm três grupos sanguíneos: Tipo A, Tipo B e Tipo AB.

Tipo A: gatos com sangue Tipo A possuem baixos níveis de anticorpos Anti B. Assim, eles apresentarão apenas uma leve reação se receberem sangue Tipo B.
Porém, como a sobrevida das hemácias recebidas é de dois dias, no caso de uma segunda transfusão do sangue incompatível, eles poderão desenvolver reação séria.
Tipo B: gatos Tipo B só podem receber sangue do mesmo tipo sanguíneo. Possuem uma grande quantidade de anticorpos Anti A. Então, se receberem o tipo de sangue incompatível, podem apresentar imediatamente gravíssima reação anafilática sistêmica, na maioria das vezes fatal. Esse tipo sanguíneo é raro de ser encontrado.
Tipo AB: podem receber qualquer tipo de sangue.
A tipagem sanguínea em gatos é também importante na tomada de decisões sobre cruzamentos. Grupos sanguíneos nos bichanos são herdados como traços autossômicos simples.

Cães

Já foram descritos mais de uma dúzia de grupos sanguíneos em cães. O maior é o tipo DEA.

Cães com sangue tipo DEA + só podem doar sangue para cães do mesmo grupo. Caso recebam sangue de tipo incompatível, podem sofrer reação transfusional hemolítica aguda.

Já animais com sangue tipo DEA – podem doar sangue tanto para DEA + como para DEA –.
Felizmente, o tipo DEA –, doador universal, é encontrado em muitos doadores.

VETHEM

O Banco de Sangue Veterinário VETHEM, começou a ser desenvolvido no Santo Agostinho Hospital Veterinário em 2010. Surgiu da necessidade de salvar vidas de animais em situações emergenciais, auxiliando substancialmente os médicos veterinários com técnicas e protocolos para realização de transfusões seguras, praticando medicina transfusional veterinária de excelência.

Outra motivação do hospital é eliminar uma prática lamentável adotada em algumas instituições: a de manter animais morando em clínicas à constante disposição para doações emergenciais. Essa medida desrespeita intervalos seguros entre as doações e coloca em risco a saúde do animal doador.

Além de atender a demanda do Hospital Veterinário Santo Agostinho, o sangue doado para o banco VETHEM é repassado também a outros hospitais a valores de custo. Infelizmente, a adesão ainda é aquém do necessário e muitas vezes o banco atua com estoque mínimo.

A situação endêmica de leishmaniose no país é um grave dificultador para a participação de cães. O Brasil responde por 90% dos casos de leishmaniose da América Latina.

Doação em troca de atendimento veterinário

O VETHEM realiza um projeto interessante que contribui para a manutenção do banco e propicia qualidade de vida dos doadores. O cão ou gato doador recebe benefícios no atendimento gratuito no Hospital, com check-ups de rotina e exames.

Em troca, o dono compromete a disponibilizar seu animal para doações regulares, seguras e respeitando o tempo ideal entre os processos.

Vantagens

  • Testes anuais gratuitos contra as seguintes doenças infecciosas:
    • Cão: Dirofilaria immitis, Ehrlichia canis, Babesia canis, Leishmania sp. e Anaplasma
    • Gato: FIV, FeIV
  • Painel bioquímico anual gratuito: proteínas totais, ureia, ALT, FA e glicose;
  • Hemograma completo e análise do esfregaço sanguíneo anual gratuito;
  • Tipificação de sangue gratuita;
  • Colocação de microchip gratuita;
  • Exame físico geral antes de cada doação;
  • Vacinações anuais gratuitas.
    • Cão: esgana, parvovirose, hepatite infecciosa canina, parainfluenza, leptospirose e raiva;
    • Gato: panleucopénia felina, Rinotraqueite e Calicivírus;
  • Exame físico geral antes de cada doação;

Contrapartidas

  • Disponibilidade para realizar doações de sangue de 3 em 3 meses, podendo, por vezes, ser contactado em situações de urgência;
  • Alertar o médico veterinário para qualquer alteração do seu estado de saúde;
  • Garantir uma boa alimentação e um ambiente limpo e saudável;
  • Desparasitar contra parasitas internos de 6 em 6 meses e contra parasitas externos uma vez por mês;
  • Permitir a realização de análises sanguíneas anualmente.

O projeto é parceiro de cinco unidades prisionais da grande Belo Horizonte, mantendo vacinados e com exames em dia os cães que trabalham nos presídios, em troca de doações de sangue.

Também são atendidos cães da Guarda Municipal de Belo Horizonte, Contagem e Betim.

Vários dos animais doadores pertencem a pessoas de baixa renda. A participação como doadores garante a esses pets plena rotina de consultas, vacinações e exames de avaliação sem custos.

Em vários casos, tutores se conscientizam da importância da doação de sangue após presenciarem seu animal passando por uma situação emergencial de transfusão e acabam aderindo ao projeto.

Interessados podem entrar em contato com o VETHEM ligando para o Hospital Veterinário Santo Agostinho e por meio do site https://www.sahv.com.br

Quer ler mais conteúdos como esse? Fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!