Close de mulher com curativo nas pálpebras e médico com pinça pressiona uma delas para finalizar a blefaroplastia

Dra. Maíra Prado

A região dos olhos costuma sofrer com os sinais de envelhecimento e cansaço. Excesso e flacidez da pele palpebral e bolsas de gordura evidentes abaixo dos olhos são alguns dos maiores incômodos. A boa notícia é que eles podem ser solucionados pela blefaroplastia.

O que é a blefaroplastia?

A blefaroplastia, também conhecida como cirurgia plástica das pálpebras, rejuvenesce a aparência do rosto e deixa o olhar com o aspecto mais descansado.

Além da retirada da pele excessiva e das bolsas de gordura, o procedimento também ajuda a amenizar rugas na região.

Indicações e Contraindicações

Por tratar os sinais de envelhecimento na região dos olhos, a cirurgia é mais comum em pessoas a partir de 40 anos, embora possa ser realizada também em pacientes mais jovens, desde que diagnosticada real necessidade.

Existem algumas técnicas menos invasivas que um procedimento cirúrgico. Porém, elas são recomendadas apenas para pacientes mais jovens, com sinais bem iniciais. Para as pessoas com sintomas mais acentuados, a blefaroplastia é a melhor opção.

A cirurgia de pálpebras pode ser contraindicada para pacientes com olho seco grave, ou com doenças na superfície ocular.

Para saber se a blefaroplastia é a melhor solução para o seu caso, é muito importante realizar uma avaliação prévia com um oftalmologista experiente em cirurgia plástica ocular.

Como a blefaroplastia é feita?

A cirurgia consiste na retirada de pele e/ou bolsas de gordura, por meio de um corte feito de forma delicada e estratégica.

Na pálpebra superior, as incisões são feitas no côncavo, acompanhando a dobra das pálpebras. Já na pálpebra inferior, o corte é feito próximo à implantação dos cílios, também acompanhando o traço natural do olho.

Em ambos os casos, o procedimento feito dessa maneira resulta em cicatrizes muito discretas, praticamente imperceptíveis na maioria dos pacientes. Os pontos da sutura podem ser absorvíveis (o próprio corpo absorve naturalmente), ou removíveis (é preciso voltar ao médico para retirá-los).

Blefaroplastia a laser

Existe, também, a possibilidade de se realizar a cirurgia com o auxílio do laser de CO² que, ao mesmo tempo em que faz o corte, já cauteriza a região. Ele auxilia na melhoria do aspecto e textura da pele.

Blefaroplastia inferior via transconjuntival

Outra opção cirúrgica é a realização da blefaroplastia inferior via transconjuntival, indicada para as pessoas que apresentam apenas bolsas de gordura na pálpebra inferior, sem excesso de pele.
Nessa técnica, nenhum corte na pele é necessário e a incisão é feita internamente, apenas na mucosa conjuntival, não deixando, assim, cicatrizes visíveis.

O procedimento

A blefaroplastia é um procedimento rápido, que dura entre 40 minutos e 1 hora e meia, e pode ser feito apenas com anestesia local e sedação.

Não é necessária a internação e o paciente pode ir para casa algumas horas após a cirurgia.

Resultados

Como já falamos, os resultados da blefaroplastia costumam ser muito naturais e deixam cicatrizes praticamente invisíveis. Casos de queloide nessa região são raros.

Com 30 dias após a cirurgia, os resultados já são notáveis. Porém, consideramos que o resultado final ocorre após 3 meses do ato cirúrgico.

Sendo os olhos uma região importante para a estética facial, a melhora na aparência do rosto, provocada pela cirurgia, mexe muito com a autoestima dos pacientes. Olhos com a aparência descansada trazem uma aura de saúde, vitalidade e juventude.

É importante lembrar que, apesar de ser uma cirurgia estética, os médicos priorizam sempre o aspecto funcional da pálpebra, tão importante para a proteção dos olhos.

Pré-operatório

Alguns exames de sangue são solicitados no pré-operatório, para garantir que a cirurgia possa ser feita em segurança. Uma avaliação clínica de risco cirúrgico também é recomendado.

De modo geral, medicamentos anticoagulantes como a aspirina, por exemplo, devem ser evitados durante a semana que antecede a cirurgia.

Por fim, também é recomendado ficar sem fumar um mês antes e um mês depois do procedimento. Afinal, o tabagismo prejudica a microcirculação e pode comprometer a cicatrização.

Pós-operatório

O pós-operatório normalmente é tranquilo e praticamente indolor. Sem necessidade de internação, o paciente recebe alta médica no mesmo dia da cirurgia e não é necessário repouso total nos dias que se seguem, apenas repouso relativo.

É comum aparecerem hematomas e a região ficar inchada, mas compressas geladas sobre os olhos ajudam a reduzir esses efeitos.

Cuidados com a lubrificação ocular também são importantes. Por isso, é possível que seu médico indique colírios, além de pomadas e outros medicamentos para ajudar na cicatrização, assim como antibióticos preventivos ou analgésicos, em caso dor.

Além de ficar sem fumar por no mínimo 30 dias, também é preciso evitar o sol no pós-operatório. Caso isso não seja possível, Intensifique a proteção da região utilizando protetor solar e óculos escuros.

Importante: diferença entre blefaroplastia e cirurgia para correção de ptose palpebral

É essencial destacar que a blefaroplastia é extremamente eficiente na remoção de pele e bolsas de gordura da pálpebra, mas não é capaz de corrigir a ptose.

Pacientes com ptose apresentam uma considerável queda da pálpebra, causada por problemas na sua musculatura, que pode levar à restrição do campo visual.

A correção da ptose é diferente da blefaroplastia e muito mais complexa, uma vez que é necessário reduzir o comprimento dos músculos que levantam a pálpebra.

Gostou do Texto? Para ler mais conteúdos como esse, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!