Vista de cima da face de um cachorro com catarata

Santo Agostinho Assinatura

A catarata é uma doença comum em cães e gatos. Caracterizada pela opacificação do cristalino, a lente do lho, impede a chegada da luz até a retina, causando prejuízos à visão e podendo levar à cegueira. É a principal causa reversível de deficiência visual em animais e também em humanos. A evolução da doença é progressiva e se caracteriza pelas seguintes fases:

  • Catarata incipiente: atinge cerca de 10% a 15% do cristalino e não afeta a visão.
  • Catarata imatura: atinge uma área maior do cristalino provocando embaçamento visual.
  • Catarata madura: cristalino totalmente opacificado e com tamanho aumentado, causando perda parcial ou total da visão.
  • Catarata hipermadura: nesta catarata ocorre liquefação do córtex do cristalino, que circunda o núcleo. Pode ocorrer extravazamento deste líquido através da cápsula causando inflamação ocular grave e glaucoma.

Fatores de risco

Os principais fatores relacionados ao aparecimento de catarata são:

  • Idade avançada;
  • predisposição genética;
  • diabetes;
  • traumas e lesões;
  • inflamações oculares;
  • exposição à radiação: radioterapia realizada em tratamento para câncer; radiações ionizantes, choque elétrico.
  • deficiências dietéticas: raras, podem ocorrer em filhotes alimentados por leite em pó.

Raças mais afetadas

As raças mais propensas a apresentarem catarata são:

  • Poodle
  • Schnauzer miniatura
  • Golden
  • Labrador Retriever
  • Cocker Spaniel
  • White Terrier

Quadro clínico

Inicialmente, a catarata não apresenta sinais óbvios. Pode-se notar, ao exame, que a lente do olho se encontra esbranquiçada. A evolução da catarata leva o animal a ter problemas para se locomover, esbarrando em objetos e tropeçando.

Complicações

A catarata não tratada pode levar à perda total da visão ou complicações oculares como inflamação (uveíte), glaucoma e luxação do cristalino.

Diagnóstico

O diagnóstico da catarata é feito durante o exame por um veterinário. Ao detectar o problema, ele encaminha o animal para um especialista, responsável pela realização de exames complementares e cirurgia.

O oftalmologista veterinário realiza alguns exames específicos para avaliar a morfologia do olho e a presença de doenças associadas, que contraindicam a cirurgia e podem impedir a recuperação visual. A correta seleção dos pacientes é essencial para um bom resultado. Alguns olhos que apresentam doenças associadas como uveíte, glaucoma avançado ou degenerações retinianas não irão se beneficiar da cirurgia, que não deve ser realizada nestes casos.

  • Biomicroscopia: exame que permite a observação em detalhes das estruturas anteriores do olho, incluindo a catarata.
  • Tonometria: medida da pressão ocular.
  • Ultrassonografia: avalia a morfologia do olho e a retina.
  • Eletrorretinografia: verifica a função da retina.

No pré-operatório são também realizados exames laboratoriais e eletrocardiograma para avaliar o risco cirúrgico para o procedimento.

Tratamento 

O único tratamento eficaz para a catarata é o procedimento cirúrgico, realizado sob anestesia geral e com resultados excelentes. Ocorre recuperação da visão em 90% a 95% dos casos operados por um cirurgião experiente.

A técnica moderna de cirurgia de catarata, também utilizada em humanos, se chama facemulsificação. É feita uma pequena incisão na córnea periférica através da qual a cápsula anterior do cristalino é aberta uniformemente (capsulorrexis). A catarata é emulsificada e aspirada, limpando-se completamente a cápsula. A lente intraocular é implantada dentro da cápsula para uma maior estabilidade. Em alguns casos, o uso de um anel expansor da cápsula é necessário.

O pós-operatório inclui uso de colar e aplicação de colírios. A alimentação deve ser macia e precisam ser evitados banhos e atividades físicas nos primeiros dias após a alta.

Complicações

Em 5% e 10% das cirurgias, a ocorrência de complicações pós-operatórias impede a recuperação visual completa. Os principais problemas observados são glaucoma, descolamento da retina e edema na córnea.

Gostou do texto? Visite a editoria Saúde do Animal e saiba como manter a saúde do seu melhor amigo. Nossos veterinários e especialistas têm muito para contribuir. Acesse, também, nosso Facebook, Instagram e Twitter para ficar por dentro de tudo sobre o universo pet.