Cirurgia de Catarata: quais são as dúvidas mais frequentes?

Na sala de casa, mulher asiática mais velha com a mão no queixo e semblante de dúvida a cerca da cirurgia de catarata

Apesar de muito comum, é normal que os pacientes que estejam prestes a realizarem uma cirurgia de catarata fiquem repletos de dúvidas. Pensando nisso, preparamos um compilado de todas as perguntas mais frequentes que recebemos tanto sobre essa condição, quanto sobre o procedimento em si.
Então, para ter todas as suas respostas, e aprender um pouco mais sobre esse procedimento, continue conosco.

O que é catarata?

A catarata ocorre quando o cristalino, lente natural do olho, perde a sua transparência.

Representação de um olho com o cristalino normal e outro olho com catarata

O que causa a catarata?

O envelhecimento é a principal causa da catarata, mas esta também pode estar associada a doenças oculares como uveítes (inflamação ocular), trauma ou cirurgia ocular prévios, diabetes ou uso de medicamentos como os corticosteroides.

Quem pode ter catarata?

A catarata é mais comum em pessoas acima de 50 anos, mas pode aparecer em qualquer idade, até em bebês (catarata congênita).

A catarata tem cura?

Sim. O tratamento da catarata é feito por meio de uma cirurgia chamada facoemulsificação. Durante o procedimento, ela é removida e, no lugar, é implantada uma lente intraocular para corrigir o grau resultante.

É possível prevenir a catarata?

Não existem provas científicas de que é possível prevenir a catarata. Porém, um estilo de vida saudável e a proteção dos olhos contra raios UV (exposição solar) são recomendados.

Existe algum colírio que trata a catarata?

Não. O único tratamento eficaz para a catarata é a cirurgia.

O que sente uma pessoa com catarata?

Os sintomas provocados pela catarata dependem do seu tipo e da velocidade com que ela se desenvolve.
A catarata nuclear, por exemplo, é mais frequente no idoso, costuma provocar poucos sintomas e piora a visão muito devagar. Já a catarata subcapsular, mais comum em pacientes diabéticos ou que fazem uso crônico de corticosteroides, provoca perda visual mais rápida.
O paciente com catarata nota que a visão está embaçada e causando dificuldades no dia a dia, principalmente em ambientes com pouca luminosidade.

Como saber se tenho catarata?

A catarata somente é diagnosticada durante uma consulta oftalmológica completa, em que é detectada a baixa de visão e a opacificação do cristalino.

Qual é o momento certo de operar a catarata?

A indicação do momento certo para operar a catarata varia de acordo com cada especialista. É importante fazer as seguintes perguntas:

1- A catarata está prejudicando a visão, ou interferindo nas atividades, no trabalho e na qualidade de vida?

Se o paciente não tem queixas e acha que a sua visão está ótima, na maioria das vezes podemos esperar.

2- A segunda pergunta é: o quadro é inicial ou a catarata já está densa (madura)?

Uma catarata inicial, que nem é percebida pelo paciente, pode ser acompanhada. Se, nas próximas consultas, o médico perceber que ela está ficando muito densa, a cirurgia será indicada.

3- A catarata está elevando a pressão do olho?

O cristalino, lente natural do olho, é maior que a lente que implantamos na cirurgia de catarata. Por causa disso, é comum observar que a pressão ocular diminui após a cirurgia. Em pacientes com glaucoma, a cirurgia de catarata pode ser indicada mais cedo para ajudar a controlar a pressão do olho.

4- O exame do fundo do olho está sendo dificultado pela catarata?

O paciente que tem doenças da retina, como degeneração macular e retinopatia diabética, por exemplo, precisa de um exame de fundo de olho periódico. Se ele desenvolve uma catarata e ela começa a atrapalhar o visualização do fundo de olho, está na hora de operar.

Atenção: o mais importante na hora de decidir quando operar é conversar com o seu cirurgião sobre cada um desses pontos. Cada pessoa é única e não existem regras que se apliquem a todos os pacientes.

Quais são os exames pré-operatórios necessários?

A indicação dos exames necessários para cada paciente é feita pelo cirurgião. Um exame indispensável é a ecobiometria, que mede o grau da lente a ser implantada durante a cirurgia.
Existem dois tipos de ecobiometria:

  • ecobiometria ultrassônica: esse exame é realizado por um oftalmologista e utiliza o ultrassom para realizar as medidas.
  • Biometria óptica (IOL Master® ou Lenstar®): exame automatizado e que pode ser realizado por um técnico. Utiliza a interferometria para medir o comprimento ocular.

Apenas a Biometria ultrassônica tem cobertura prevista no ROL da ANS (41501012). Esse exame, realizado por um médico capacitado, é suficiente para se calcular o grau da lente.

Porque é necessária uma “lente intraocular” para a cirurgia de catarata?

Operar a catarata significa tirar a lente natural do olho. Para que o paciente não precise usar aqueles óculos grossos que a gente via antigamente em quem operava dessa condição, hoje colocamos uma lente artificial dentro do olho, que chamamos de lente intraocular.
O grau dessa lente é calculado pelos exames que fazemos antes da cirurgia.

Quais são os tipos de lentes intraoculares?

Praticamente todas as lentes utilizadas atualmente são de acrílico dobrável. Isso é importante porque, para operar a catarata, precisamos de uma abertura na córnea de mais ou menos 2,2 milímetros. Para não ter que aumentar essa incisão na hora de implantar a lente, o ideal é que ela dobre e passe por esse pequeno orifício. Dessa forma, não é necessário dar pontos.

