Gato comendo no pote

Dra. Beatriz Terenzi

Nos últimos 70 anos, a alimentação natural para gatos foi trocada por ração seca comercial, altamente processada e rica em carboidratos. E ela é deixada à vontade para o bichinho durante todo o dia.

Nos últimos 70 anos, a alimentação natural para gatos foi trocada por ração seca comercial, altamente processada e rica em carboidratos. E ela é deixada à vontade para o bichinho durante todo o dia!

Estamos testemunhando uma ocorrência cada vez maior de doenças como diabetes, obesidade, doença inflamatória intestinal, doenças urinárias e insuficiência renal. Será uma coincidência? Ao se conhecer mais a biologia dos gatos, não resta dúvida: a ração seca não é um alimento adequado para eles.

A fisiologia do Felino

Os gatos são carnívoros obrigatórios, assim como os grandes felinos. O ancestral selvagem do gato se alimenta de pequenos roedores, compostos predominantemente de proteína, uma quantidade moderada de gordura e pouquíssimo carboidrato.

A domesticação dos gatos é menos intensa que a dos cães, datando de 10,000 anos atrás. Sua aproximação ao ambiente humano se deu inicialmente pela possibilidade de caçar roedores que infestavam depósitos de grãos, o que tornava sua presença desejável.

O gato doméstico tem uma fisiologia digestiva muito semelhante à de seus ancestrais.

Seus dentes são afiados, feitos para caçar e arrancar pedaços de carne de sua presa. Sua mandíbula não se move lateralmente, o que significa que não conseguem triturar alimentos fibrosos, e sua saliva não contém amilase para digerir amido.

O trato gastrointestinal dos gatos é curto, permitindo pouca fermentação e digestão de carboidratos, e seu estômago tem um pH bem mais ácido que o nosso, para digestão de ossos e para lidar com bactérias na comida.

Como os gatos evoluíram para se alimentar de presas, possuem necessidades nutricionais específicas dos carnívoros: eles não conseguem produzir a vitamina A a partir de betacaroteno como nós, nem conjugar aminoácidos para produzir a taurina, um aminoácido essencial para a saúde do coração e olhos dos bichanos.

A vitamina A e a taurina estão presentes em abundância numa dieta de alimentação natural para gatos à base de carne e vísceras.

Os gatos usam como principal via metabólica para obtenção de glicose a gliconeogênese proteica. Ou seja, a principal fonte de energia para o funcionamento de diversas células do seu corpo deve vir de proteínas da alimentação, e não de carboidratos, que são menos digeridos e aproveitados pela espécie.

De fato, esse processo em gatos é constante e, na falta de proteínas na dieta, o organismo começa a consumir as proteínas da musculatura e órgãos.

Os gatos evoluíram vivendo em ambientes secos como desertos, o que explica sua baixa iniciativa para beber água, em comparação aos cães. Nesses ambientes, os felinos obtém a maior parte da sua hidratação da comida: um pequeno roedor tem em sua composição aproximadamente 75% de água.

uma ração seca tem por volta de 8% de umidade – por isso percebemos que o gato que come ração seca bebe mais água no pote, mas não o suficiente para compensar a baixa umidade do alimento. O que se vê então é um animal permanentemente desidratado, o que aumenta a frequência de doenças urinárias e renais nos gatos de estimação de todo o mundo.

O que estamos colocando na vasilha de comida dos nossos gatos?

A ração seca que fornecemos para os nossos gatos têm uma composição básica de 40 a 50% de carboidratos e 20 a 30% de proteínas, das quais uma parte significativa vem de produtos vegetais como grãos.

Quando se pensa na fisiologia do gato, essa proporção é inadequada. Um teor alto de carboidratos e grãos para essa espécie causa um aumento na predisposição a cistites e cálculos urinários, diabetes, obesidade, lipidose hepática e doença inflamatória intestinal.

A lista de ingredientes das rações tem milho, arroz e trigo. Você consegue imaginar um tigre ou um leão comendo alguma dessas coisas?

As proteínas de origem vegetal não são bem aproveitadas, e as de origem animal vêm frequentemente de resíduos da produção humana, como farinha de sangue e de vísceras. Isso sem contar os conservantes e corantes, muitos comprovadamente carcinogênicos como BHA e BHT, banidos da alimentação humana.

O que um gato precisa comer para ter saúde?

Uma alimentação natural para gatos ideal é aquela que vai ter melhor aproveitamento, que mais se adequa ao organismo e metabolismo do indivíduo e que permite a expressão máxima de suas características naturais.

Neste caso, isso seria o equivalente a sua presa na natureza:

  • uma porção grande de carne crua com ossos que ele consiga triturar;
  • vísceras;
  • teor moderado de gordura;
  • quantidades mínimas de vegetais que ele encontraria no trato digestivo de herbívoros.

Que tal começar a considerar tudo isso na hora de servir a comida dos nossos gatinhos? A troca do alimento seco por úmido já é um passo na direção certa, e a introdução de uma dieta natural crua baseada em proteínas vai deixar seu gato muito mais saudável.

Leia também:
Alimentação natural para cães e gatos: como introduzir essa nova dieta ao seu pet?

Gostou do texto? Visite a editoria Saúde do Animal e saiba como manter a saúde do seu melhor amigo. Nossos veterinários e especialistas têm muito para contribuir. Acesse, também, nosso Facebook, Instagram e Twitter para ficar por dentro de tudo sobre o universo pet.