Tutor dando brócolis para seu cachorro enquanto prepara a alimentação natural de forma segura na cozinha

Dra. Adriana Bonfioli

Uma das maiores preocupações dos tutores fazendo a transição para a alimentação natural crua é a possibilidade de contaminação dos alimentos. Isso representa um risco para o meu cão?

Em primeiro lugar, precisamos entender que os cães são carnívoros, portanto seu organismo é adaptado para ingerir alimentos com algum grau de presença bacteriana. Afinal, a caça não é estéril!

Os cachorros têm um estômago muito ácido, capaz de destruir a maioria dos microrganismos presentes na carne. Além disso, seu trato gastrointestinal é curto e as bactérias que, porventura, conseguirem sobreviver ao suco gástrico, não têm muito tempo para se estabelecer e proliferar em seu organismo.

A alimentação natural crua, portanto, tem um risco muito pequeno de ocasionar problemas a um cão saudável. Isso, claro, quando preparada de forma adequada e com os devidos cuidados. Hoje, vamos conversar um pouco sobre os cuidados na hora de preparar as refeições do pet.

Escolha dos ingredientes da alimentação natural

A maior parte dos alimentos que fazem parte da dieta caseira para os cães pode ser encontrada em supermercados, sacolão, feiras e nos açougues. Faça suas compras em locais limpos e organizados, e escolha sempre produtos frescos e de qualidade!

Após a compra, prepare as refeições imediatamente para que os alimentos sejam congelados no estado mais fresco possível.

Congelando as refeições

Na correria do dia a dia, pode ser difícil preparar a comida do pet na hora das refeições. Por isso, a maioria dos tutores prefere preparar os alimentos com antecedência e congelar as porções individuais. Assim, basta descongelar e servir!

O congelamento das porções da alimentação natural deve ser feito no freezer, pelo tempo mínimo necessário para eliminar os parasitas que podem ser transmitidos pela carne crua:

  • carne bovina, caprina ou ovina, rã, coelho: 3 dias;
  • carne suína: 21 dias;
  • salmão e truta: 7 dias;
  • outros peixes: 2 dias;
  • aves: não é obrigatório.

Se forem congelados no auge do seu frescor, os alimentos podem ficar no freezer por até 3 a 4 meses.

Descongelando a AN

As porções da alimentação natural devem ser descongeladas na geladeira, e não sobre a pia. Dessa forma, a carne não chega à temperatura em que as bactérias começariam a se proliferar, evitando a contaminação.

Na correria, a segunda opção segura é descongelar colocando a vasilha de comida dentro de uma bacia e deixar a torneira (fria) um pouco aberta, de forma que a temperatura da água em torno da carne fique constante. Em, no máximo, duas horas, a refeição estará descongelada.

Limpeza do ambiente

Além dos cuidados com os alimentos, devemos sempre limpar e desinfetar os utensílios e superfícies utilizados para o preparo. Para isso, pode ser usada água morna com sabão e um pouco de água sanitária.

Alimentos que não devem ser congelados

Alguns alimentos devem ser preparados e/ou adicionados apenas na hora de servir a refeição:

  • ovos cozidos;
  • sal e temperos;
  • ervas frescas;
  • óleos;
  • probióticos;
  • sementes;
  • cápsula de óleo de peixe;
  • suplementos vitamínicos e minerais.

Gostou do texto? Para ler mais conteúdos como esse, fique de olho em nosso Blog e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram)!