A dificuldade maior dos pacientes na hora de escolher a lente é entender o que ela corrige. Então, vamos lá:

As lentes convencionais conseguem corrigir apenas a miopia, a hipermetropia e astigmatismos baixos. Após a cirurgia, o mais comum é que o paciente não precise de óculos para longe. Porém, a maioria dos pacientes irá precisar de correção para leitura, seja em óculos só para perto ou multifocais.
As lentes chamadas Premium têm o mesmo objetivo de uma cirurgia refrativa, ou seja, eliminar os óculos.
Nesse grupo das lentes Premium, temos basicamente:

  • lentes asféricas;
  • lentes tóricas;
  • lentes multifocais.

As lentes asféricas têm uma arquitetura um pouco diferente das convencionais. Elas foram desenvolvidas para reduzir a ocorrência de glare, que são halos em volta das luzes.
As lentes tóricas são indicadas para pacientes com astigmatismo acima de 1,00 e que não desejam usar óculos para longe após a cirurgia. Neste caso, provavelmente serão necessários apenas óculos para leitura.
As lentes multifocais e tóricas multifocais têm o objetivo de corrigir o grau de longe e o de perto, aumentando as chances de eliminar os óculos após a cirurgia.

É importante entender que, por melhor que seja a tecnologia e os cálculos pré-operatórios, é impossível garantir que a pessoa não precisará de óculos mais, mesmo com as lentes Premium. Até a cicatrização da cirurgia pode afetar o resultado, e ela varia de um paciente para o outro.

Como é feita a cirurgia de catarata?

Para operar a catarata, fazemos uma pequena incisão na córnea, de mais ou menos 2 mm. Através dela, o cirurgião introduz os equipamentos necessários para aspirar a catarata e, no final, implantar a lente intraocular.
Essa técnica é chamada facoemulsificação e é usada em todo o mundo com excelentes resultados.

A pergunta mais comum em relação à cirurgia de catarata é:

Existe cirurgia de catarata a laser?

A verdade é que não existe uma técnica que utilize apenas o laser. O que temos atualmente é o femtosegundo, um laser utilizado para realizar alguns passos da cirurgia:

  • incisão na córnea;
  • abertura da cápsula do cristalino (capsulorrexis);
  • fragmentação inicial do núcleo.

Além disso, o laser pode ser utilizado durante o procedimento para corrigir astigmatismo por meio de pequenas incisões adicionais na córnea, em locais específicos.
Mesmo com a utilização do laser femtosegundo, as outras etapas da cirurgia são realizadas por meio da facoemulsificação convencional. Com o laser, consegue-se maior uniformidade nas incisões, porém, em relação ao resultado final, não há diferenças na taxa de sucesso da cirurgia com e sem o laser.

Quanto tempo demora o procedimento?

A cirurgia de catarata leva em torno de 30 minutos. Do momento em que o paciente chega à clínica (uma hora antes) até ser liberado para casa, o tempo decorrido é de aproximadamente 3 horas.

A catarata pode voltar depois de operada?

Após a sua remoção, a catarata não volta. O que pode ocorrer é uma opacificação na cápsula onde é apoiada a lente intraocular. Isso acontece em menos de 25% dos pacientes, geralmente após 2 anos da cirurgia. O tratamento com Yag laser resolve completamente o problema.

Vou precisar de óculos após a cirurgia?

Um exame completo é realizado 4 a 6 semanas após a cirurgia para verificar a necessidade de correção visual. Alguns pacientes ainda precisam usar óculos após a cirurgia, independentemente do tipo de lente intraocular escolhido.

Preciso parar algum medicamento antes da cirurgia?

Seu cirurgião irá orientá-lo sobre quais medicamentos devem ser interrompidos ou substituídos antes da cirurgia de catarata. Geralmente, isso inclui os anticoagulantes e colírios para glaucoma contendo prostaglandinas.

Quanto tempo a lente intraocular dura?

Depois de implantada no olho, a lente intraocular é permanente.

Pode-se usar uma lente diferente em cada olho?

Na maioria das vezes, podem ser usadas marcas de lente diferentes em cada olho sem problema algum. A única ressalva seria no caso das lentes intraoculares com filtro amarelo. Quando esse tipo é usado, o ideal é colocar a mesma nos dois olhos.

Pode-se colocar uma lente monofocal em um olho e uma multifocal no outro?

Isso pode ser feito sim. Porém, se está indicado ou é a melhor opção, somente o oftalmologista pode avaliar caso a caso. Lembrando que as lentes multifocais não são garantia absoluta de que a pessoa não usará mais óculos depois da cirurgia de catarata.

Qual o tempo de recuperação após a cirurgia?

No dia seguinte à cirurgia, a maioria dos pacientes já percebe uma melhora na visão, que fica progressivamente mais clara nos dias subsequentes.

O yag laser é sempre necessário após a cirurgia de catarata?

Não. O Yag laser somente é necessário se ocorrer opacificação da cápsula posterior do cristalino após a cirurgia. Isso não ocorre em todos os casos e, quando ocorre, geralmente demora mais de 6 meses (mais comum após 18 a 24 meses). Na maioria das vezes, o yag laser é feito uma única vez por olho.

Enfim…

Viu como não existem mistérios para a cirurgia de catarata? Além de ser um procedimento super simples e seguro, ainda é rápido e garante ótimos resultados!
No mais, se você por acaso ainda tiver alguma dúvida sobre esse assunto, não deixe de entrar em contato com o seu oftalmologista, combinado? Afinal, somente ele saberá todas as peculiaridades do seu caso.

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.

Oftalmologia

Médica oftalmologista e idealizadora do Convite à Saúde. Atualmente atende na Clínica Advision, nas especialidades de plástica ocular e cirurgia de catarata. Paralelamente, escreve e coordena o departamento de redação do portal, além de prestar consultoria na área de auditoria médica.

Deixar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *