Mulher mexendo no cabelo na frente do espelho vendo se está desenvolvendo calvície feminina

Dra. Dulcilea Ferraz

A calvície feminina é um fenômeno que causa temor em muitas mulheres. “Será que vou ficar careca?” e “o que leva a mulher a tornar-se calva?” são indagações frequentes de muitas delas. Sua origem ainda não é bem esclarecida cientificamente, mas pode estar relacionada a fatores genéticos e hormonais.

O profissional indicado para diagnosticar e tratar o problema é o dermatologista. Recebe o nome de tricologia a área da dermatologia que estuda os cabelos e o couro cabeludo.

Como é a calvície feminina?

A calvície feminina é caracterizada pelo afinamento difuso dos cabelos, geralmente mais evidente na região da “coroa” da cabeça. A mulher acometida queixa da diminuição do volume dos cabelos e do afinamento dos fios, passando a enxergar o couro cabeludo mais facilmente.

Quando ela começa?

Para algumas mulheres, a calvície pode começar precocemente, na juventude. Por isso, quanto mais cedo a pessoa começar a tratar, melhor será o resultado. Um acompanhamento também irá evitar a possibilidade de piora do quadro.

Entretanto, muitas vezes, a pessoa nota o problema apenas após a menopausa, quando o quadro pode ser mais agravado em função da diminuição da taxa de hormônios. É comum, também, que com o avançar da idade, o cabelo fique mais fino.

Aliás, é importante esclarecer que, a partir dos 40 anos, isso é normal.
Hormônios com efeitos androgênicos (semelhantes ao hormônio masculino), e mesmo de alguns suplementos e fitoterápicos com essa finalidade, podem agravar a calvície.

O afinamento dos fios e a queda de cabelos podem ocorrer simultaneamente?

Sim. Se há uma perda significativa dos fios, e a pessoa também apresenta calvície, torna-se necessário avaliar se essa falta é anormal, e se existem causas para ela, tais como algumas doenças, uso de medicamentos, dietas, etc.

Qual o tratamento para a calvície feminina?

O primeiro passo para minimizar o problema da calvície feminina é consultar um dermatologista. O momento certo é logo que notar que o cabelo está ficando mais fino, situação em que já é possível ver o couro cabeludo. O ideal é que se faça o diagnóstico precoce, pois quanto mais cedo começar o tratamento, melhor será o resultado.

Existem tratamentos de via oral, de uso tópico (usado diretamente na pele), assim como alguns procedimentos cirúrgicos. Em casos mais avançados, um transplante capilar pode ser indicado.

Na mulher, o resultado do transplante tende a não ser tão bom como no homem. Isso porque, nelas, geralmente o problema pode afetar todo o couro cabeludo, não propiciando uma boa área doadora para o transplante capilar.

Embora as causas da calvície feminina sejam consideradas hormonais e genéticas, um fator importante e que vale a pena ser ressaltado é a alimentação. A paciente em tratamento de queda de cabelos deve manter uma dieta adequada, escolha que sempre ajuda em qualquer processo de recuperação do organismo.

Quer saber mais sobre as doenças que afetam o couro cabeludo? Leia mais conteúdos da Dra. Dulcilea aqui no Convite à Saúde e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter).