Criança menina comendo uma melancia

Dra. Adriana Bonfioli

É indiscutível a importância da alimentação equilibrada para a manutenção da saúde e bem-estar. Mas, como e quando começar a ensinar as crianças, durante todo o processo de alimentação infantil, a se alimentarem bem?

Possível resposta: desde a introdução dos alimentos, ainda nos primeiros meses de vida. Não é preciso transformar cada refeição em uma aula, nem criar regras rígidas, mas as crianças precisam entender que tudo que comem e bebem afeta o funcionamento do seu corpo e da sua mente.

Especialistas trazem algumas dicas para os adultos na missão de educar as crianças sobre “comer bem”. Veja quais são elas:

Alimentação infantil saudável: como apresentar esse universo às crianças sem causar estranhamento?

Cozinhem juntos!

A criatividade é fundamental para superar o conhecido desinteresse dos pequenos na hora da refeição. Levar os filhos ao mercado e propor que eles escolham legumes, verduras e frutas para o almoço é uma das ações que podem despertar sua curiosidade.

Envolvê-los no preparo, delegar pequenas funções na receita, convidá-los a cozinhar juntos com os pais são medidas da alimentação infantil saudável que aproximam e ensinam a criança, transformando a refeição em um momento de diversão para a família.

Incentive o contato com os alimentos

Seja em uma feira local ou em uma fazenda próxima, estimular o contato das crianças com o ambiente em que são produzidos os alimentos pode ter grandes resultados. Descobrir e presenciar o plantio e colheita de frutas e vegetais, o criadouro de galinhas e gados, torna-se uma valiosa experiência para esse jovem.

Promover o contato das crianças com os produtores, seja no mercado ou em uma fazenda próxima, permite que elas conheçam a origem dos alimentos. Descobrir as condições em que as frutas e os vegetais crescem e como eles se apresentam em seu estado natural desperta a curiosidade nos pequenos. Observar galinhas com seus ovos, vacas leiteiras e outros animais são experiências igualmente ricas.

Cultive alguns alimentos em seu jardim

Cultivar legumes, verduras e ervas em casa pode ser uma maneira divertida de ensinar as crianças de onde a comida vem e encorajá-las a comer uma dieta mais variada. Elas são mais propensas a provar alimentos que ajudaram a plantar ou colher.

Se você não tem um jardim, um vaso na janela ou na varanda pode ser uma opção.

Alimentos mais divertidos, por que não?

Sim, com certeza. Para algumas crianças, vegetais e carne não parecem tão interessantes quanto um hambúrguer e batatas fritas, ou outra junkfood. E, para várias delas, parar de brincar para comer não é uma boa ideia durante o desenvolvimento de uma alimentação infantil saudável.

Para mudar isso podemos usar alguns truques que despertem a sua curiosidade. Tente fazer a refeição mais divertida! Faça com que fantasiem: crie pequenos personagens com vegetais ou “desenhe” paisagens em seus pratos. Use cores, texturas e formatos para tornar a hora de comer uma atividade lúdica!

Tenha sempre lanches saudáveis à disposição

Para despertar o apetite da criança, brincar com sabores e cores é uma boa alternativa. Uma dica do Convite à Saúde para uma alimentação infantil saudável é: tenha sempre disponível uma variedade de lanches saudáveis, interessantes e coloridos como vegetais, frutas e castanhas. Varie a apresentação para que possam sempre interessar aos pequenos.

Utilize jogos temáticos

Jogos educacionais online são interessantes para educar as crianças sobre uma boa nutrição. Elas podem aprender sobre frutas, vegetais e animais brincando em uma fazenda virtual ou, quando maiores, gerenciando um restaurante. Esses jogos também ajudam na atenção e concentração, habilidades essenciais para seu desenvolvimento futuro.

Aulas de culinária

Aulas de culinária oferecem um ambiente supervisionado para o desenvolvimento de habilidades na cozinha. Existem cursos específicos para cada faixa etária, sendo que a seleção das receitas respeita a capacidade das crianças e a segurança.

Além de preparar a refeição, aprendem a colocar a mesa, decorar e servir os pratos, além de comer utilizando os talheres apropriados. É um sucesso!

Seja o melhor exemplo

O adulto é a principal referência da criança. Qual o sentido em educar seu filho a fazer uma coisa e agir de outra forma? Montar pratos parecidos e oferecer ao filho um pouco da sua comida pode ajudar a ter a segurança necessária para experimentar algo novo. Seguir uma dieta saudável é a maneira mais eficaz de fazer com que seus filhos aprendam a comer melhor.

Refeições em família

As refeições em família podem ser momentos para ouvir o que a criança tem a dizer, trocar experiências e cultivar a comunicação. Dividir as tarefas no preparo da refeição, da mesa e limpeza são pequenas atitudes que ensinam as crianças a ajudar em casa e a trabalhar em equipe.

Transformar a refeição uma rotina coletiva fortalece a ligação da criança com a questão da alimentação infantil.

Liberdade de escolha

A autonomia ajuda na maturidade e desenvolvimento da criança. Que tal preparar uma grande variedade de legumes e verduras e deixar que seu filho escolha dois ou três opções? Esse método pode estimular a criança a experimentar alimentos inéditos.

Pode ser difícil, mas nunca desista!

Crianças precisam ter muitos contatos com o mesmo alimento antes de se acostumar com ele. Não desista fácil, insista! A paciência ajudará a criança a se aproximar e se interessar pelo alimento.

O prato perfeito. Sim, ele existe!

Ao longo da infância pode ser construído o conhecimento sobre os tipos de alimentos e a importância de cada um. O prato perfeito deve ser rico em legumes e verduras, ter uma boa fonte de proteína preparada em gordura saudável e uma pequena porção de carboidrato como batata doce, cenoura, ervilha, abóbora, abobrinha, arroz integral ou feijão.

Ensinar sobre quantidade também é importante. O tamanho das porções consumidas é tão importante quanto a qualidade. Mesmo crianças pequenas devem aprender a perceber quando estão satisfeitas e pararem de comer.

Quer aprender a fazer lanches escolares mais saudáveis? Leia o texto da Dra. Denise Brasileiro, pediatra e nutróloga, sobre o assunto:

VOLTA ÀS AULAS, MERENDA ESCOLAR E LANCHEIRA SAUDÁVEL: COMO CONCILIAR TUDO ISSO?