Raios X de mãos com os dedos indicadores flexionados com dor por causa do dedo em gatilho

Dr. Emerson Fidelis

Também conhecido como tenossinovite estenosante, o dedo em gatilho é uma condição que faz com que os dedos da mão travem quando são dobrados. Isso acontece devido a uma inflamação nos tendões responsáveis pela flexão destes, que reduz o espaço dentro da bainha que os circunda e dificulta o movimento.

Costuma afetar mais frequente o anular e o polegar, mas pode ocorrer em qualquer um dos dedos. A sensação é de rigidez e bloqueio/travamento quando você os dobra ou estende. Durante o movimento, inclusive, podem ocorrer estalos, simulando o som de um gatilho quando puxado ou liberado.

Esse quadro pode, ainda, limitar bastante o movimento dos dedos e, quando grave, os mantêm na posição dobrada.

Para entender melhor como a tenossinovite estenosante acontece, e saber como preveni-la/tratá-la, continue conosco!

Afinal: o que causa o dedo em gatilho?

Para entender melhor como o dedo em gatilho ocorre, é preciso antes ter uma visão geral da anatomia das mãos. Assim, tudo fica mais fácil. Vamos lá?

Os tendões flexores das mãos são estruturas longas, em forma de cordão, que ligam os músculos do antebraço aos ossos dos dedos. Quando estes músculos se contraem, os tendões permitem que os dedos sejam dobrados. É só fazer o teste: já percebeu que, ao fazer o movimento de uma garra, por exemplo, é possível sentir a contração destes músculos?

Pois bem. Cada um dos tendões flexores passa por um túnel no punho, na palma da mão e nos dedos, o que lhes permite deslizar suavemente à medida que o dedo se dobra e se estende. Esse túnel é chamado de “bainha do tendão”.

Agora sim: o que causa, então, tenossinovite estenosante

Quando a bainha do tendão se estreita (devido a uma irritação, inflamação ou inchaço), o próprio tendão não consegue se mover com facilidade. Em outras palavras, os dedos, ao serem flexionados, puxam o tendão através da bainha. Esta, por estar estreitada, dificulta o movimento e provoca, ocasionalmente, os estalos.

Além disso, o próprio tendão, ao deslizar por esse túnel estreito, também se inflama, restringindo ainda mais o movimento. Isso faz com que seu dedo tenda a ficar na posição dobrada e dificulta a sua extensão.

Na maioria das vezes, o dedo em gatilho provém de um movimento repetido, ou do uso forçado de seus dedos ou polegares.

Quem tem mais propensão a ter o dedo em gatilho?

São alguns fatores de risco associados à tenossinovite estenosante:

  • ter entre 40 e 60 anos;
  • ser mulher (apesar de, mesmo com menor frequência, acontecer com homens também);
  • ser diabético(a);
  • sofrer de hipotireoidismo;
  • ter artrite reumatóide ou gota;
  • já ter passado por uma cirurgia para a síndrome do túnel carpo;
  • executar atividades repetitivas que esticam as mãos, como tocar algum instrumento musical.

Diagnóstico

Um médico geralmente realiza o diagnóstico do dedo em gatilho por meio de exames físicos e algumas perguntas simples sobre o histórico do paciente. O profissional pode, também, fazer um pedido de raio-x ou outro exame de imagem.

Afinal: o dedo em gatilho tem cura?

O tratamento da tenossinovite estenosante varia de paciente para paciente. Tudo dependendo da gravidade do quadro e sua duração.

São algumas alternativas para controlar o dedo em gatilho:

  • medicamentos: antiinflamatórios não esteróides costumam aliviar a dor que a tenossinovite estenosante provoca. Porém, muitas vezes não são capazes de tratar a inflamação por completo.
  • fisioterapia: alguns exercícios suaves de alongamento podem ajudar na manutenção do movimento dos dedos;
  • tala: o médico pode prescrever o uso de uma tala à noite para manter o dedo afetado em posição estendida;
  • procedimentos cirúrgicos: se os sintomas forem graves, ou as alternativas acima não funcionarem, pode ser que o médico sugira alguns procedimentos como injeção de corticosteróides (para reduzir a inflamação da bainha do tendão), liberação cirúrgica etc.

No mais, se você por acaso desconfiar de que possa estar com o dedo em gatilho, ou estiver sentindo muita dor ao flexionar os dedos, não hesite em procurar a ajuda de um ortopedista, combinado? Só ele saberá fornecer o diagnóstico e tratamento corretos.

Gostou do Texto? Para ler mais conteúdos como esse, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!