Criança em um consultório médico tendo sua altura media por uma pediatra para poder acompanhar o seu crescimento

Dra. Katia dos Santos assinatura

Conseguir entender e acompanhar as fases do crescimento infantil é um dos maiores desejos dos pais (sejam eles de primeira viagem ou não).

Afinal: como saber se os pequenos estão crescendo bem? Existem valores de referência para isso?

Bem… as respostas para todas essas dúvidas, assim como várias outros fatos e curiosidades sobre o crescimento infantil, estão aqui! Então, para saber tudo sobre o assunto, continue conosco.

Primeiramente: o que são crescimento e desenvolvimento?

O crescimento diz respeito às mudanças físicas do nosso corpo ao longo da infância e adolescência. São alguns exemplos:

  • mudanças na altura;
  • alterações no peso;
  • amadurecimento de órgãos e sistemas do corpo;
  • crescimento dos dentes, unhas e cabelos.

O desenvolvimento, por sua vez, refere-se às novas capacidades que o pequeno vai adquirindo ao longo do tempo, como firmar a cabeça, sentar-se, andar, falar, cantar etc.

Vale ressaltar que é completamente possível que uma criança tenha um crescimento normal, porém com atraso no desenvolvimento (acontece em condições neurológicas como autismo, síndrome de Down etc). De forma inversa, ocorrem atrasos no crescimento com desenvolvimento normal (como ocorre, por exemplo, no nanismo).

Então, como saber se meu filho está crescendo bem?

Não existe uma “receita pronta” para o crescimento infantil. Afinal, cada criança é única em todos os sentidos, desde as condições de saúde até mesmo as socioeconômicas.

Porém, existem curvas e gráficos que podem ser usados como referência tanto por profissionais de saúde, quanto pelos pais, para saber se aquele “ser humaninho” está atingindo as metas esperadas para a fase em que ele se encontra.

Fases do crescimento infantil?

O crescimento infantil pode ser dividido em três fases:

  • lactente (dos 0 a 3 anos);
  • pré-puberal (dos 3 até o início da puberdade, que acontece entre os 8 e 13 anos nas meninas e entre 9 e 14 anos nos meninos);
  • puberal (diz respeito ao período da adolescência, ou seja, do início da puberdade aos 19 anos).

1. Lactente

Os primeiros anos de um bebê costumam ser os mais assustadores para os pais (principalmente os de primeira viagem). Isso acontece porque ele passa por DIVERSAS mudanças importantes.

Para se ter ideia, aí vão alguns dos pontos mais comuns que ocorrem nesse período da vida de um pequeno:

  • perda de 5 a 10% do peso logo após o nascimento, com recuperação ao longo da segunda semana;
  • ganho de peso acelerado (atingindo o dobro do que era ao nascimento) entre os 4 e 6 meses, triplicando aos 12 meses e quadruplicando aos 2 anos;
  • crescimento rápido (alcançando 25 cm) no primeiro ano, seguido de uma diminuição do ritmo no segundo ano de vida (12 – 15 cm).

E o que você pode fazer para garantir que tudo ocorra da melhor forma possível?

2. Pré-puberal

Aqui, ponto principal a se observar é que, durante todo o período pré-puberal, o indivíduo costuma crescer em ritmo constante: 8 cm no terceiro ano de vida e 5 cm por ano dos quatro anos até a puberdade.

Atenção: a criança pode apresentar variações na velocidade de crescimento. O importante é conferir o montante final a cada 12 meses.

Porém, é importante ressaltar que cada pequeno é único. Apesar de existirem padrões, sair um pouco da curva não é completamente anormal. É por isso que o acompanhamento regular com o pediatra é tão importante. Afinal, só ele saberá dizer, com certeza, se o crescimento do pequeno está adequado para a idade.

No mais, alguns outros aspectos do crescimento infantil já podem ser observados e analisados de acordo com alguns padrões. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) disponibiliza, em seu site, uma série de gráficos com valores de referência que variam desde o sexo, o peso e a altura da criança, até o aparecimento de algumas condições neurológicas. Para acessá-los, basta clicar aqui.

E o que você pode fazer para garantir que tudo ocorra da melhor forma possível?

3. Puberal

Na fase da puberdade, as mudanças são rápidas e significativas. O padrão de crescimento nesse período é de 8 a 14 cm/ano, podendo ter vários picos que, algumas vezes, podem até ser “irregulares”, deixando o jovem com uma aparência bastante desajeitada.

Porém, o principal aspecto do crescimento na fase puberal é a sua relação com a sexualidade. Afinal, é quando:

  • os pêlos pubianos e axilares começam a crescer;
  • os órgãos sexuais crescem e se desenvolvem;
  • a menstruação, para as meninas, começa;
  • a montanha russa de hormônios se instala, produzindo acne, irritabilidade, alterações no sono e emoções conflitantes.

No mais, vale ressaltar que o crescimento relativo a essa fase costuma se encerrar aos 15 anos para as meninas e aos 16/17 anos para os meninos.

Para acompanhar outros padrões para além da altura e desenvolvimento da sexualidade, consulte os gráficos da SBP.

E o que você pode fazer para garantir que tudo ocorra da melhor forma possível?

  • Mantendo as consultas de rotina com o pediatra em dia;
  • no caso das meninas, levá-las à primeira consulta ginecológica;
  • certificando-se de que os mais velhos entendam a importância da segurança sexual e dos métodos contraceptivos;
  • investindo em uma alimentação saudável;
  • pesquisando e entendendo um pouco sobre as doenças/condições mais comuns dessa fase. São algumas delas: obesidade, transtornos alimentares, HPV, herpes etc;
  • certificando-se de que o seu filho está dormindo bem. praticando exercícios físicos com regularidade e cuidando bem da própria saúde mental;
  • mantendo a carteirinha de vacinas atualizada.

Ufa!

Agora você já consegue saber se os seus filhos estão crescendo bem! No mais, lembre-se: cada pessoa tem suas particularidades e individualidades, então NUNCA subestime a importância de um pediatra na vida de toda a família, combinado?

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.