Cachorro triste olhando pra trás no colo do dono

Um cão idoso pode sofrer alterações de comportamento como irritabilidade, desorientação e confusão. Isso ocorre devido a alterações cerebrais que afetam a memória, o aprendizado e a compreensão. Não devemos ignorar estes sintomas ou atribuí-los apenas à senilidade. Em muitos casos, o tratamento pode melhorar o quadro e a qualidade de vida do animal.

Quais os sinais de demência nos cães?

Os sinais de demência canina podem ser de cinco tipos:

  • Desorientação: o cão procura uma porta no local errado, perambula pela casa como se estivesse perdido, anda em círculos, late para objetos ou plantas e se esquece onde ficam as vasilhas de água e comida.
  • Alteração nas relações sociais: a interação com humanos e outros animais diminui e ele pode ficar irritado ou agressivo com eles. Muitas vezes demora ou não responde a comandos que antes conhecia e perde o interesse pelas brincadeiras. Pode passar horas olhando para o vazio, ausente.
  • Esquecer os hábitos treinados: o cão antes treinado pode agora ter “acidentes”, fazendo suas necessidades pela casa. Eles podem se esquecer de comer ou de que acabaram de comer, pedindo comida novamente.
  • Alteração no padrão de sono e vigília: durante a noite o cão fica agitado, levanta-se e late sem motivo. É comum o cão dormir mais horas durante o dia.
  • Sinais de ansiedade: apreensão, gemidos, latidos, tremores sem motivo.

Quer dizer que um cachorro pode ter Alzheimer?

As alterações degenerativas observadas no cérebro de cães com demência senil são semelhantes às observadas nos pacientes humanos na fase inicial do Alzheimer. A doença no cão é chamada de Disfunção cognitiva canina (DCC).

Os sinais podem começar a partir dos 6 anos de idade, mas se tornam mais evidentes a partir de 11. Aproximadamente 66% dos cães acima de 14 anos apresentam sinais de DCC e este risco é maior em fêmeas castradas.

O que causa o Alzheimer canino?

Como no Alzheimer humano, as causas são desconhecidas. Observam-se alterações físicas e químicas no cérebro como acúmulo de proteínas, formação de placas amilóides e deficiência de dopamina.

Diagnóstico

Um cão mostrando sinais de demência deve ser avaliado por um veterinário para que sejam excluídos outros problemas de saúde como:

O veterinário irá realizar um exame neurológico completo e poderá pedir exames laboratoriais e de imagem para excluir outras possíveis causas. Um questionário também pode ser aplicado para avaliação das mudanças de comportamento que são observadas em casa.

Tratamento

Não existe cura para a demência em cães e ela tende a progredir com o tempo. Os tratamentos são indicados com a intenção de retardar essa evolução e atenuar os sinais clínicos. Podem ser indicados medicamentos que aumentam o fluxo sanguíneo no cérebro e aumentam a ação da dopamina. Porém, eles não são eficazes em todos os casos.

Alguns cuidados são importantes para manter a qualidade de vida e conforto do animal, como:

  • alimentação apropriada para a espécie, balanceada e rica em ômega 3;
  • manter uma rotina de brincadeiras que proporcionem estímulo mental e cognitivo, e favoreçam a interação com o tutor (enriquecimento ambiental);
  • alimentá-lo em horários regulares;
  • manter uma rotina diária de exercícios como passeios curtos;
  • manter um peso saudável;
  • manter uma boa saúde bucal;
  • insistir em ensinar os comandos e rotinas básicas de higiene, porém, manter as ordens simples;
  • não gritar ou ser agressivo com o cão quando ele tiver um acidente;
  • não deixar o animal sozinho por longos períodos de tempo;
  • evitar mudar os móveis, a cama e as vasilhas do cão de lugar;
  • suplementação com antioxidantes, S-Adenosil-Metionina, fosfatidilserina, ginkgo biloba, resveratrol, piridoxina, vitamina E e melatonina, de acordo com a orientação do veterinário.

Se seu cão apresenta alterações de comportamento, procure o veterinário responsável. O diagnóstico precoce de demência em cães é importante para se tentar retardar o processo da doença e oferecer a melhor qualidade de vida possível para o animal.

Gostou do texto? O Hospital Santo Agostinho e o Portal Convite à Saúde trabalham juntos para trazer informações importantes sobre o seu bichinho para você!

Visite a editoria Saúde do Animal e saiba como manter a saúde do seu melhor amigo. Nossos veterinários têm muito para contribuir. Acesse, também, nosso Facebook e Instagram para ficar por dentro de tudo sobre o universo pet.