A cárie é a doença bucal mais conhecida no mundo. Sem os devidos cuidados e higiene, ela pode nos acompanhar desde a infância e é raro encontrar quem não tenha passado pelo problema. Estima-se que ela atinja nada menos do que 90% da população mundial.

Dentre as causas para o aparecimento da cárie estão as placas, constituídas de bactérias e restos alimentares que se formam junto aos dentes.  A presença de resíduos de alimentos aumenta a proliferação bacteriana e acelera o processo de desenvolvimento da placa. A princípio, a placa é fina e facilmente removida através da higiene caseira dos dentes. Como tempo, ela se calcifica formando o tártaro, que só pode ser removido efetivamente por um dentista. Por isso sua presença deve ser eliminada.

Os locais mais atingidos pelas cáries são os sulcos dos dentes de trás, regiões entre os dentes, próximo a locais tratados anteriormente e na linha da gengiva.

Aparecimento das cáries

As bactérias transformam os açúcar e carboidratos que comemos em ácidos capazes de causar alterações nos minerais do esmalte dos dentes, formando pequenos orifícios. Quando as placas e o tártaro não são removidos, as cáries, progressivamente, crescem e se aprofundam, podendo chegar até a dentina e a polpa do dente.

 

Causas

Os principais fatores associados à formação das cáries são:

  • Placa bacteriana;
  • Dieta rica em açúcares;
  • Má higiene bucal.

A formação das placas bacterianas nos dentes é constante e a higiene dos dentes ao acordar e após as refeições é a principal arma contra as cáries.

Cada vez que nos alimentamos, os carboidratos presentes nos alimentos são utilizados pelas bactérias para produzir energia, consequentemente originando os ácidos que causam lesão aos dentes.

Quadro clínico

Nos estágios iniciais, a cárie se apresenta como pequenos pontinhos brancos (descalcificação) na superfície dos dentes e não causa sintomas. A prevenção e a identificação precoce contribuem muito. Já que o quanto antes identificado o problema, ele poderá ser revertido pelo tratamento indicado pelo dentista.

Diagnóstico

O dentista examina os dentes detalhadamente em cada consulta e é capaz de detectar as cáries em seus primeiros estágios. Podem ser utilizados corantes especiais para evidenciar placa bacteriana e lesões superficiais. A radiografia pesquisa alterações entre os dentes e lesões profundas, atingindo a dentina e a polpa.

Tratamento

Nos estágios iniciais, desde a placa até o aparecimento dos pontinhos brancos nos dentes, o processo de formação da cárie pode ser interrompido através de medidas como a aplicação de flúor. Se a dentina for afetada, será necessário realizar uma restauração, ou seja, remover a lesão, limpar o local e preencher o espaço com um material como a resina, por exemplo. Em alguns casos pode ser necessário moldar uma peça para recompor o dente, ou mesmo extraí-lo.

Prevenção

Para evitar as cáries é necessário reduzir a quantidade de placas bacterianas. Veja como:

  • Escove os dentes pelo ao menos três vezes ao dia e use o fio dental diariamente, removendo as placas bacterianas.
  • Evite lanches com muito açúcar, chicletes, balas, dentre outros.
  • Visite o dentista ao menos duas vezes ao ano para limpezas e exames. Em alguns casos estão indicados tratamentos com flúor e selantes.
  • Use uma pasta dental de boa qualidade e que contenha flúor.

Uma rotina de cuidados com os dentes é essencial para a saúde como um todo. As cáries e a doença periodontal não tratadas estão associadas a diversas patologias como doença cardiovascular, pneumonia, parto prematuro, recém nascido de baixo peso e câncer.